Terça-feira, 24 de Novembro de 2009

A Ondina e o romance inacabado

(Fala se não tem jeito de fada??? Essa é a capa do disco da Juliana Kehl)

 

Beethoven e Schubert deixaram um enorme ponto de interrogação pra humanidade desvendar: e se tivessem terminado as suas sinfonias inacabadas? Seriam elas tão intrigantes quanto hoje? Ou ambas se tornariam mais duas sinfonias nas partituras do mundo? Nunca vamos saber, afinal elas não foram terminadas.

 

Eu, que sou um gênio quase do mesmo calibre desses dois, também tenho a minha obra inacabada. Sem falar nas incomeçadas e nas nonatas, que morreram antes de nascer. Em 1994 meu amigo ilustrador Alberto Naddeo virou pra mim e lascou:

 

- Geraldito, você precisa escrever um romance para público juvenil, isso está bombando e as editoras estão vendendo pra %$#@*&¨

 

Dadas as dimensões do Naddeo, a quem eu chamo respeitosamente de Urso, achei melhor acatar o pedido dele, mas como bom preguiçoso que sou, fui deixando pra amanhã... Até que um dia, durante o banho, recebi uma inspiração de algum lugar do mundo astral e decidi escrever o romance.

 

Sentei na frente do meu velho IBM AT 386 e escrevi algo perto de 200 páginas de texto. É, eu sou assim mesmo, sofro de compulsão verborrágica e quando começo a escrever só paro com uma martelada na testa ou por fome.

 

Muitos anos antes meu irmão, outro escritor compulsivo, me presenteou com um livro chamado “Como Escrever um Romance de Sucesso” de um americano autor de vários Best Sellers. Li o livro e minha vida não mudou nada, até ter o insight no chuveiro!

 

Esse manual mostrava o que é óbvio para qualquer escritor com mais de uma dezena de neurônios, ou seja:

 

- Todo romance precisa ter mocinha e mocinho que tentam se pegar durante 300 das 312 páginas sem conseguir

 

- Precisa ter maniqueísmo, senão o leitor não fica com vontade de ler até o final pra saber se o bem triunfará sobre o mal.

 

- Melhor se o mocinho (ou mocinha) tiver alguma capacidade sobrenatural (dá-lhe Paulo Coelho)

 

- O mocinho (ou mocinha) precisa ter habilidades artísticas como cantar (sem jamais ter cursado uma escola de música), tocar algum instrumento, lutar jiu jitsu, ter conhecimento sobre todos os mistérios da humanidade, ser excelente em algum esporte, além, claro de bonito e cheio de charme.

 

- A história precisa ter lances policiais, suspense, pelo menos um crime e passagens em cidades do outros países.

 

Bom, o livro ensina a compor personagens convincentes e a criar histórias verossímeis, embora a série dos jovens vampiros seja a maior inverossimilhança que já vi depois de Harry Potter.

 

A partir desse manual, mais a inspiração súbita comecei a desenvolver a história. Compor o personagem masculino foi fácil, porque foi só lembrar dos meus amigos da adolescência e rapidamente nasceu o Beto, motociclista, claro, todo espiritualizado, cheio de habilidades.

 

Na hora de compor o par romântico fui buscar na memória uma aluna da escola das minhas filhas. Ela era (ainda é) tão bonita e perfeita que nós a chamávamos de Barbie, porque parecia mesmo uma boneca. Durante uma das festas da escola, essa adolescente apareceu vestida de branco, com um ramo de flores no cabelo e essa imagem caiu perfeitamente para a minha heroína do romance.

 

Essa jovem, da escola Waldorf, tinha (e ainda tem) uma habilidade artística muito forte: ela cantava (e canta) muito bem, por isso era solista do coro da escola e foi parar até no Carnegie Hall, em Nova York. Além disso, os traços físicos remetiam a uma entidade sobrenatural: olhos amendoados de uma cor vibrante, cabelos loiros e longos, nariz delicado, parecia mesmo uma fada.

 

Fada! Pronto! Estava criada minha personagem, uma menina linda, pura, que canta. Como a história começava na Ilha Grande (RJ) eu fiz essa personagem ser uma Ondina, as fadas que vivem nas cachoeiras e cantam de forma tão cristalina que atraem os homens como as sereias. Ondina é um dos seres elementais que tanto Rudolf Steiner citava em suas obras. E essa jovem era estudante da escola Rudolf Steiner. Ou seja, as peças estavam se encaixando tão facilmente que o livro foi saindo muito naturalmente. Para dar um toque mais romântico, ainda incluí algumas poesias, em forma de canção, que eu mesmo compus num dos surtos criativos.

 

O livro foi se desenvolvendo com os elementos necessários para uma história destinada ao público juvenil, com todas as doses de suspense, mistério, romance etc. Tive o cuidado de terminar cada capítulo com um suspense para induzir o leitor a continuar a ler sem parar.

 

Mas um dia quem parou fui eu. Quando já tinha praticamente ¾ do livro pronto bateu uma insegurança crônica: será que está ficando bom? Decidi mostrar para algumas pessoas que aprovaram e incentivaram a terminar. Só que a insegurança continuava a ponto de eu abandonar esse romance e mergulhar de cabeça no O Mundo É Uma Roda, lançado em 2006 depois de apenas três meses de edição. E desisti de vez do meu romance...

 

(Ondinas existem... olha uma aí)

 

Até que na semana passada levei um choque. Raramente eu compro a Veja, mas passei na banca e tive um impulso de comprar a revista. Na seção de discos dei de cara com a foto de uma cantora, loira, de olhos amendoados chamada Juliana Kehl. É a minha Ondina! É ela mesma, em carne, osso e de verdade! É cantora, compositora, lançou um disco e pode ser vista em vários filmes do Youtube. Pra quem tem Orkut pode também procurar o perfil dela e ver as fotos. E se prepare para uma descoberta: ela é uma Ondina de verdade porque vive nas cachoeiras!!!

 

Platão dizia que os astros conspiram a favor da criação, claro que Platão estava pensando em uma BOA criação. Diante desse choque decidi resgatar o romance e terminá-lo. Veio o segundo choque, dessa vez de tecnologia. Alguém se lembra dos velhos flop-disks? Pois eu descobri que eles são péssimos para armazenar arquivos por mais de 10 anos. Não consegui abrir nenhum disco e meu romance desapareceu na película embolorada dos discos. Ainda resta uma esperança de alguém ter a versão impressa, porque eu mandei para avaliarem. Mas quem, além de mim, guarda um texto impresso por mais de 10 anos?

 

Outra saída seria escrever tuuuuuuuuuuuuuudo de novo, mas cadê a paciência? Assim, mais uma obra inacabada entra para a história como nem acabada, nem começada!

 

publicado por motite às 15:31
link do post | comentar | favorito
12 comentários:
De Remerson Andrade a 24 de Novembro de 2009 às 17:13
E lá se foi um romance que poderia ser um best-seller!!
De Álvaro a 24 de Novembro de 2009 às 17:21
Que zica!
De Andreas a 24 de Novembro de 2009 às 18:59
Tite, na boa, com a tecnologia de hoje, se você REALMENTE tiver interesse em resgatar, aposto que tem lugar para o qual você possa levar os dados que serão recuperados. Lógico, a grana que você vai pagar é alta, mas tenho quase certeza que isso é possível.

Abraço!
De motite a 24 de Novembro de 2009 às 19:30
Poizé, Andreas, já me disseram a mesma coisa, sim eu tenho interesse e vou pesquisar pra resgatar esse disquete, pq o romance vale o esforço.
De Tiago a 24 de Novembro de 2009 às 21:57
Tite, se vc terminar e publicar esse livro eu compro pra minha noiva (que já leu absolutamente TODOS os livros do Paulo Coelho e adora o ridículo Crepúsculo)! Uma venda já está garantida...

E que coisa hein, até vc leu um livro de auto-ajuda!
como escrever um romance...
hiuahiuahiuhuaihuiahiu
De motite a 25 de Novembro de 2009 às 00:54
Não misture as coisas: auto-ajuda é quando um livro propõe melhorar o leitor "enquanto pessoa humana", um manual sobre como fazer um romance é um livro de estudo como o manual de mecânica de motocicletas. Trata de material técnico e não psico-conselhos para eu me transformar num escritor com melhor auto-estima, mais magro, mais macho ou mais sensível...
De Fernando a 25 de Novembro de 2009 às 18:58
Doc, vi você em uma outra revista. Tem uma matéria sobre pilotagem esportiva.. muito legal
Parabens..
De Rafa a 26 de Novembro de 2009 às 03:57
Poisé Tite, por isso que os disquetes foram aposentados!
Hoje com os pen drives a coisa melhorou (e olha que acidentalmente já "lavei a máquina" um pen de 8Gb e o dito ainda funciona).
Quanto ao livro, melhor reescrever do que nunca publicar. Parece surreal mas será por um bom tempo uma materialização de você. Mesmo que o destino possa nos tirar fisicamente do cenário da existência por qualquer motivo (bobo ou importante), permanece a obra. Nesse sentido fica aqui meu incentivo para que realize esse trabalho.
E minha dica é que salve o arquivo no HD e faça backup num pendrive à prova d'agua como o meu! :)
Tratando-se de Ondinas, nada mais apropriado :)
Um abraço, até +!
De Vinicius Vedovatto a 26 de Novembro de 2009 às 12:49
Isso dá dinheiro, vide Crepusculo...
De L de Leonardo a 1 de Dezembro de 2009 às 13:57
Huahahahaha, tu é uma figura... floppydisks é mais velho que a escritura do Monte Sinai.

Pior que eu tô escrevendo uma fan-fiction baseada em "Law & Order - Special Victims Unit" e tá foda de terminar... sei lá, tme hora que tudo se encaixa, de repente o cérebro descarrega e aí não vai nem com tranco.


Livro eu já escrevi, "A Ilha dos Dragões".
De Gustavo a 6 de Outubro de 2010 às 19:02
Tite, não tem gente que guarda motos raríssimas? Por que não haveriam pessoas que não guardam textos?
De motite a 6 de Outubro de 2010 às 19:25
AAAAACHEEEEEEEEEEEEEEIIII

Num milagre da tecnologia eu achei um e-mail com o arquivo do livro!!! Está tudo salvo!

aguardem. hehe

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.Procura aqui

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Os dias eram assados: o p...

. Os Dias Eram Assados - o ...

. Os dias eram assados. Com...

. Scooter mania nacional

. Ainda melhor!!!

. Motociclista, esse esquec...

. Salão no Rio em nova data

. Tudo que você queria sabe...

. Quem experimenta pede Biz

. Salão da recuperação

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Março 2019

. Junho 2018

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds