Domingo, 27 de Dezembro de 2020

A História de uma lenda: o primeiro teste da Honda CBX 750F nacional.

abregeral.jpg

Eu sou o de amarelo... como sempre! (Todas as fotos são reproduções do original do Mário Bock)

Primeiro teste da Honda CBX 750F nacional!

Novembro de 1986, São Paulo, bairro da Vila Mariana. Era lá que ficava a sede da Sigla Editora, que publicava a revista Duas Rodas. Era meus primeiros passos no jornalismo especializado e depois de testar centenas de motos – a maioria pequenas até 450 cc – chegou a vez de assumir uma enorme responsabilidade: testar a Honda CBX 750F nacionalizada. Uma moto esperada por anos, com um nível de ansiedade lá nas alturas. Na verdade foi uma matéria a oito mãos porque participaram dela os experientes Josias Silveira, o editor Roberto Araújo, o testador principal Gabriel Marazzi e eu, o foca da redação. Tudo registrado pelas lentes do Mário Bock.

Algumas curiosidades deste teste.

1) Nós fomos a única publicação especializada que conseguiu logo de cara comparar a versão nacionalizada com a japonesa importada, porque o Josias tinha uma na garagem de casa. Foi um banho nos concorrentes (mais um...).

2) Repare no volume de material escrito! Eu tive a manha de contar: 18.100 caracteres (sem ficha técnica nem medições), algo inimaginável nos dias de hoje, que ninguém quer ler mais nada, só vídeo no Iutubiu.

3) Preste muita atenção na quantidade de esporro que a Honda leva em várias situações, especialmente no caso dos pneus com câmera. O Roberto Araújo era o único da equipe que tinha passado por jornal “de verdade” o Jornal da Tarde. Ele trazia aquela alma investigativa dos jornalistas sérios e jogava no cara do entrevistado, tipo “olha eu sei que você está mentindo, mas vamos publicar a nossa versão”! Karaka, se alguém fizer isso hoje em dia vai preso! Eu escutava ele falando com os executivos da Honda pelo telefone e me escondia embaixo da mesa com medo do tamanho da bomba que seria jogada. Mas o efeito era justamente o inverso: quanto mais ele batia na Honda e Yamaha (e todas as outras), mais éramos respeitados no meio.

4) Fiz questão de manter o texto integral da época, inclusive a moeda era o Cruzado. Se quiser saber qual valor em dólar tem vários conversores no Google.

5) Preste atenção nas medições do Gabriel Marazzi. Tudo feito com cronômetros e trena conforme já expliquei AQUI uma vez. Os números eram precisos! Boa leitura!

capa.jpg

A capa história!

CBX 750F contra CBX 750F

Foram seis meses de expectativa. Desde que a Honda mostrou a CBX 750F na cor preta (veja edição nº 130) e Duas Rodas descobriu com exclusividade que seriam apenas 700 unidades importadas para “investigação de mercado”, ficava uma pergunta no ar: como seria a CBX 750F efetivamente nacional? Agora ela chegou.

Tem 40% de nacionalização, a roda dianteira é de 18" e não de 16" como a importada, a carenagem foi modificada, as suspensões dianteira e traseira perderam suas regulagens, embora na dianteira permaneça o TRAC (que é o sistema antimergulhante da Honda); entre várias outras modificações.

O motor continua o mesmo quatro tempos, quatro cilindros em linha, refrigerado a ar, 747cc (67,0x53,0 mm), com 16 válvulas (quatro por cilindro), e a potência é de 82 CV a 9.500 rpm. Permanecem portanto as boas características como elasticidade, crescimento de giro uniforme, respostas e acelerações rápidas. Nas medições realizadas por Gabriel Marazzi, esta CBX "made in Brazil" atingiu uma velocidade máxima de 213,9 Km/h na melhor passagem, contra 209 Km/h da CBX importada e o consumo médio foi igual, de 10,8 Km/litro. Ou seja, as possíveis diferenças de motor são desprezíveis em relação ao modelo importado, e podem inclusive ser em função das diferenças normais entre cada unidade.

duas juntas.jpg

Sim, o diretor de arte cortou nossas cabeças, isso era comum naquela época!

As principais modificações foram no conjunto dianteiro de suspensão e roda. A moto nacionalizada está equipada com aro dianteiro de 18" e perdeu as regulagens de suspensão e do sistema antimergulhante TRAC. Agora, a moto está mais simplificada, ao contrário do que anunciou o diretor comercial da Honda, Reizo Tanaka, em entrevista a Duas Rodas (edição n. 135, setembro de 1986), na qual ele declara textualmente "a política da Honda não permite adaptações na CBX 750F brasileira".

O desenho made in Brazil

Esteticamente, a moto ganhou novo grafismo, combinando as cores branca, vermelha e preta. A carenagem foi alterada, ficando mais alta porque os dois semi-guidões ficaram dois centímetros mais altos, e a bolha acrílica é mais envolvente. O encosto da carenagem agora é feito por galão (cantoneira de borracha), enquanto no modelo importado a fixação é feita por coxim de borracha, com melhor acabamento.

A iluminação continua sendo feita por dois faróis, mas agora cobertos por apenas uma lente, o que deixou a moto mais bonita e manteve um importante item de segurança, já que raramente queimam as duas lâmpadas do farol ao mesmo tempo.

oaradas.jpg

Fomos a única revista a comparar as duas versões.

O estilo mais agressivo da versão anterior, toda preta, sem cromados, deu lugar a um visual colorido com escapamentos cromados. Toda a "carroceria" da moto, ou seja, carenagem, tanque, laterais, rabeta e pára-lamas é produzida aqui, com algumas alterações visando modificar o conjunto. O escapamento não recebeu o cromo preto por dificuldades tecnológicas da nossa indústria, em compensação agora ele é divisível, o que pode representar, uma economia em caso de substituição.

Todo o sistema elétrico permaneceu igual, ou seja, 12 Volts com bateria de 14 A/h, e alternador com capacidade de 320 Watts a 5.000 rpm. A ignição é eletrônica e a moto possui sistema de partida elétrica, eliminando o pedal de partida. Para quem sentir falta deste acessório, basta verificar os automóveis que não têm mais manivelas de partida há muitos anos, e que são muito mais difíceis de empurrar, quando a bateria está descarregada.

roda.jpg

A roda dianteira de 18" foi razão de muita discussão... até hoje!

Frente brasileira

Olhando a CBX importada e a nacional, percebe-se que a roda dianteira da japonesa é menor. Automaticamente faz-se uma ligação com as competições: a roda menor é melhor. Na prática não precisa ser bem assim. Nas pistas, como as velocidades aumentam cada vez mais, estava ficando difícil acelerar estupidamente entre uma curva e outra com a moto ainda inclinada, graças ao efeito giroscópico. É esse efeito que mantém a moto “em pé” quando em movimento. Assim, as motos de competição passaram a adotar a roda dianteira de 16". Como conseqüência, essas motos ficaram visualmente mais bonitas e agressivas, além de mais ágeis, criando um modismo para as motos esportivas de rua.

banner_300x300px_angel-GT-ll.jpg

Tem uma moto clássica e precisa de pneus? Clique nessa imagem acima!

Outra alteração foi nos pneus, que não são mais tubeless (sem câmara ). A justificativa oficial da Honda para a colocação de câmaras foi a dificuldade de manutenção que o tubeless oferece, já que poucos borracheiros no Brasil teriam equipamentos para consertar este tipo de pneu.

Mas o argumento enfrenta dois obstáculos: o primeiro é que a grande maioria dos carros nacionais já é equipada com pneus sem câmara, o que faz com que a maioria dos borracheiros esteja adaptada a esse tipo de manutenção. Segundo, em entrevista com técnicos da HRDB Honda Development of Brazil, que tem sede no Japão, mas cujos técnicos estiveram no Brasil na época da apresentação do modelo à imprensa, não se escondeu a razão real: para usar pneus sem câmara seria preciso usar o mesmo tipo de roda da CBX importada (Comstar). A roda de alumínio fundido tem porosidades que eliminam a possibilidade de uso do pneu sem câmara com segurança.

motor.jpg

Motor de quatro cilindros e 85 CV.

Como resultado da adoção do aro dianteiro de 18", a geometria da suspensão dianteira mudou. O curso se manteve com 150mm, assim como o cáster, com 27° mas o trail passou de 93 para 101 mm. A distância entre eixos aumentou de 1.465mm para 1.490mm, aumentando também o comprimento total da moto de 2.146 para 2.185mm.

A falta de regulagem na suspensão dianteira (e do equalizador de pressão de ar) foi explicada pela fábrica, como uma forma de proteger o motociclista brasileiro, já que desacostumados com regulagens complexas, os brasileiros poderiam mexer sem conhecimento e piorar a estabilidade da moto. Novamente, na mesma entrevista com os homens da HRDB, descobriu-se que a Showa do Brasil, que fornece os amortecedores, não teria condições tecnológicas para desenvolver a suspensão com regulagem. Pelo mesmo motivo, eliminou-se as quatro regulagens do sistema antimergulhante TRAC, que apesar de continuar existindo, está regulado no que seria a posição 2,5 numa escala de 1 a 4.

A suspensão traseira perdeu as três posições de regulagem do amortecedor único. Rodando com garupa, a suspensão chegou a bater no fim do curso (que passou de 115mm para 103mm, na roda), lembrando o comportamento das CB 450. Os motivos para a eliminação das regulagens estão no capítulo anterior.

painel.jpg

Na posição de pilotagem da moto nacional, não se percebe o aumento de um centímetro na altura do banco ao solo. Os instrumentos são importados e continuam iguais, com velocímetro à esquerda marcando até 240 Km/h; ao centro está o contagiros com a faixa vermelha iniciando em 10.000 rpm; à direita, um único relógio agrupa marcador de nível do combustível e voltímetro.

No painel (importado), a Honda brasileira fez uma alteração discutível. No modelo japonês existia uma luz espia indicando se a lâmpada da lanterna traseira havia se queimado. Na versão nacionalizada, esta luz não foi utilizada, por motivos tecnológicos, e para não ficar um buraco, inventaram a indicação de "Top", ou seja, que indica quando a sexta e última marcha foi engatada. Graças ao motor elástico da CBX, esta luz fica praticamente acesa a maior parte do tempo, o que pode incomodar em viagens noturnas, com aquela luzinha cor de violeta sempre "chamando a atenção do motociclista.

cidade.jpg

De macacão super à vontade pela cidade... 

Os comandos são iguais aos da CBX importada, apenas o corta-corrente mudou de preto para vermelho. Ao centro dos semi-guidões está a chave de ignição, com trava incorporada e a caixa de fusíveis, que agora usa fusíveis do tipo faca, e não de vidro.

logo_ellegancy.jpg

Sua jaqueta moderna não combina com sua moto clássica? Saiba que tem jeito, basta clicar no banner acima.

Rodando

Durante os testes pudemos comparar os rendimentos da versão importada (emprestada compulsoriamente pelo nosso diretor editorial Josias Silveira). Foi aí que todas as justificativas da fábrica foram sendo conferidas e a primeira descoberta foi de que o aro dianteiro de 18" se dá melhor nos acidentes geográficos que existem pelas ruas e estradas brasileiras. A segunda foi a de que regulagens em suspensão dianteira fazem falta, um ajuste na suspensão sempre torna a pilotagem mais segura e confortável.

deitamuito.jpg

Os pneus nacionais com câmara não chegaram a afetar a estabilidade e nas frenagens as diferenças em relação à importada são desprezíveis, cabendo às diferenças normais de um veículo para outro. Em curvas os pneus se mostraram eficientes mesmo em curvas de alta, feitas “no limite”. O guidão mais alto melhorou a postura e deixou a moto mais fácil de “costurar” no trânsito urbano.

Mesmo com todas as alterações, a Honda CBX 750F é uma moto excepcional, que pode ser pilotada a mais de 200 Km/h em uma estrada segura, com o contagiros chegando perto da faixa vermelha; ou em uma estrada de terra a 30 Km/h, ou ainda em uma avenida à beira-mar, numa noite de verão.

Mercado

Desde sua chegada a CBX 750F se tornou recordista brasileira de ágio. Dos Cz$129.290,00 tabelados pelo CIP, ela chegou a atingir Cz$ 450.000,00 no "mercado paralelo". A razão é simples: muita procura e pouca oferta. Com apenas 100 motos por mês distribuídas pelo Brasil, o que sequer dava uma moto por revenda (são mais de 400 pelo Brasil), foi inevitável o aumento de preço.

tite_josias.jpg

Dentro do macacão preto está o Josias Silveira.

A grande novidade em termos de mercado da nova CBX 750F é o número de produção. Ele passa a ser de 300 unidades/mês, e seu novo preço de tabela, que foi autorizado pelo CIP, agora é de Cz$ 137.238,00. Mas, na verdade, tudo indica que também esse novo preço é apenas teórico: pelo menos a curto prazo deve continuar o ágio. O maior número de unidades que chega ao mercado deve, porém, fazer com que ele caia gradualmente, conforme o público que espera por essa moto for tendo acesso ao produto.

Mas, de qualquer forma, um pouco mais cara ou barata, um ponto pode ser festejado: o Brasil faz, finalmente, uma 750cc.

Gabriel Marazzi e Geraldo Simões

carenagem.jpg

Farol duplo, mas com a mesma lente. Esta versão ficou eternamente conhecida como "Hollywwod".

Box 1

Quanto custa um tombo?

Provavelmente um dos fantasmas que persegue os proprietários de Honda CBX 750F (depois dos ladrões de motos) são os caixas de balcão de peças das revendas. Chegar na oficina e falar com voz cheia "troca a embreagem!", por exemplo, pode custar, realmente, muitos ricos cruzadinhos.

Com a nacionalização da maioria dos componentes da CBX, inclusive suspensão dianteira completa e até mesmo o quadro, a manutenção geral da moto em caso de defeitos ou acidentes tende a ter seu custo reduzido. Mas não é tudo que serve no modelo 86, a "preta". A carenagem, por exemplo, é bastante diferente e tem seus encaixes posicionados em outros lugares na nova CBX, de modo que não serve na antiga. Do mesmo modo o farol, painel (este ainda é importado mas não é intercambiável entre a 86 e a 87) e tanque não podem ser substituídos nesses modelos diferentes.

Os amortecedores dianteiros da nova CBX também não servem na preta, tampouco poderá ser utilizada a suspensão dianteira completa da outra, devido à diferença dos ângulos de direção que elas possuem (haveria problemas de estabilidade e dirigibilidade). Ainda o guidão do modelo nacional terá problemas ao ser instalado na "preta", devido ao comprimento dos cabos e mangueiras de comando. Mas componentes menores como piscas, lanterna traseira, manetes, pedaleiras e escapamento, além de pequenas peças, as nacionais poderão ser utilizadas no modelo importado, certamente a preços mais acessíveis. Em relação a isso, é intenção do fabricante continuar a importar peças de reposição, além das do motor e câmbio, que não se compatibilizem integralmente com a moto em relação à estética ou eficiência de funcionamento. Os preços dos componentes de reposição para CBX nacional ainda não estavam acertados na ocasião do fechamento desta edição, para que se pudesse compará-los aos preços das peças importadas, que são muito elevados. Para se ter uma idéia, a carenagem completa com farol, da "preta", custa sem colocação Cz$ 38.757,00, enquanto que a suspensão dianteira completa custa Cz$ 28.894,00 sem rodas e freios, o guidão em duas partes custa Cz$ 5.900,00; os pneus Cz$ 10.237,00 jogo e as rodas Cz$ 25.130,00 (as duas). O tanque custa Cz$ 16.500.00, o banco Cz88.910,00 e os escapamentos Cz$ 17.966,00.

Box 2

As mudanças, na nossa análise.

São bastante numerosas as mudanças na CBX 750F versão 1987. Em muitas dessas “novidades nacionalizadas” a questão pode ser discutida apenas tecnicamente. Em outras, envolve a opinião e mesmo o gosto de quem julga. Para saber o que é nacional e o que é importado na moto, é mais fácil numerar o que é importado: motor e câmbio completos, painel de instrumentos completo, caixa de fusíveis, tampa do  tanque de combustível, torneira do tanque de combustível, corrente de transmissão, guidão e acrílico da carenagem. O restante é tudo nacional.

Para determinar na parte que foi nacionalizada o que melhorou, piorou ou é indiferente, a equipe básica de testes de Duas Rodas se reuniu e colocando lado a lado a CBX 750F preta 86 ao lado da 87 branca cada um dos itens foi comparado e analisado. Aqui a média dos resultados na opinião de Josias Silveira, Roberto Araújo, Geraldo Simões e Gabriel Marazzi:

tabela_opinioes.jpg

O boletim da 750F

Box 3

Opiniões

Olhei a CBX nacional pela primeira vez. Minha reação diante do guidão e carenagem altos e aquela roda “enorme" na dianteira: “é uma moto para maiores de 40 anos”. Lembrei-me que já estou nesta classificação de idade e reformulei: "é uma moto para motociclistas bem mais velhos ou mais barrigudos". Andando com a CBX nacional a coisa não ficou tão ruim. Ela anda "direitinho" e não chega a te jogar no chão por causa de duas polegadas a mais na roda dianteira. Mas ela perdeu a agilidade e a leveza que um aro 16" na frente e as suspensões e o TRAC reguláveis permitiam. Uma leveza muito difícil de se achar em motos (realmente) de grande cilindrada. Uma agilidade que serve inclusive para fugir dos buracos.

Discordo da Honda e da 'ala jovem" da redação (Marazzi e Geraldo) quanto ao aro18" ser mais adequado às "condições brasileiras". Se fosse assim todas as motos nacionais, mesmo as passeio, teriam aro 23" na dianteira, além de pneu cross, e salva-vidas para enfrentar inundações.

A CBX nacional tem seus encantos mas falta a agressividade, o "pique" e a esportividade da "pretona". Mesmo que o ronco de um motor quatro cilindros possa compensar estas faltas, na minha opinião, apenas parcialmente.

Josias Silveira

Antes mesmo da apresentação da Honda CBX 750F à imprensa e ao público, já era sabido que o modelo seguinte, quando terminassem as 700 unidades importadas iniciais, seria muito simplificado e perderia até a charmosa "rodinha" dianteira de 16 polegadas. Durante os testes da "preta", viagens

e coisa e tal, gostei muito da moto, realmente sensacional. E, sinceramente, já não gostava da próxima versão, antes mesmo de saber como ela seria. A Yamaha RD 350LC me entusiasmou mais. Agora, com a nova Honda CBX 750F, as coisas mudam um pouco. A primeira vista, seu grafismo e cores me espantaram um pouco, e as "nacionalizações" levantaram suspeitas quanto à eficiência da parte mecânica e estabilidade. Mas depois de rodar algumas centenas de quilômetros com ela em estradas, ruas, durante testes e mesmo passeios em fins de semana, com paciência a CBX nacional me conquistou.

Mais adequada ao meu estilo de pilotagem que a preta, ela não mostrou em nenhum momento abalos em estabilidade ou dirigibilidade, chegando até a ter melhor desempenho que o modelo anterior testado.

As simplificações existem, não há mais regulagens de amortecimento e intensidade do sistema antimergulhante, o acabamento em relação ao modelo importado realmente é inferior (só um pouco), mas ela continua a ser a Honda CBX 750F, com seus 82 CV e velocidade máxima acima dos 210 Km/h. E com um ronco de seu motor de quatro cilindros que não deixou de me emocionar desde que eu era um garoto de 10 anos, em 1969, quando vi

(e ouvi) pela primeira vez uma Honda CB 750 Four.

Gabriel Marazzi

Durante o lançamento da CBX 750F nacional, os representantes da Honda do Brasil e do Japão não se cansaram de dizer que a fábrica jamais lançaria um produto que não fosse seguro. Até aí, tudo bem, mas o pneu sem câmara (tubeless) é comprovadamente mais seguro do que o com câmara.

Não é à toa que as motos esportivas no Exterior utilizam o tubeless. A falta de regulagens nos amortecedores dianteiros e traseiro pode não colocar a segurança do motociclista em jogo, mas quando se passa numa lombada, com garupa, o amortecedor traseiro bate no fim do curso e nas curvas com irregularidades a frente chega a escorregar. Tudo isso poderia ser amenizado se o motociclista pudesse escolher a regulagem mais apropriada para a utilização da moto.

Depois que a moto começa a andar é fácil esquecer as justificativas “oficiais" e saborear as boas qualidades mecânicas que foram preservadas, como o motor dócil e ao mesmo tempo veloz, e os freios supereficientes.

Porém, ao parar a moto novamente, a decepção: acabaram" com o acabamento na CBX nacional. Desde arestas de solda no quadro (brasileiro) até a falta de polimento da alavanca de câmbio, dão a impressão que o "nosso" controle de qualidade anda meio sonolento e precisa abrir mais o olho, a exemplo da indústria japonesa.

Em linhas gerais, a Honda merece o reconhecimento pela rápida nacionalização de 40% de uma moto tão complexa, mas por enquanto, ainda "não senti firmeza" com esta moto. Quando a fábrica aumentar a "tiragem” talvez as coisas melhorem.

Geraldo Simões

Box 4

Pirelli: "sem câmara é melhor”.

Antes do lançamento da CBX 750F nacionalizada circulou um "boato" de que a nova moto viria com pneu dianteiro de aro 18", com câmara. A razão apontada, era porque a Pirelli Brasil não teria condições de fabricar pneus de aro 16" e sêm câmara, como da moto importada. A Pirelli, pórem não confirmava essa informação e, oficialmente, a Honda jamais afirmou que a modificação se devia a dificuldades de fornecimento da Pirelli.

A Honda, afirmou Attilio Cepollaro, gerente de produtos originais da Pirelli, é nosso cliente há muito tempo. Fizemos exatamente o que nos pediram. Mas poderia ser outro pneu, ou outra medida. Quanto a pneu com câmara, ou sem, a Pirelli entende que o pneu sem câmara oferece maior segurança, sendo um produto mais evoluído.

Roberto Araújo

MEDIÇÕES

ficha tecnica.jpg

fichatecnica.jpg

 

publicado por motite às 21:28
link | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.Procura aqui

.Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Clássica vermelha: Ducati...

. A clássica da vez: Honda ...

. Mais um comparativo histó...

. Vai ser dada a largada: q...

. A moto de um bilhão de Cr...

. Quanto cu$ta manter uma m...

. O SUV dos scooters, conhe...

. Estrada sem fim: como é a...

. Tem pneu novo chegando: P...

. Como nasce um pneu: um di...

.arquivos

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Julho 2019

. Junho 2019

. Março 2019

. Junho 2018

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds