Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009

Escolhas - parte I

 

Para escalar é preciso equilibrar força e peso. Foto: Felipe Oliveira

 

Desde que comecei a treinar escalada esportiva de forma mais séria, decidi que precisava emagrecer para melhorar a relação peso x potência. Da mesma forma que nos veículos a motor, na atividade esportiva é fundamental equilibrar força e peso. Mais ainda na escalada porque envolve a natural força da gravidade sempre nos puxando pra baixo quando queremos ir para cima.
 
Um bom escalador é magro e forte. Não adianta ser magro e fraco e nem forte e pesado. Como eu já estou no limiar dos 50 anos e não tenho a menor paciência para malhar em academia em busca de força muscular, decidi reduzir o peso. E consegui jogar fora 6 kg em dois meses de treino intenso, sobretudo correndo na esteira e pedalando a ergométrica. Claro que também tive de regular o que passa pela boca adentro!
 
Só que ainda restam três insistentes quilos que se recusam a abandonar este corpo que não lhes pertence. Foi aí que entrou a parte séria: preciso correr na esteira de forma mais profissional e menos preguiçosa. Consertei meu velho frequencímetro que estava abandonado e fui atrás de um tênis de corrida que aliviasse as dores nos joelhos, ambos sequelados depois de 10 anos de tanto estabaco no fora de estrada.
 
Definitivamente não posso correr na rua, porque o impacto sobre minha velha coluna sifótica provoca dores noturnas. Por isso a esteira é minha salvação. Além de reduzir muito o impacto, posso ver TV, falar no celular, tomar os dois litros de água que indicaram, olhar o movimento na academia e ainda palpitar na conversa dos outros, que é meu esporte favorito. Daí meu maxilar ser tão forte: o que ele se exercita não é brincadeira!
 
New Balance: ótima relação custo x benefício
 
Foi na hora de comprar o tênis que veio a dúvida: qual comprar? A última vez que procurei um amigo especialista ele ficou duas horas pra falar até da influência da Lua nas passadas e os novos materiais que reduzem impacto, além de sensores que medem distância, tipo de piso, inclinação dos pés e só faltam correr sozinhos.
 
Aproveitei o natal pra passar a sacolinha na casa de mamãe e fui direto pra Decathlon, uma espécie de Daslu pra quem gosta de esporte. Decidi não pedir consultoria a nenhum especialista e confiar na minha intuição, afinal é um tênis, não um apartamento! Já tinha um valor na cabeça (200 reais) e poderia ser um pouco mais. Com apenas a informação do quanto gastar e da minha necessidade entrei na loja.
 
Como existe tênis nesse mundo! Primeira lição: existe tipo de pisada (pronador, supinador e neutro). Fiz um teste rápido e descobri que sou neutro (até nisso...). Depois vi tênis de 50 a 800 reais!!! Quase enlouqueci com tantas opções, marcas, cores, tecnologias, procedência, funções, especificidades (tem até pra golf!) etc.
 
Depois de mais de uma hora pedi socorro para a vendedora. Piorou! Os que eu achava melhores não eram tão bons e os que eu julgava feios, desajeitados e mais enfeitados que cruz de estrada eram os bons. Descobri que a Decathlon usa uma etiqueta amarela (ou vermelha, verde, sei lá) para identificar as ofertas. Fui direto nelas e descobri uma tremenda pechincha. Um tênis New Balance, modelo 755, bem ajeitadinho e com mega desconto. De R$ 299,00 por R$ 135,00! Na hora já achei que tinha alguma coisa errada, não podia ser menos da metade do preço!
 
A vendedora alegou que estava saindo de linha e ainda disse que era um produto bom, para pisada neutra e com baixo impacto. Comprei!
 
Sempre que compro alguma coisa acho que fiz uma péssima escolha. Tenho essa síndrome do “corno comprador” de achar que sempre fui enganado por um vendedor inescrupuloso. Por isso fui pra academia desconfiado e fiz minha primeira corrida com o tênis novo. UAU! Muito bom! Macio, leve, gostoso de pisar e consegui 55 minutos de corrida, um recorde!
 
Duas semanas depois vi o nosso principal instrutor de escalada, o atleta André Belezinha correndo na esteira com um tênis igual. Ele confirmou a qualidade do calçado e fiquei com a sensação de ter feito uma excelente escolha.
 
Mas, que raios isso tem a ver com as motos?
 
Tudo, porque a cada dia recebo mensagem de pessoas querendo conselho para comprar uma moto. E sempre fico pensando o que leva essas pessoas a perguntarem, em vez de pesquisarem? Certamente existem muito menos motos para escolher do que tênis. E a diferença de preços é gigantesca: temos motos de 2.500 a 120.000 reais!
 
Escolher uma moto é tão complexo quanto escolher um tênis, mas o mecanismo de julgamento é o mesmo. Primeiro definir a função. Pergunte-se: “para que eu quero uma moto?” Dependendo da resposta o motociclista determinará o tipo de moto que vai escolher: urbana, estradeira, uso misto, custom, scooter, esportiva, utilitária, com carenagem, sem pára-brisa, touring, sport-touring etc etc...
 
Uma custom grande e pesada não é recomendada para o dia-a-dia na cidade.
 
É preciso definir o USO que fará da motocicleta. Essa análise deve ser fria, porque precisa ser baseada em fatos concretos e não em teorias estapafúrdias como “esse estilo atrai mais mulher”, ou “essa moto dá status”, porque a chance de errar na escolha é altíssima. Seja objetivo e pragmático: a moto será usada como meio de transporte e pronto! Ou: quero uma moto para fugir do trânsito, economizar gasolina e fazer pequenas viagens com minha namorada na garupa.
 
O erro mais comum na escolha de uma moto é não definir o USO que o veículo terá. Isso gera motociclistas insatisfeitos porque compraram uma custom grande e pesada para enfrentar 20 km de congestionamento todos os dias. Ou aqueles que compram uma moto fora-de-estrada e jamais rodarão nem um quilômetro sequer na terra.
 
O segundo passo é definir quanto quer gastar. O preço é o primeiro grande fator seletivo. Sem definir o preço nem adianta começar a escolher. Por exemplo, eu adoraria ter uma BMW F 800 GS, mas acho que investir R$ 53.000 em uma moto está fora das minhas prioridades.
 
Só depois de definir o uso e o valor pode-se chegar às categorias de motos. Assim como os tênis as motos também têm suas especificidades. Claro que existem motos versáteis que atendem uma maior gama de uso, mas uma esportiva, por exemplo, é um inferno para usar diariamente no trânsito congestionado. E uma trail de um cilindro é um pé no saco pra viajar em alta velocidade.
 
Motociclista grande em moto pequena não combina!
 
Além disso é preciso avaliar o tamanho do motociclista e seu grau de experiência. Pessoas grandes ficam desajeitadas em motos pequenas, assim como pessoas pequenas não agüentam o peso de motos grandes.
 
E... e... ahá! Peguei você! Essa é mais uma série de artigos que será publicada em pílulas. Como envolve muitos detalhes o texto ficaria grande, chato e tenho de pensar nos meus amigos com déficit de atenção. Fique de olho no Motite que vou começar a série “A escolha”. Até a próxima!

 

 

tags:
publicado por motite às 18:15
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.Procura aqui

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Os Dias Eram Assados - o ...

. Os dias eram assados. Com...

. Scooter mania nacional

. Ainda melhor!!!

. Motociclista, esse esquec...

. Salão no Rio em nova data

. Tudo que você queria sabe...

. Quem experimenta pede Biz

. Salão da recuperação

. Viajar de moto é tudo de ...

.arquivos

. Junho 2019

. Março 2019

. Junho 2018

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds