Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

A História de uma semente - parte X

 

(Com três semanas de vida: puxa, filha, como vc cresceu! Foto: Tite)

 

Desculpem a falta de post scriptuns mas caiu um raio aqui perto de casa e queimou a placa de rede. Fiquei sem internet, mas o Word continuou ativo, de forma que não parei de escrever!

 

Voltando à história da semente, antes quero informar que uma muda já está com meu amigo Júnior que levará para Boracéia. E aquela maior, de 5 anos, acabei plantando em frente da minha casa, pra poder acompanhar melhor o crescimento. E caíram várias sementes, já posso mandar pelo correio.

 

Veja como plantar o Pau (ôpa!) Brasil!

 

Primeiro é preciso pegar a semente, o que não é fácil, porque ela é muito parecida com a folha. Por isso tem de colher a vagem e deixá-la secar em uma peneira até explodir espontaneamente liberando a semente. Mas cuidado, a semente vai parar lá longe!

 

(A vagem é essa coisa espinhuda, manuseie com luva porque estes espinhos são um saco pra tirar. Foto e mão: Tite).

 

Depois deixe as sementes secarem um pouco também por um dia, mas cuidado para os passarinhos não almoçarem elas! Separe as melhores sementes, aquelas mais gorduchas e com um tom marrom (verde?). Apesar de muito prolífica, apenas uma pequena parte das sementes viram árvores saudáveis. Uma boa semente dá bom fruto!

 

(As sementes precisam ter um tom marrom e estar gorduchinhas, essas mais murchas não vingam. Foto: Tite).

 

Depois prepare um saquinho para plantar a semente. Eu aproveito especialmente os sacos laminados ou aqueles bem grossos de ração de cachorro porque duram mais de 5 anos. Comece com um saquinho, mas quando a muda tiver cerca de 50 cm mude para um saco maior. Faça muitos furos no saco (ai!) para a água não empoçar. A muda deve ser regada diariamente, mas não exagere na quantidade de água senão apodrece a raiz. cerca de 200 ml por dia está bom (um copo de requeijão). A melhor época para plantar é agora (verão) porque chove todo dia (ou o dia todo).

 

(Olha aí meu saquinho já com a terra. Foto e saco: Tite)

 

Basta furar a terra com o dedo e depositar a semente. Não precisa cobrir com terra. Dê preferência para terra antiga e bem escura, rica em nutrientes. Quanto mais minhoca encontrar ne terra mais equilibrada ela será. Não compacte a terra, deixe-a bem fofa para raiz  do broto penetrar sem esforço.

 

(Faça um furo na terra com o indicador. Só manuseie terra com luva, tem lagartas e formigas que provocam queimaduras ardidas pacas. Foto e dedo: Tite)

 

Depois coloque o saquinho com a muda em uma área sombreada, que receba sol preferencialmente pela manhã ou no final do dia. O melhor viveiro natural é sob uma árvore. O meu viveiro fica debaixo de um pau-Brasil de 20 anos!

 

(deposite a semente no buraco. Não precisa cobrir de terra. Foto: Tite)

 

A muda cresce rapidamente nas primeiras 4 semanas. Se chover todo dia não precisa regar. Mas se passar mais de dois dias sem chuva regue com 200 ml de água. Depois que a muda atingir cerca de 3 semanas e as folhas estiverem abertas, pode usar um borrifador para aspergir água pela manhã e no final da tarde. Nunca regue com o sol muito forte direto na muda. As gotas d'água funcionam como uma lente de aumento e podem queimar as folhas.

 

(Meu viveiro, com mudas de café, pitanga, Pau-Brasil, ameixa amarela e sei lá mais o que nasce sozinho. Foto: Tite)

 

Fique sempre de olho nas pragas: pulgões, formigas e lagartas. Contra pulgão o remédio mais eficaz é uma boa e esfomeada joaninha. Como elas andam em falta, tenha um produto feito à base de alcatrão que se encontra em qualquer loja de planta. Mas borrife só se aparecer pulgões. Não sufoque a muda!

 

Pronto, é só esperar o Pau (êpa-êpa) Brasil crescer forte e saudável.

 

* Atenção: quem quiser semente basta me enviar uma carta com um envelope selado dentro e eu mando de volta com a semente! Escreva para Tite. Endereço: Rua Luis de França Jr, 513 - CEP 04648-071. São Paulo - SP.

 

 

publicado por motite às 20:18
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Terça-feira, 16 de Dezembro de 2008

A História de uma semente

(Primeiro dia de vida de um broto de Pau Brasil - Caesalpinia echinata. Foto:Tite)

 

Quando eu era um broto de gente minha mãe me deu de presente um livro chamado "Tistu, o Menino do Dedo Verde". No livro o pequeno Tistu tinha um dedo mágico: onde ele colocava o indicador nascia uma planta. Bom, isso é tudo que lembro do livro.

 

Mas uma coisa nunca ficou esquecida: o amor pelas árvores. Desde pequeno sou um incurável plantador de árvores. Minha mãe até passou a me chamar de Tistu. Evidentemente já perdi a conta de quantas plantei ao longo dos últimos 40 anos, mas passa de 1.000 fácil. Só na região de Paraibuna, interior de SP, foram centenas de sementes colhidas, tratadas e espalhadas.

 

Um dos maiores prazeres da minha vida é acompanhar o crescimento de uma árvore. Especialmente uma pela qual criei um amor eterno: o Pau-Brasil (sem piadinhas...).

 

Quando minhas filhas eram pequenas, bem pequenas, ganharam uma muda de Pau-Brasil da Fundação Mata Atlântica. Mais conhecida como Cesalpina echinata, o Pau-Brasil é árvore de crescimento relativamente rápido e atinge a idade adulta com cerca de 10 anos. Levamos a muda para casa e quando atingiu um metro de altura plantei no quintal.

 

Como tudo que plantei ela brotou forte, cresceu e hoje, 15 anos depois, é uma virtuosa árvore que ocupa todo meu quintal (e parte do quintal do vizinho...).

 

Essa árvore é uma das minhas alegrias verdes. Outra é um pinheiro araucária que plantei na frente da casa (não sei a espécie porque não é o brasileiro). Esse pinheiro entrou em casa como uma prosaica árvore de natal, dessas que se jogam fora no dia 6 de janeiro. Mas eu fiz uma tentativa de mantê-lo vivo e hoje é uma bela árvore que posso admirar da janela do meu escritório.

 

Uma noite eu senti um cheiro forte de perfume e fiquei farejando pela casa até descobrir que o Pau-Brasil tinha florescido. Flores amarelas lindas e muito perfumadas. Que atraíram um batalhão de abelhas... 

 

Meses depois percebo algumas cascas curiosas pelo chão. Pareciam folhas cheias de espinhos. Na verdade eram as vargens do Pau-Brasil que estavam espalhando as sementes. Centenas delas, por todo jardim. Semanas depois e o chão estava coalhado de brotos de Pau-Brasil. 

 

Pacientemente recolhi um a um e coloquei em sacos plásticos. Criei um viveiro de Pau-Brasil no quintal de casa e passei a doar mudas a amigos. Este viveiro já está na terceira geração de mudas e devo ser pai de umas 20 árvores de Pau-Brasil espalhadas por aí.

 

Neste final de 2008 decidi registrar pela primeira vez todo o processo de nascimento e crescimento de uma muda de Pau-Brasil, árvore símbolo do nosso País, e trazer para você a história de uma semente.  A muda leva cerca de um ano para atingir o tamanho adequado para plantio (cerca de 50 cm), mas eu só entrego a muda quando ela atinge um metro para ter certeza de que crescerá forte.

 

Na primeira semana apenas sequei a semente e preparei o vaso com terra bem antiga do meu quintal, misturado com restos de xaxim e muito material orgânico. Na segunda semana coloquei a semente no vaso e deixei que as chuvas de dezembro fizessem o serviço.

 

A semente está na terceira semana e já é um broto, forte e saudável.

 

Fique ligado, você vai conhecer a história de uma semente.

publicado por motite às 13:01
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.Procura aqui

.Março 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. A História de uma semente...

. A História de uma semente

.arquivos

. Março 2019

. Junho 2018

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds