Quarta-feira, 29 de Abril de 2009

Efeito Cardume

 

(É isso aí, Truta, não seja um peixe fora d'água! Foto: Tite)

 
Você já reparou no discurso de quem volta da Europa? É sempre a mesma lenga-lenga:
 
- Nooooossa! Você precisa ver! As ruas são limpinhas, tudo organizado, as pessoas respeitam a faixa de pedestre, os motoristas respeitam as ciclofaixas, ninguém fura a fila (n.d.r: claro que essa pessoa não passou por Paris), os trens, ônibus e bondes são pontuais e... bla, bla, bla!
 
O diálogo segue as mesmas observações de sempre, enaltecendo as belezas e a cidadania do provo europeu e reservando aos brasileiros os piores adjetivos como “preguiçoso, sujo, mal educado, ignorante” etc e tal.
 
Sempre que ouço essa conversinha faço questão de comentar:
 
- Você precisava conhecer a Europa na Idade Média! As pessoas cagavam e andavam (literalmente) pra cidadania porque as casas nem sequer tinham banheiro! E os penicos eram esvaziados pela janela!!!
 
Guardadas as devidas proporções, como o Brasil tem pouco mais de 500 anos, ainda não dá pra cobrar as mesmas regras sociais de países com 20 séculos de história! Socialmente falando nem sequer entramos na adolescência, enquanto a Europa já é uma senhora de meia-idade.
 
Porém tem um aspecto que deve ser muito observado e, sempre que possível, repetido à exaustão: o efeito cardume! Já notou como as sardinhas se comportam em cardumes? Sempre estão juntas, naquela organização esquisita que só peixe mesmo consegue entender. Se a maioria vai pra esquerda é melhor ir também, porque se a sardinha ficar sozinha vira almoço de atum rapidinho.
 
Com pessoas o efeito cardume é mais ou menos o seguinte: quando um brasileiro chega à Europa e percebe que as estações são limpas, que os motoristas respeitam a faixa de pedestre, que as pessoas são gentis e os policiais corteses, esse cidadão que era quase um selvagem acaba se enquadrando nos padrões locais.
 
Em São Paulo eu acho admirável a limpeza do metrô. Dá pra pagar um prêmio pra quem achar um papel no chão, ou bituca de cigarro, cocô de cachorro etc. É o lado positivo do efeito cardume, porque ao chegar a um local sempre limpo e organizado ninguém tem coragem de ser o pentelho que jogará um pacote vazio de Doritos no chão.
 
Por outro lado, o efeito cardume também se manifesta para o mal. Se alguém jogar um sofá velho na calçada numa noite, logo depois terá uma montanha de entulho no lugar, para alegria de ratos e baratas.
 
Ou ainda, se algum carro estaciona em local proibido, em poucos minutos terá uma fila atrás dele. É o pior aspecto da cidadania solidária: “se ele pode fazer errado eu também posso!”.
 
No nosso mundo em duas rodas cada vez mais eu vejo o efeito cardume. Os motoclubes viajam em grupos para encontros, o que facilita o desenvolvimento de arquétipos, ou seja, modelos de comportamento. Se o comportamento for positivo, beleza, porque é o lado positivo do efeito cardume. O problema é quando o efeito cardume leva um dos integrantes diretamente para a boca do atum.
 
Metáforas à parte, isso significa que nem todo mundo é igual, tem o mesmo nível de experiência, as mesmas habilidades e a mesma carga genética. Semanalmente recebo notícia de acidentes nas estradas envolvendo alguém que estava viajando em grupo e saiu reto numa curva. Cabe ao grupo identificar quem é sardinha e quem é peixe-espada. Ou para usar outra metáfora do reino animal, quais são as aves de mesma plumagem. (Isso está parecendo um estudo zôo-social do comportamento motociclista).
 
O problema está justamente no comportamento social. Desde os primórdios da análise comportamental, sabe-se que os adolescentes precisam viver em grupo. E fazem qualquer coisa para serem aceitos no grupo, inclusive se submeter a trotes humilhantes ao entrar na faculdade. Só que nem todo dono de moto são exatamente jovens cheios de perebas no rosto.
 
Aí entra em cena outro aspecto desse perfil psicológico: ao comprar uma moto de 170 cavalos que chega a 300 km/h o adulto aparentemente equilibrado volta à adolescência e fará qualquer coisa para ser aceito no grupo, inclusive pilotar a 160 km/h sem estar preparado. Se o líder vai à frente a 200 km/h, o novo integrante segue atrás para ser aprovado no teste que o levará ao elevado status de integrante do grupo.
 
Com motoboys repete-se o mesmo arquétipo. Ninguém quer ser o “rolha de corredor”, ou o salame que respeita a faixa de pedestre ou o babaca que pára no farol vermelho. Todo mundo quer ser aceito pelo grupo, mesmo que tenha de rodar sempre em alta velocidade, buzinar sistematicamente, invadir a calçada, furar o farol etc. Isso é tão necessário para sua existência quanto respirar. E enquanto a maioria apresentar o mesmo padrão de comportamento o resto do cardume vai atrás.
 
Enquanto a maioria agir da forma errada dificilmente o cardume mudará de comportamento. Eventualmente uma ou outra sardinha é engolida pelos atuns do trânsito, mas o cardume segue em frente!
publicado por motite às 20:05
link do post | comentar | favorito
13 comentários:
De Policarpo Jr a 29 de Abril de 2009 às 22:42
Tite, muito bom esse texto "Efeito Cardume", cai como "luvas" a nossa classe motociclística. Parabéns pela criatividade e objetividade em abordar "assuntos" que nos fazem refletir... e quem sabe, agirmos melhor ou com os "olhos mais abertos". Analogia ótima essa do "cardume" e grupos de tribos motociclísticas. Abraços :)
De Laurí Mayer a 30 de Abril de 2009 às 00:06
Grande tite...faz tempo que acompanho e admiro seu trabalho. Concordo com a maioria dos seus pontos de vista. Muito do que faço para pilotar com segurança, foi seguindo seus conselhos. Sobre seus comentários de que o Brasil é como é por ser um país jovem, eu discordo. Também já estive na Europa, sei como funciona, morei na Alemanha por 1 ano. Confesso que estou com depressão pós Europa, por morar neste país da impunidade...Pego como exemplo outros países jovens, como por exemplo nova zelandia, Aultrália, etc. O que faz um país são as pessoas, não a idade de sua colonização. Cara, e o preço das motos na Alemanha são muito menores que no Brasil. Paguei uma fortuna pela minha Twister, lá eu quase comprava uma CBR 600 RR. Forte abraço. Ah, quando eu tiver minha CBR 600, pode me esperar no seu curso de pilotagem. Grande Abraço !
De motite a 30 de Abril de 2009 às 21:22
Ganz Genau, Lauri, vc tem toda razão, a Austrália é um país jovem e muito organizado. Então esquece essa parte da Idade Média e vamos nos concentrar nas motos mesmo. Nova Zelândia e atpe os EUA tb são países jovens. E a África é o continente mais antigo do planeta e veja só como vivem...

Depois eu pensei melhor e só não apago essa parte porque os outros leitores tb merecem ler e opinar a respeito.

Viele Danken
De Maurício Fontes a 30 de Abril de 2009 às 02:25
Alô Tite! Não concordo com a comparação que vc fez. O Brasil não está na Idade Média, está no mesmo mundo contemporâneo da Europa e outros! Por que alguns países conseguem, por exemplo, manter as calçadas limpas e outros tem habitantes que jogam lixo pelo vidro do carro? É cultural. Vc mesmo sabe que estamos num país onde é tudo ao contrário! Onde o chato é respeitar o vizinho e legal é o cara que leva vantagem em tudo.
De motite a 30 de Abril de 2009 às 21:27
Maurício

Vc está certo, foi uma comparação infeliz. Leia o comentário em resposta ao Laurí Meyer
De Conrado a 30 de Abril de 2009 às 16:23
Mais uma vez, parabéns!
O contexto histórico apresentado foi exemplar. Se alguns pensam que as variantes apontadas não têm pertinência, basta observar o sul e o norte dos EUA para perceber como um processo de colonização repercute por séculos..., para o bem ou para o mal!
Efeito cardume! Trabalhando os arquétipos do grupo na busca da aceitação: na veia.
Abração

De Diomar Rockenbach a 30 de Abril de 2009 às 16:32
Puta que pariu TITE, a cada dia mais tu me surpreende. Teus testos são muito bons. Esse da sardinha tem tudo a ver, realmente o comportamento da maioria acaba influênciando o todo. Eu nunca fui a Europa, então não posso comentar a respeito, mas apenas não concordo que por termos "apenas" 500 anos que não podemos ser educados tanto quanto os europeus. O problema do Brasil na minha opinião, é que nunca foi visto como um lugar para prosperar, desde o descobrimento a preocupação foi extrair o que há de bom e levar para a Europa, o povo nunca teve sua devida importância, nunca ganhou educação, foi sempre explorado, o Brasil sempre foi o pais de alguns, e o resto que se dane.

Abraços
De André Coelho a 30 de Abril de 2009 às 18:52
Cara! Você escreve super bem! Me surpreendo mais a cada texto. Sem puxação, seus textos me fizeram escolher a minha moto, meus equipamentos e me fizeram pilotar como piloto hoje (apesar de não ter feito, ainda, o speedmaster). Um grande abraço e continue influenciando positivamente esse cardume que te segue!
De Rodrigo a 2 de Maio de 2009 às 13:22
Falou tudo Tite ! Acompanho seus textos desde a época do motoline ,e admiro muito seu trabalho que impressiona cada vez mais com o nível das reportagens. Morei nos EUA e sei exatamente como é esse efeito cardume. Mandei esse texto pro meu irmão que ainda mora lá e ele disse '' Esse tipo de atitude consiente é o que deveria ser divulgado pela mídia ''. PARABÉNS e continue assim ...
De Mário Sérgio Figueredo a 2 de Maio de 2009 às 22:03
Caro Tite

Sou Curitibano e apaixonado por minha cidade. Acostumei-me naturalmente a viver numa cidade onde as ruas são limpinhas, tudo organizado, as pessoas respeitam a faixa de pedestre, os motoristas respeitam as ciclofaixas, ninguém fura a fila, somos tratados como clientes no comércio em geral, enfim, todas as qualidades observadas por quem vai à Europa, com uma pequena difeença: aqui as pessoas não ficam enclausuradas dentro de uma redoma, com medo de tudo e de todos como acontece na Europa - tá certo que não vivemos duas grandes guerras em nosso território.

O que observo é que isso tudo é cultural; quanto mais ao sul do país torna-se mais fácil encontrar lugares assim, que não ficam nada a dever aos países de primeiro mundo.

Uma ocasião eu estava atrás de um carro de onde foram arremessadas cascas de tangerina no chão da rua. Imediatamente olhei a placa: Rio de Janeiro (perdoem-me os cariocas, poderia ser de qualquer outra cidade mas naquele dia era do Rio). Esse episódio aconteceu logo após a chegada de grandes montadoras em nossa cidade quando houve uma invasão de gente de outros estados, mas notamos que aos poucos eles foram se enquadrando ao jeito de ser do curitibano e paranaense, provando que a sua teoria do cardume é verdadeira.

Abraços - novamente, óóóóótimo texto
De Tiago Ayer a 3 de Maio de 2009 às 01:18
Salve, Salve !!!
Fala tite, blz ?!?

Descordo de você em um emocionante ponto, o Brasil não tem só 500 anos, o Brasil já tem 500 anos !

Digo emocionante pq esse pequeno ponto/detalhe é a desculpa que todo o "cardume" usa para ser o que são e fazer o que fazem.

Temos 500 anos de uma história de que só é capaz de mostrar que toda vez que nós, a nação Brasil, se indigna com alguma coisa, ela prontamente passa a pensar qdo será o próximo feriado prolongado para encontrar com os amigos, beber cerveja e falar que o país não presta ou não tem futuro, logicamente esquecendo ou fingindo que não percebe, que enquanto conversam a esse respeito eles estão jogando guardanapos e bitucas de cigarro no chão e com o som do carro alto como verdadeiros donos da rua( como vc mesmo já comentou em artigos anteriores).

Felizmente, trabalho muito desde meus 14 anos e no decorrer de todo esse tempo pude me dar ao luxo de conhecer algumas belas partes do nosso planeta, e com absoluta certeza, fiz os mesmos comentários que descritos em seu texto -- "Meu deus... ( pausa tomando ar) ... Como tudo aqui e limpo e funciona..." -- e depois de algumas viagens pude perceber o que nos torna diferentes, é o nosso jeitinho brasileiro de achar um culpado pra tudo.

O europeu, assim como os norte americano ( norte americano = canadenses + americanos) e o australiano, não jogam o papel no chão pq eles tem consciência que esse simples fato, que não é isolado, pois se isoladamente jogarmos um papel no chão, no final serão cerca de 180 milhões de papeis ao chão de forma isolada no nosso caso, caso Brasil, repercute de forma negativa em todos ao seu redor, ou seja, seu filho passa a achar que pode, o vizinho passa a achar que pode pq o seu vizinho o fez e por ai vai, já aqui no Brasil, ou Lisarb como perfeitamente vc define, a consciência de jogar o papel no chão morre ao pensarmos -- sim, estou me incluindo nisso pois somos uma nação e somos responsáveis pelos atos um dos outros -- de que pagamos impostos para que alguem limpe nossa sujeira ou simplesmente "a rua já está suja, um papel a mais não muda nada".

Enfim, depois de toda essa protelação, peço desculpas antecipadas por me fazer tão demorado, o meu único ponto, o qual defendo com total convicção é que já temos 500 anos e não só temos 500 anos.

[]'s
De Rodolpho Pajuaba a 4 de Maio de 2009 às 13:01
Tite, me lembrei da primeira vez que fiz uma viagem ao exterior. Pasei 2 semanas na costa Oeste dos US, principalmente em Los Angeles, e o comportamento do motorista lá é bem semelhante ao europeu: respeito ao pedestre acima de tudo, não buzina, dá a vez, sinaliza, esas coisas. Só que, ao contrário do comentário geral, que diz que brasileiro só respeita lei de trânsito porque está na Europa (ou, no caso, EUA), eu voltei de lá disposto a fazer minha parte, e respeitar as leis de trânsito como se estivesse lá ainda. Resultado? buzinadas nas costas, gente me ultrapassando pela direita e esquerda gesticulando que nem louco, pedestre com cara de impaciente porque você está dando a vez (e sob o ponto de vista dele, desperdiçndo o tempo dele). E agora?
Estou morando em Bruxelas agora, e nem sei qual vai ser meu comportamento se/quando voltar. Só acho que, se realmente há esse efeito cardume - e concordo, acho que há sim - , está na hora de criarmos um, positivo, para todos respeitarem as regras de trânsito. Vai que dá certo?
Grande abraço!!

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.Procura aqui

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Os dias eram assados: o p...

. Os Dias Eram Assados - o ...

. Os dias eram assados. Com...

. Scooter mania nacional

. Ainda melhor!!!

. Motociclista, esse esquec...

. Salão no Rio em nova data

. Tudo que você queria sabe...

. Quem experimenta pede Biz

. Salão da recuperação

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Março 2019

. Junho 2018

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds