Segunda-feira, 26 de Novembro de 2012

Uma luz sobre o assunto

 (Em alguns carros, a lanterna é junto com farol alto e baixo) 

Entenda de uma vez por todas como funcionam as luzes dos veículos

Alguns dias atrás encontrei um velho amigo de adolescência. Depois de atualizarmos toda nossa vida percebi que tinha algo muito diferente no rosto dele, além das rugas, claro. Mais à vontade, perguntei e ele admitiu que tinha feito cirurgia plástica, mas não por vaidade e sim em função de dois graves acidentes de carro que causaram ferimentos no rosto. Estranhei, porque nós somos de uma geração que aprendeu a dirigir carros na pré-adolescência e ele sempre dirigiu muito bem. Pedi detalhes e ele relatou que os dois acidentes foram à noite, em situações parecidas e sem envolver álcool, excesso de velocidade ou imprudência.

No fim do evento fomos juntos para o estacionamento e vi que ele saiu com o carro com os faróis apagados. Parei a moto ao lado e berrei “o farol está apagado!”. Mas ele respondeu: “mas as lanternas estão acesas, na cidade só uso as lanternas”.

Eu não quis provocar uma briga, mas na hora lembrei a descrição dos acidentes e percebi que ele ainda sofreria muitos outros se continuasse a rodar à noite com os faróis apagados. Que Deus proteja meu amigo!

É inacreditável, mas em pleno século 21 as pessoas ainda não sabem como usar um simples farol. Talvez isso explique parte dos graves acidentes que acontecem à noite. Ainda podemos encontrar motoristas e motociclistas que não sabem a diferença entre lanterna e farol e isso é desconhecido das autoridades de trânsito, porque nunca vi nenhuma campanha de esclarecimento sobre o assunto. Entre os especialistas e socorristas existe um ditado famoso: "de dia as pessoas se acidentam, à noite elas morrem!".

As luzes dos carros, motos, caminhões e ônibus não foram feitas apenas para que seus condutores pudessem ver à noite, mas também para serem VISTOS, tanto por pedestres quanto por outros autores do trânsito.

Esclarecendo, geralmente os veículos tem cinco situações de iluminação:

Lanterna ou luz de posição – A responsável por toda a confusão. Essa luz foi criada para ser usada com o veículo PARADO e tem a finalidade de ser visto mesmo em condições de pouca iluminação. Não deve ser usada com o veículo em movimento. Em muitos países essa posição foi abolida justamente para evitar essa confusão e foi substituída por leds que ficam permanentemente acesos, inclusive com a opção de manter só um lado aceso, quando o motorista estacionar em local escuro. Mas essas luzes foram criadas para países europeus, com baixo índice de insolação e grande incidência de neblina. Como o consumo de energia dessas luzes é baixo, podem ficar acesas até o dia seguinte sem problema. Infelizmente no Brasil esse tipo de iluminação é confundida com o farol baixo e até motoristas de veículos pesados trafegam à noite apenas com as lanternas acesas. É mais triste ainda perceber que os policiais e agentes de trânsito também cometem essa infração! Ou seja, nem que tem a função de fiscalizar conhece e aplica as leis.

Farol baixo – É a luz mais fraca dos faróis principais e deve OBRIGATORIAMENTE ser ligada a partir do pôr do sol. Como foi descrito, em pleno século 21 tem motorista que ainda não percebeu a função desse farol. Ele não provoca ofuscamento, desde que regulado, e tem de ser usado nas áreas urbanas, com ou sem iluminação pública. Em muitos países os carros ficam permanentemente com essas luzes acesas. No Brasil, apenas nas motos esse farol já fica sempre aceso, seja dia ou noite e não tem opção de desligar. Infelizmente vivemos uma época de narcisismo e egoísmo exagerados e alguns indivíduos de pouca ou nenhuma inteligência adaptam leds coloridos em vez de faróis. É uma cópia dos “angel eyes” usados em carros europeus para uso especialmente em condições de neblina. Aqui no Brasil virou moda “tuning” e se tornou substituto dos faróis. E a fiscalização não tem competência para coibir essa ação.

Farol alto – É a luz mais forte e só pode ser usado em áreas sem iluminação pública, estradas e zona rural. Deve ser desligado quando cruzar outro veículo em sentido contrário e também pode ser usado como sinal de advertência para ultrapassagem. Também deve ser desligado quando seguir algum outro veículo. O lampejador de farol, ou “flash” aciona o farol alto. Não deve ser usado em neblina, poeira excessiva ou chuva forte. Nestas condições ele espalha demais a luz e piora a visibilidade. O farol baixo é mais eficiente.

Luz de neblina – Essa é a campeã da desinformação. Posicionadas sob o pára-choque, elas tem a função de reforçar a iluminação em condições de neblina porque espalha o facho para baixo e laterais. A luz traseira de neblina tem a finalidade de tornar o veículo mais visível em condições de baixa visibilidade, como a óbvia neblina, chuva ou poeira. Infelizmente, mais uma vez a prepotência e ignorância do motorista médio brasileiro transformaram essas luzes em faróis e são usadas sem o menor critério. Fico pensando nos milhares de reais que são jogados fora anualmente em campanhas de segurança, aqui no Brasil, para um público incapaz de entender o funcionamento de algo tão simples e elementar. As luzes de neblina não devem ser usadas em noites claras de boa visibilidade, muito menos na cidade. As dianteiras não são visíveis pelos pedestres, nem pelos motociclistas, porque o facho não chega à altura dos olhos. E a luz traseira ofusca a visão quem vem de trás. Eu desafio algum leitor narrar algum episódio de multa para quem estava trafegando com as luzes de neblina acesas na cidade. Mas posso apresentar dúzias de multas ridículas para motociclista que roda com a viseira aberta (mesmo de óculos!).

Farol de milha ou longo alcance – Hoje esses faróis são mais raros, mas eram usados até meados dos anos 80, inclusive em versões de série. São faróis mais potentes que o farol alto e proibidos de funcionar nas cidades. A lei obriga, inclusive, que sejam cobertos por uma capa enquanto o carro estiver na cidade e só podem ser descobertos nas estradas. Comum nos carros fora-de-estrada pela elementar necessidade de iluminar os obstáculos com muita antecedência e clareza. Nas estradas ele é muito útil, mas nunca deve ser usado na cidade!

Pisca, seta ou luz de indicação de direção - é aquela luz acionada por uma alavanquinha (no carro) ou no botão (moto) e que avisa para qual lado você vai virar, ou mudar de faixa. Simples, né? Pena que quase ninguém sabe o que é e para que serve. Mas lembra de ligar o pisca-alerta quando está sob neblina, com o veículo em movimento, o que é perigoso e ilegal. O pisca alerta só deve ser acionado com o veículo PARADO!

Alguns motociclistas instalam faróis auxiliares, mas devem escolher modelos que sejam específicos para motos e que não acabem com a bateria. Atualmente os faróis originais das motos são muito eficientes. Mas o motociclista deve lembrar que ao transportar peso excessivo ou garupa a traseira afunda e a frente levanta, fazendo subir o facho do farol. Algumas motos (e carros) tem regulagem rápida para essa situação, mas quando não houver lembre-se de não colar nos carros da frente.

 

publicado por motite às 14:16
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.Procura aqui

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Uma luz sobre o assunto

.arquivos

. Junho 2019

. Março 2019

. Junho 2018

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds