Segunda-feira, 14 de Março de 2011

Diário de um ex-magro

Última etapa do camp. Bras. de Motovelocidade em 1999. Eu (à direita) tinha 40 anos e 65 kg. Preciso ficar assim de novo... O do meio é o Leandro Panadés, outro filé de borboleta que hoje já está bem mais gordinho...

 

Como sobreviver comendo quase nada e correndo de moto.

 

Desde que Adão virou-se para Eva e perguntou “o que é este pneuzinho na sua cintura?” a humanidade descobriu o regime. E olhe que ela vivia à base de maçã! Tive de me submeter a um regime por três longos e intermináveis anos, de 1997 a 99, época em que decidi competir no campeonato brasileiro de motovelocidade, em uma Honda 125 especial que pesava 63 quilos. A moto, porque eu pesava 69 quilos, para 1,69 m de altura. Corpo de modelo, mas pesado demais para correr contra jovens de 55 quilos, que poderiam servir de manequins em qualquer agência funerária.

 

Fui parar em uma academia especializada em tirar banha de pilotos para emagrecer 8 quilos e ficar nas dimensões ideais de um piloto de moto nascido na Etiópia.

 

Com ajuda de uma nutricionista, comecei o tratamento. Entrava na academia às oito da manhã e saía às dez e meia, depois de fazer vários exercícios aeróbicos e com peso. Coisa de 100, 200 repetições, com pesinhos de 3 quilos. Duro mesmo era o regime.

 

Segundo a nutricionista, para alguém emagrecer é preciso comer. Sim, comer pouco e várias vezes por dia. A parte do “várias vezes por dia” até me agradava, quando lembro dos alimentos e das quantidades. Nada mais de ovo frito, pele crocante de frango assado, lasanha da minha mãe, almoço parenteral na casa da tia, bacon, torresmo e sacos gigantes de pipoca com Coca-Cola. Tudo isso pertencia ao passado. Minha dieta era à base de pepinos fatiados, broto de bardana (uma enigmática raiz descoberta por acaso por um tatu esfomeado e incluída na culinária humana), pães integrais com queijo branco, peixes grelhados com uma solitária alcaparra, mas sem manteiga. Complementado com aberrações como as tais barras energéticas, que proporcionam tanta energia para uma pessoa quanto uma pilha alcalina para um Boeing 747.

 

Fiquei tão especializado em regime que minhas amigas gordinhas vinham me consultar para saber o que estava tomando para ter um aspecto assim tão, digamos, moribundo. Virei consultor de mulheres em busca da anorexia, e poderia faturar uma grana com isso.

 

Foi uma fase difícil porque coincidiu com viagens ao exterior para testes de motos e pneus. Imaginem o que é passar em frente a restaurantes italianos sem mergulhar numa polpetta boiando em molho de tomate. Ou então fingir que não viu a placa “Hoy, paella valenciana”, num restaurante em Málaga, na Espanha. Ver joelhos de porcos crocantes na Alemanha, passando por baixo do meu nariz sem pular no garçon, dar uma gravata e roubar a bandeja. Nos Estados Unidos foi mais fácil porque a comida daquele país deveria fazer parte do acordo de paz da Onu, de não proliferação de armas químicas.

 

Enquanto eu desfilava diante de todas estas coisas, era obrigado a me refestelar com uma salada de agrião, quase sem tempero, ou um insosso peito de frango grelhado. A humanidade com certeza inventou o grelhado como forma de se vingar de algum deus mitológico, que exigia sacrifícios humanos. Imagino a cena: os pais tendo de entregar literalmente de bandeja a filha rechonchuda e tenra como um galeto al primo canto, mas sacaneando, “vamos grelhá-la, assim este deus nunca mais vai querer comer gente”.

 

A palavra regime até então se resumia a um estilo de fazer política: regime autoritário, regime militar, regime comunista, regime social-democrata-com-tendências-esotéricas, etc. Tive de conviver com esta ditadura e consegui emagracer não apenas os 8 quilos propostos, mas minha porcentagem de gordura no corpo chegou a miseráveis 11%. Todo mundo comia em restaurantes por quilo, eu comia em restaurantes por miligramas. Nos coquetéis, eu jogava fora o canapé e comia só a salsinha. Brindava com água mineral sem gás. Se servissem ossobucco no jantar, eu lambia o osso e ficava com um bucco no estômago.

 

Por isso não lamentei a perda do campeonato brasileiro em 1999. Sabia que poderia voltar para as picanhas fatiadas, frangos assados, pizzas, canelones, calzones, doce de leite, goiabada cascão, ambrosia, brigadeiro, caipirinha, etc. Agora, com imprensados 76 quilos dentro das calças, posso voltar à vida normal. E, se der vontade voltar a correr, sempre existirá a categoria F-Truck.

 

* Este texto foi escrito em 2002 e publicado no livro "O Mundo É Uma Roda". Hoje eu não corro mais de moto, mas inventei de escalar montanhas, o que exige uma relação peso x potência igual de moto: ou diminuo o peso ou aumento a potência. Aumentar a potência não está nos meus planos, odeio academias. Portanto sobrou reduzir a massa gorda, junto com a massa de pizza.

 

Ainda guardo as pastas com o regime proposto por uma nutricionista indiana faquir. Vou voltar à rotina de uma hora de bicicleta, meia de corrida a pé e apenas 3 exercícios com peso: ombro, braço e abdome. Preciso chegar (e passar) na páscoa com 68 a 70 kg. Ainda bem que tem o ovo de páscoa Alpino,que tem tudo a ver com alpinismo...

 

 

tags: ,
publicado por motite às 17:25
link do post | comentar | favorito
9 comentários:
De Leonardo a 15 de Março de 2011 às 00:58
Pedala tio Tite!!!
De Rodrigo a 15 de Março de 2011 às 11:19
Pedala tio tite!!!!!(2)
De Péricles _PC a 18 de Março de 2011 às 17:21
Pedala Tio Tite!!! (3)

E posso dizer que resolve!! Além do daltonismo temos mais uma semelhança física, (só tenho mais cabelo kkk), 1,68m e atualmente 77Kg. Em 2010, quando já havia feito amizade com um daqueles cubanos que desertou no Pan de 2007 e coincidentemente é meu vizinho e ciclista profissional, decidi pedalar e reduzir de 79Kg para o quanto conseguisse! Não fiz nenhuma dieta faquir, mas rodei de bike aproximadamente 25Km por dia, que equivale 1 hora de pedalada de manhã, abdominais, parei com refrigerantes e passei a comer menos massas e lanches! Em 35 dias foram embora 7Kg e eu dormia melhor, pedalava melhor e andave de moto melhor!! Rs.
Agora voltei a pedalar, não como antes, mas a moto está guardadinha e vou e volto do trabalho de bike! Só não estou tão fiel na dieta, mas espero não só conseguir o mesmo resultado num espaço de tempo um pouco maior, como conseguir sustentá-lo por mais tempo sem muitos sacrifícios!! Não só esse texto, mas todos os outros do livro são sensacionais!!

Parabéns e boa sorte na dieta!

Abraços.

Péricles _PC
De Tiago a 15 de Março de 2011 às 12:37
Excelente texto!!!
Acho que já é a 5678ª vez que o leio...
hahaha

Tite, se precisar, sou Educador Físico especialista em Treinamento Desportivo e tenho um estúdio de Pilates, não custa nada pra vc vir 2 x por semana pra Foz pra fazer pilates no melhor estúdio da cidade (quissá do estado).
E o melhor: temos parceria com uma ótima nutricionista! Perfeito pra vc hein!!
hahaha

P.S.: podemos trocar um mês de Pilates com acompanhamento nutricional e acupuntura por um curso Speedmaster, ótima proposta hein?!
De Irineu a 16 de Março de 2011 às 20:40
Traslado incluso?
De Tiago a 20 de Março de 2011 às 22:45
hahaha

Vc vai me pagar um curso SpeedMaster??

Mas o translado não está incluso não, já que essa é uma boa oportunidade pra testar o que se aprende no curso, vindo pra cá de moto!
:)
De carlos lemos a 23 de Março de 2011 às 15:49
Tite,
Quanto a dirigir falando ao celular, quero lembrar que, como muita gente sabe, o celular cria um campo eletromagnético à sua volta, tipo o do microondas, que interfere no funcionamento do cérebro, pois este funciona tambem com eletromagnetismo.
Quando morreu o saudoso Ayrton, numa revista que tinha uma reportagem sobre ele, acho que a Veja, tinha tambem um artigo sobre este aspecto prejudicial do celular, porisso sempre que surge o assunto eu lembro dele.
As pessoas quando falam ao celular entram no modo 'automático' de dirigir, pois como sabes, dirigimos com o consciente e com o inconsciente do nosso cérebro, pois se tivessemos que pensar em todas as ações necessárias ao ato de dirigir com a parte consciente, faltaria memória RAM (rsrs).
Tenho o teu livro O Mundo é uma Roda, que já li, é claro.
Um dia ainda quero fazer o teu curso.
Abraço.
De Paullo Ramos a 25 de Março de 2011 às 02:21
Até que tu era bunitinho magrelinho daquele jeito....hehehe

abraço

Paullo Ramos
De Daniel a 25 de Março de 2011 às 19:54
Tite pela sua grande experiência, qual seria seu comentário a respeito dessa moto, hoje se encontra na faixa de 23 a 25mil . O seguro deve ser bem em conta, mas será que é um mico?


BMW - G 650 X-Challenge - 2007 - BRANCO

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.Procura aqui

.Março 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Scooter mania nacional

. Ainda melhor!!!

. Motociclista, esse esquec...

. Salão no Rio em nova data

. Tudo que você queria sabe...

. Quem experimenta pede Biz

. Salão da recuperação

. Viajar de moto é tudo de ...

. Honda Day: as novas CB 65...

. Prazer em encolher: Ducat...

.arquivos

. Março 2019

. Junho 2018

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds