Quarta-feira, 16 de Julho de 2008

Até o fim do Mundo

(Foto @ João Montovani)

 

Com a nova BMW GS 1200 viajar é melhor do que chegar
 
Imagine-se estressado. Tipo prestes a explodir. Uma forma de relaxar é pegar a estrada e deixar a mente livre de qualquer preocupação. Se a estrada é a cura, o melhor remédio no frasco de duas rodas é a BMW GS 1200. Nascida para ser a moto-para-dar-a-volta-ao-mundo ela chega ao Brasil na versão 2008 ainda mais viajável e com altíssimo poder anti-estressante. Posso garantir que é bem mais divertido – e econômico – do que ficar deitado de barriga pra cima, olhando o teto branco do consultório de um analista freudiano. Ah, e a BMW não tem contra-indicação e ainda melhora sua auto-estima (ou moto-estima).
 
A aparência volumosa engana e assusta. Mas na prática quase nem se percebe os mais de 230 kg (a seco). Boa parte desse peso está no motor de dois cilindros paralelos – também conhecido como boxer – de exatos 1.198 cc, que desenvolve 105 cv a 7.000 rpm. Esse motor é a prova de que a tecnologia supera muitos preconceitos. Quando alguém poderia imaginar em pleno século 21 que uma das motos mais desejadas do planeta teria motor arrefecido a ar de cilindros opostos?
 
Pois a insistência alemã em manter o motor com a mesma arquitetura do primeiro propulsor com o logotipo BMW de 1929 rompeu com todos os paradigmas da mecânica. Se alguns engenheiros apocalípticos condenaram os motores refrigerados a ar, alegando alto consumo e excesso de poluição, a tecnologia provou o contrário. Equipada com injeção eletrônica e catalisador essa BMW pode ser ligada na sala de casa sem matar ninguém. E dentro da proposta de ser uma moto pra dar volta ao mundo, um sistema de arrefecimento a ar elimina uma grande preocupação que é um radiador, uma ventoinha e suas válvulas.
 
Sobe e desce
Antes de colocar a big (e bota big nisso!) trail em movimento foi preciso uma aula sobre os comandos. Claro que nada é simples em se tratando de alemães. Se o idioma deles tem três gêneros (masculino, feminino e neutro) não seria diferente com as motos. Todas as motos têm apenas um botão para ligar e desligar os piscas. Na BMW são três: um pra esquerda, um pra direita e um terceiro pra desligar. O projetista deve ser polidáctilo! Até acostumar com o botão da buzina o novo dono de uma BMW viverá fortes emoções apertando o pisca!
 
A lição mais comprida foi do ajuste das suspensões. Essa GS conta com um sistema ESA – electronic suspension adjustment – que permite alterar 12 parâmetros de acerto das suspensões dianteira e traseira sem mexer um parafuso nem tirar o traseiro do banco. Basta ir clicando o botão ESA no punho esquerdo e sentir a moto subindo e descendo. E como o vocabulário alemão é cheio daquelas palavras com 9 consoantes e uma vogal, esses ajustes aparecem no painel de cristal líquido na forma de infográficos. Também no punho esquerdo está o controle de atuação do freio ABS e do controle de tração. Pra rodar na terra recomendo desligar o freio ABS e deixar o controle de tração na posição intermediária. Hehe, na verdade eu desliguei o controle de tração porque é muito divertido ver as pedras voando a cada acelerada! Até a calibragem dos pneus pode ser conferida pelo painel.
 
Há muito tempo as fábricas perceberam que os donos de motos big-trail usavam-nas quase exclusivamente nas estradas asfaltadas. A partir dessa ótica a BMW passou a oferecer duas versões da GS: uma mais on-road e a Adventure, com itens mais endurísticos como tanque de gasolina maior, rodas raiadas e proteções de alumínio para não despedaçar a moto a cada simples queda. A versão que avaliamos é a GS “normal”, voltada para uso mais civilizado. Mesmo assim ela encara uma estrada de terra de forma muito dócil, ao contrário do que sua aparência mastodôntica poderia supor. O banco tem até regulagem de altura para que pilotos prejudicados verticalmente possam colocar os pés no chão em situações de emergência. Posso atestar que funciona... felizmente!
 
 
Nas estradas de asfalto essa BMW passa a sensação de que o fim do mundo fica ali na esquina. Extremamente confortável para piloto e garupa, silenciosa e deliciosa de pilotar, chega a dar certa tristeza quando a viagem termina. O aspecto de moto de tiozão é enganoso porque ela chega fácil a 220 km/h (206 km/h reais) e tem estabilidade de sobra pra acompanhar motos mais esportivas. E só pra não ficar rasgando elogios, o pára-lama traseiro tem algum erro de projeto porque na chuva joga muita água e sujeira nas costas de quem está na garupa. Geralmente esse “alguém” já é naturalmente faladora. Imagine o tamanho da bronca!
 
Com um consumo médio na faixa de 15 km/litro, a autonomia da versão GS é de 300 km, enquanto na versão Adventure é de 495 km. Dá pra ir até o fim do mundo... e voltar!

 

+     +      +

Publicado originalmente na revista Car & Driver número 6.

 

E eu que prometi não publicar mais testes...

 

Não liguem se faltam dados como consumo, mas teste de moto em revista de carro é diferente mesmo!

publicado por motite às 00:34
link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.Procura aqui

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Até o fim do Mundo

.arquivos

. Junho 2019

. Março 2019

. Junho 2018

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds