Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2009

Muito Prazer

 (ATENÇÃO: TEXTO PRODUZIDO ORIGINARIAMENTE EM FEVEREIRO DE 2000)

 

Já que internautas e blogueiros de todo Brasil se sentem no direito de escanear e publicar artigos publicados em revistas, resolvi usar a mesma estratégia: resgatar meus artigos publicados na revista AutoEsporte. Por ser uma revista de automóveis a moto entrava como um atrativo extra. Além disso os editores me davam total liberdade para elogiar, criticar ou espinafrar as motos. Como avaliávamos só motos acima de 600 (exceção feita à esta Aprilia RS 250), era difícil ser muito crica com os modelos avaliados. Curioso notar o macacão de couro feito especialmente para a revista. Era produção 100% nacional e o cara que tirou as medidas esqueceu que moto se pilotada deitado e o resultado foi um macacão tão apertado que cada vez que eu deitava no tanque nas retas espremia minhas bolas. Só conseguia vestir o macacão com os zíperes das pernas abertos. Uma lástima...
 
Esse teste da RS 250 está em tudo que é site por aí. Quando alguém pesquisa esse modelo no Google acaba dando de cara com ele. Foi uma tarde inesquecível em Interlagos e lembro que virei quase o mesmo tempo que fazia com minha Hondinha RS 125 de corrida com pneus slick! Sem dúvida essa Aprilia 250 foi uma das motos que mais me deu prazer em pilotar e sempre fui fã dela. Por isso o título é...
 
Muito Prazer
 * Fotos: Luca Bassani
 
Conheça a Aprilia RS 250 Replica, esportiva italiana mais apimentada do momento, com motor de 70 cavalos que leva a 208 km/h.
 
VOCÊ JÁ OUVIU FALAR de endorfinas? São substâncias com propriedades semelhantes às morfinas, produzidas em nossa cabeça pelo sistema nervoso. Para liberar endorfinas e ter uma agradável sensação de bem-estar, basta realizar qualquer atividade com muito prazer. E só mesmo a busca pelo êxtase de pilotar pode explicar a existência de uma mota como a italiana Aprilia RS 250 Replica, a esportiva de rua que chegou mais perto de uma mota de corrida!
 
O nascimento da RS 250 seguiu o caminho inverso das superesportivas já ava­liadas por Autoesporte, como a Yamaha YZF 1000 R1 ou a Suzuki GSX-R 750F. Enquanto as japonesas foram projetadas visando o uso estradeiro para depois ingressar nas competições, com a italiana ocorreu o contrário: antes foi feita a moto de corrida, campeã mundial em 1994, 1995, 1996 e 1998, e só depois lançaram a versão de rua.
 
As diferenças entre elas são poucas, o suficiente para permitir que circule nas ruas e estradas. Providências foram tomadas para a redução da potência em nome da maior durabilidade; luzes, espelhos retrovisores, escapamento mais silencioso, discos de freio de aço e outras firulas foram necessárias para ser liberada pelas autoridades de transito da Itália.
 
O motor foi encomendado à competente fábrica austríaca Rotax, com vários títulos mundiais em diferentes modalidades.
 
 
A primeira modificação importante foi na alimentação. Enquanto na mota de corrida ela é controlada por válvula rotativa, na versão "mansa" o controle da mistura é feito por palhetas. As duas versões utilizam dois carburadores, porém com medidas diferentes, sendo de 34 milímetros no modelo de rua, com admissão diretamente no cárter. Outra válvula fica no escapamento, para controlar a saída dos gases.
 
Macchina brava
Motor dois tempos com válvulas? É isso mesmo, mas não confunda com as usadas nos motores quatro tempos. Nos motores dois tempos elas controlam a entrada de mistura e a saída dos gases fora do conjunto formado por cilindro e cabeçote. A válvula de palhetas fica posicionada entre os carburadores e o cilindro, enquanto a de escape esta localizada entre o cilindro e a curva do escapamento.
 
Chega de conversa complicada e vamos ao melhor da festa: voar, digo, correr! Meu primeiro susto foi com as dimensões da moto. A RS 250 é muito pequena, com apenas 1.360 mm de distância entre eixos. O banco é claramente monoposto e para minha condensada estatura de 1,70 metro ela serviu como uma luva. A posição de pilotagem é um convite a acelerar. O tan­que de gasolina de plástico comporta 19,5 litros e tem curvas para encaixar os joelhos, além de um rebaixo perto do bocal para o piloto apoiar o queixo e esconder a cabeça por trás da pequena carenagem.
 
 
A fim de se adequar aos diferentes tamanhos de piloto existe a possibilidade de regulagem na altura a pedaleira e o braço da alavanca de câmbio pode ser invertido como nas motos de corrida. Assim, a primeira marcha fica para cima e as outras cinco para baixo. Manetes, semi-guidões, banco, tudo pode ser regulado para que o piloto encontre a melhor medida ao seu biótipo. Mesmo assim, os grandalhões terão problemas com os joelhos.
 
Essa belezura de motor com exatos 249,2 cm3 tem "apenas" 70 cavalos, o que representa uma potência específica de 280,89 cv/litro. Já passaram motos bem mais potentes pelas páginas de Autoesporte, mas nenhuma com potência específica tão alta. Soma-se a esta boa média o baixo peso (140 quilos a seco) e temos ainda uma relação peso/potência de 2 para 1, ou seja, cada cavalo tem de se esforçar para carregar apenas 2 quilinhos. Como motos não andam sozinhas, devemos somar aí os 70 quilos de um piloto equipado. Mesmo assim, a média continua boa, com 3 kg por cv. Imagine a versão de corrida que produz 100 cv e pesa só 95 kg!
 
Esses números da RS 250 Replica são o cartão de visita onde se lê: "Abra o gás."
 
E não refuguei, torci o acelerador e pude ter novamente aquela sensação agradável do cérebro encharcado de endorfinas. Para começar, as reações são muito próximas ás de uma mota de corrida. Seus limites estão bem acima do que imaginava e os pneus Dunlop que equipavam a moto testada terá um papel fundamental para mantê-la na trajetória desejada. Outra opção seria comprá-la equipada com os novíssimos pneus Pirelli Dragon Evolution com fibras sintéticas, os mesmos utilizados pelas motos do Mundial de Supersport!
 
Mezzo pazza
Uma das melhores características dessa Aprilia e "aceitar" os erros do piloto. Por exemplo, num momento em que exagerei na frenagem em Interlagos, as pinças duplas dianteiras morderam os dois discos flutuantes com tanta força que a traseira levantou do chão e ameaçou ficar maluca. Bastou aliviar a pressão na frente e pisar de leve no freio posterior para a traseira voltar ao lugar e recuperar a aderência. Você pode até achar que pilotos de teste são todos meio malucos, mas uma de nossas tarefas é provar os limites. No caso dessa Aprilia, posso afirmar: vai ser boa de curva assim lá em Monza, Donington Park, Philip Island, Suzuka ou Jacarepaguá!
 
Como expliquei, a Aprilia produz o quadro todo de alumínio. Mais do que isso, ela desenvolve seus produtos em milhares de quilômetros nas pistas italianas. O resultado é uma moto com a ciclística não apenas eficientíssima, mas muito bonita, misturando partes polidas com outras escovadas. Há uma especial atenção aos detalhes, como as soldas desse quadro, de um capricho tão cuidadoso que da vontade de pendurar na sala de casa como decoração.
 
 
Mas não basta ser boa para fazer curvas, e preciso sair delas com rapidez. Com o gerenciamento eletrônico da ignição e a válvula do escapamento, a RS 250 pula da curva como uma perereca, saindo de 8.500 rpm para 11.000 rpm num átimo. Com o auxílio do excelente quadro, a frente se mantém firme, dispensando até mesmo o amortecedor de direção - equipamento opcional, ausente no modelo avaliado.
 
Quando chego na reta dos boxes, fico de olho do velocímetro digital. No ponto de frenagem para o “S do Senna” ele indica 198 km/h, mas a velocidade máxima e um pouco maior, chegando a 208 km/h reais. A versão de corrida é mais veloz: 270,7 km/h no GP da França, em Paul Ricard. Para não detonar o motor, recomenda-se gasolina de alta octanagem (Premium) para alimentar essa beberrona com motor muito comprimido. A taxa de compressão e de 13,2:1, enquanto a versão speed tem taxa de 17:1.
 
Passado o efeito das endorfinas, começo a reparar nos detalhes. O painel e um dos mais completos atualmente. Tem dois displays de cristal líquido: o da es­querda inclui velocímetro, hodômetros parcial e total, além de armazenar informações como velocidades máxima e mínima atingidas no trecho e a media horária. No visor da direita há informações sobre carga da bateria, temperatura da água, relógio e cronômetro.
 
 
Esse último item é uma exclusividade da moto, diretamente derivada da versão de corrida: podem-se registrar os tempos de volta acionando o cronômetro no punho esquerdo. Assim, o piloto controla seus tempos sem necessitar ler placas nos boxes. O computador de bordo armazena até 40 voltas. Depois basta selecionar a função "memória" e ver todos os tempos. Entre os dois displays está o conta-giros analógico, com uma luz amarela indicando a rotação máxima. Esta pode ser programada pelo piloto, conforme o nível de preparação do motor ou durante o período de amaciamento. Em nosso teste ela estava regulada para se acender a 12.000 rpm, 500 rpm além do limite de potência máxima, e ela se acendeu varias vezes.
 
Buona in cittá
Para não restringir essa avaliação ao usa esportivo, também rodei com a mota nas ruas de São Paulo, estrategicamente esco­lhidas para senti-la em várias situações. Mesmo com uma posição de pilotagem bem agressiva ela não cansa muito, mas esterça pouco, dificultando as manobras no trânsito carregado. Além disso, o motor trabalha na faixa de 65°C, transmitindo calor para as pernas. Garupa, nem pensar. Até que existe uma camada de borracha para cobrir a rabeta, servindo de banco, mas esqueça. Levar alguém ali é certeza de perder a amizade, ou algo mais.
 
A partida é somente no pedal. Alguns podem achar isso um retrocesso, mas se­ria criminoso aumentar o peso só para ter um pouco de conforto. O motor pega muito fácil e pode-se ate ligá-la com a mão. Mas o melhor mesmo seria viajar por estradas bem sinuosas e sem garupa!
 
Só falta o preço. Bem, após os últimos loopings de nossa economia, ela estava sendo vendida a US$ 11.500, um valor al­to com o dólar a cerca de R$ 1,87. Desde que o Real ganhou a estabilidade de uma velha Kombi, não podemos garantir qual era a política mantida pelo fabricante. Pe­cado, a Aprilia chegou ao Brasil e logo ficou de coração apertado.  
 
Ficha Técnica
Motor: 2 cilindros em "V", 2 tempos, 2 carburadores, arrefecimento líquido, 249,2 cc. Gasolina+óleo 2T
Potência: 70 cv a 11.500 rpm
Transmissão: corrente, câmbio de seis marchas
Susp. Dianteira: Garfo invertido
Sus. Traseira: Monoamortecida regulável
Freio Dianteiro: Duplo disco flutuante
Freio Traseiro: Disco simples
Pneu Diant.: 120/60-17
Pneu Traseiro: 150/60-17
Comprimento: 1.980 mm
Largura: 710mm
Entreeixos: 1.365 mm
Altura do assento: 810mm
Peso 140 kg
Tanque 19,5litros 
 

 

 

publicado por motite às 14:11
link do post | comentar | favorito
12 comentários:
De Edu Di Lascio a 26 de Fevereiro de 2009 às 18:42
Tudo bem Tite?
Ótima matéria como sempre.
E agora a pergunta:
E hoje em dia?
Tem algumas dessas motos em classificados da web , elas valem a pena ou é roubada.
Tem quem mexa nelas?
Tem peça de reposição?

Puta abraço

Edu
De motite a 2 de Março de 2009 às 21:35
Rapaz, acho que hoje em dia pode-se ter uma moto dessa sem medo de roubo, pq ladrão não gosta de motos com partida a pedal. Se ele gostasse de ter trabalho seria executivo e não ladrão!
De Fernando Savian a 26 de Fevereiro de 2009 às 20:26
Mais um excelente texto!

Tite, aproveitando que vc publicou um teste, me lembrei de uma questão: Depois que a Agência InfoMoto foi criada e começou a disponibilizar testes já prontos para os veículos de comunicação, não encontrei mais testes próprios, como os que eram feitos por você no Motonline. Isso não é comodismo dos sites/revistas eletrônicas? Digo isso porque esse pessoal da InfoMoto só pratica o "morde e assopra"!

Abraço e feliz ano novo (já que acabou o carnaval)!
De motite a 2 de Março de 2009 às 21:38
Morde e assopra? que é isso??? É que nem chupa e bate?

Olha, as revistas não usam agências, mas tente ver o lado dos veículos de comunicação: é difícil agradar todo mundo. O que é bom pro sulista pode ser ruim pro nortista e um teste desses vai pro Brasil todo. Sei lá, acho que não sei o que dizer a respeito...


De Angelo Rossini a 26 de Fevereiro de 2009 às 22:39
Simplesmente fantastica essa moto !! Eu já tive uma uns 2 anos atraz ! Hoje tenho uma srad 750 2008 mas sinto muita saudade dessa motinho. Um dia compro outra só pra andar de vez enquando num Sábada de sol que acordar bem inspirado ! O que mais dá prazer com ela é chegar numa serrinha bem travada e deixar esportivas bem mais potentes longe ! FLW !
De Ronaldo ARRIGHI a 27 de Fevereiro de 2009 às 02:51
Hello again my friend.
Essa Aprilia do referido teste povoou os meus sonhos por um longo período. Mas, as possibilidades nem sempre colaboraram, ou faltava moto ou então a grana (o mais comum).
Lembrei-me lendo esse seu texto, de minha primeira incursão motociclistica esportiva num autódromo (o Zé Carlos Pace), com uma Yamaha RD350LC, e me vieram a mente lembranças guardadas em um lugar especial do cérebro.
Resumindo, como era BOM acelerar uma moto com motor de dois tempos com DNA racing.
Se não me engano, a RD350LC da Yamaha também foi um projeto primeiramente de pista para depois vir ao público "comum", certo?
Onde o "RD" eram as iniciais de uma sigla denominativa em inglês, RACING DEVELOPMENT.
Eita saudades.
Grande abraço Tite.
De motite a 2 de Março de 2009 às 21:39
Cara, eu sou doistempista roxo: nada como um motor dois tempos ardido e fumacento pra correr numa pista e sentir adrenalina saindo pelos ouvidos...
De nishimura a 27 de Fevereiro de 2009 às 06:38
Alou Grande Doc! Saudações do Japão! A sua revista com as melhores motos do ano do Japão já está a caminho! Dá um alô aí quando chegar, ok? Ah! Só meia dose de remédio contra depressão basta, pois dose completa sou eu que vou tomar depois de ver o catálogo de motos para este ano! São 718 modelos disponíveis! São tantas opções mas como São Pedro japonês odeia motos, tempo bom pra isso só quando ele está cochilando! E ele dorme pouco! Abraços nipônicos!
De Carlos a 27 de Fevereiro de 2009 às 07:30
Boa motinha essa dai, mas e vc Tite ja testou a versao japa a Nsr250 de rua pois ela tbm foi da pista pra rua como quase todas 250 2t de uns 15 anos atras.saude e paz
De motite a 2 de Março de 2009 às 21:40
Não pilotei, Djapa, mas tenho maói curiosidade de pilotar uma 250 do Mundial... O livro ainda não chegiou.
De diogos25@hotmail.com a 3 de Março de 2009 às 17:39
Nada haver com a ótima matéria. Mas Tite, faz uma matéria sobre as "MobyllEtes de antigamante" e essa trapizonga do link a seguir:http://www.windmotors.com.br/bicicletasmotorizadas/mobilete/.

Abraços.
Nunca tive essas trapizongas. Tenho uma CG 150 TITAN ESD
De Daniel a 7 de Março de 2009 às 02:56
bem que essas 2t poderiam ainda estar em produção... a "desculpa" simplória de que esse tipo de motor polui mais é questionável... eu até arriscaria dizer que se a gm tivesse uns motores 2t para alguns modelos não estaria passando por tantos problemas em função da crise...

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.Procura aqui

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Os dias eram assados. Com...

. Scooter mania nacional

. Ainda melhor!!!

. Motociclista, esse esquec...

. Salão no Rio em nova data

. Tudo que você queria sabe...

. Quem experimenta pede Biz

. Salão da recuperação

. Viajar de moto é tudo de ...

. Honda Day: as novas CB 65...

.arquivos

. Junho 2019

. Março 2019

. Junho 2018

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds