Sexta-feira, 17 de Outubro de 2008

Lêndeas do Motociclismo - Apenas um jornalista

 

(Passados 22 anos o trânsito só piorou! Foto: Luna Bartlewski)

 

Em março de 2008 a água bateu na minha bunda! Descobri que o jornalismo especializado não poderia mais me sustentar. Parte em função de uma safra de novos profissionais da área, que provocou a natural queda na remuneração da mão de obra – a velha lei da oferta & procura -, parte pela insaciável sede de lucro das empresas de comunicação que não têm o menor escrúpulo na hora de decidir entre manter um bom profissional ou contratar dois novos formandos pela metade do salário.

 
Surgiu então a oportunidade de editar uma revista de interesse geral, com uma remuneração digna, em uma empresa de grande porte. Talvez eu tenha me precipitado em fazer um desabafo contra o jornalismo especializado, mas foi resultado de 27 anos de um grande nó entalado na garganta. Ou mesmo pelos inúmeros projetos que tentei realizar junto às empresas e associações do setor. Todos solenemente recusados, ignorados ou rechaçados.
 
Bom, como você viu, a minha participação na nova revista teve vida curta. Não vou entrar em detalhes desta frustrada operação (ainda), mas aqui estou de volta ao mundo das motos (de onde não devia ter saído).
 
Neste rápido entra-sai alguns leitores se manifestaram em vários fóruns, especialmente no Orkut. Fiquei tão surpreso quanto assustado ao ver meu nome citado por todo este Brasil (e até no Exterior). A cada vez que digitava meu nome no Google achava um novo debate sobre minhas decisões. Alguns leitores fizeram defesas tão acaloradas da minha história como jornalista que não foram poucas as vezes que me emocionei às lágrimas, sozinho, no meu escritório-casa imaginando que são estes desconhecidos que me defendem como se fossem mais irmão. Outros me chutaram de um jeito avassalador, com ofensas que nem imaginei que existiam!
 
Várias vezes eu quis entrar nestes fóruns para agradecer e/ou me defender, mas achei melhor ficar quieto porque o tempo é o melhor juiz. Não acredito no julgamento dos homens (atualmente nem me interessa), mas ficou aquela sensação de “Mas quem são esses caras que me criticam? Conhecem meu trabalho? Desde quando?”. A maioria dos meus leitores só me conhece da fase pós-Motonline, que qualifico como a minha melhor fase profissional pela liberdade que o Harada sempre me deu ao escrever, às vezes até contrário à opinião dele e do Durval.
 
Poucos conhecem o meu trabalho desde os primórdios do jornalismo especializado. Inclusive os empresários que negaram apoio aos meus projetos. Por isso, hoje, sexta-feira chuvosa, achei e decidi publicar um artigo que escrevi em julho de 1986. Foi escrito 22 (VINTE E DOIS) anos atrás. Época que o motociclismo era embrionário no Brasil. Meu primeiro artigo sobre motociclismo foi publicado em 1981 (ainda vou achá-lo). Gostaria que você olhasse esse artigo, que escrevi sem entrevistar ninguém, apenas com base na MINHA experiência de motociclista e me ajudasse a entender como alguém que contribuiu com o mercado, com os motociclistas, com a imprensa e com as empresas não consegue ter UM patrocínio para continuar este trabalho? Se alguém tiver uma teoria a respeito, aceito de coração!
 
Boa leitura!
 
Moto:solução no trânsito*
Com o tráfego parado nada melhor do que uma moto. Porém, pilotada com segurança
 
Numa típica avenida de grande movimento, os automóveis disputam cada centímetro de asfalto na intenção de chegar mais rápido ao seu destino. Alguns ônibus e caminhões ajudam a complicar mais a situação, trafegando fora da faixa destinada a estes veículos. No meio deste caos, um ponto luminoso ziguezagueia entre os carros. Olhando mais de perto, o ponto luminoso se revela o farol de uma moto, driblando o trânsito com tranqüilidade e rapidez.
 
Mas tranqüilidade em cima de uma moto, no meio do trânsito, depende da forma como o motociclista trafega. O trânsito pesado das grandes cidades guarda perigosas armadilhas onde um motociclista inexperiente pode cair. Quanto mais intenso e longo for o trânsito, maior será a tensão nervosa dos motoristas, que podem cometer pequenos deslizes na condução do automóvel, ônibus ou caminhão.
 
O motociclista deve ter em mente que existem dois tipos de segurança: a passiva, que recomenda o uso dos equipamentos de segurança (capacete, luvas e botas), e a segurança ativa, que significa uma pilotagem sem erros, obedecendo a sinalização e respeitando os outros veículos e pedestres. Segundo dados levantados pelas fábricas, a segurança ativa é mais importante para o motociclista, uma vez que quem não cai nem bate, não precisa dos equipamentos de segurança. Mas quem é tão sortudo assim que nunca vai encontrar um motorista abrindo a porta inesperadamente no meio do trânsito para ver se o pneu furou.
 
No meio do Inferno
Muita gente acredita que os motociclistas são privilegiados por se embrenharem no trânsito e sair com mais facilidade, sem sofrer a pressão psicológica que os motoristas sofrem. Mas isto é um engano. Rodar no trânsito com a moto requer uma concentração total, e até mais do que isso, é preciso desenvolver aquele sexto sentido que percebe à distância quando aquele carro 1966 com oito pessoas dentro vai mudar de faixa sem dar o menor sinal.
 
Este sexto-sentido se obtém com a prática do uso diário da moto. No trânsito parado, por exemplo, forma-se um corredor entre os automóveis que representa uma verdadeira "avenida" para uma moto. Mas no meio desta avenida pode aparecer um pedestre que atravessa por trás de um caminhão ou ônibus, sem estar no campo de visão do motociclista. Aí os dois levam o maior susto, que pode ser muito maior na proporção direta da velocidade em que a moto está e da sua capacidade de frenagem.
 
Neste corredor existem outras surpresas, como uma antena virada para o lado sem que o motorista perceba e que pode acertar o motociclista. Os espelhos retrovisores dos automóveis estão cada vez mais retro e mais visores. Além da dimensão maior, eles estão nos dois lados dos carros, o que torna um martírio para os proprietários de motos de rua, ou street, desviar daqueles imensos espelhos. Felizes são os proprietários de moto trail, que pela maior altura do guidão podem passar pelos espelhos sem problemas, pelo menos até encontrarem uma perua Kombi pela frente. Para os treieiros a atenção deve ser com largura do guidão, que costuma tocar na carroceria dos caminhões.
Outra observação para rodar no trânsito pesado é com relação ao garupa. Por estar com uma pessoa a mais, a moto às vezes não corresponde ao movimento do piloto, sem falar que o que está sentado atrás fica com os joelhos mais para fora e isto é uma coisa que poucos motociclistas lembram, o que pode custar uma batida na carroceria de algum carro e o fim de uma longa amizade .
 
No meio do trânsito
De repente o trânsito começa a fluir. Conseguiram empurrar uma betoneira que tinha morrido no meio de um cruzamento e se recusava a pegar. Os carros começam a andar com mais velocidade, mas a avenida continua cheia. Nesta situação os corredores entre os carros já não são uma boa forma de economizar tempo. É chegada a hora da moto ocupar o mesmo espaço de um automóvel no trânsito. O melhor lugar para se posicionar é
no meio da faixa, ocupando o mesmo espaço de um carro, sempre se colocando de forma a ser visto pelos motoristas. O farol aceso, mesmo durante o dia, ajuda bastante na tarefa de ser visto. Os motoristas, fechados em seus automóveis, têm muitos pontos mortos de visão, como as colunas do teto, que escondem completamente uma motocicleta. Daí a importância de rodar sempre atrás e no meio do automóvel.
 
Nas ultrapassagens o motociclista terá que reduzir a velocidade de aproximação, principalmente porque a moto geralmente está mais veloz que o carro; ultrapassar tendo o cuidado de sinalizar com o pisca e voltar para faixa quando já for possível ver o carro ultrapassado pelo espelho. E importante lembrar que às vezes o motociclista está rodando a horas numa velocidade acima da dos automóveis e a reação do motociclista é mais ágil. Enquanto no automóvel, o motorista está trafegando há muito tempo em baixa velocidade e tende a ser mais lento nas reações. Por exemplo, quando o motorista vai mudar de faixa, geralmente se acostuma com os veículos que estão rodando ao seu lado e esquece de sinalizar, ou olhar pelo espelho retrovisor para ver se entre ele e o carro ao lado está vindo uma motocicleta. Isto é uma tendência natural que até alguns motociclistas quando estão dirigindo carro cometem.
 
Moto X moto
Outra armadilha que o trânsito pesado esconde são os objetos arremessados das janelas dos carros e ônibus. O pior deles é a ponta de cigarro, que pode desgraçadamente entrar pela abertura do casaco e ficar queimando lentamente o motociclista. Neste momento é preciso ter sangue frio (literalmente) suficiente para encostar a moto no primeiro canteiro ou calçada, sem se desesperar, para finalmente proporcionar um espetáculo de strip-tease aos pedestres até encontrar a ponta de cigarro. Outra surpresa é a lata de refrigerante ou cerveja que pode voar pela janela de um caminhão ou ônibus de torcida de futebol numa quarta-feira à noite. Aí aparece mais uma grande utilização do capacete: escudar a cólera dos torcedores.
 
Uma conseqüência infeliz do excesso de trânsito nas cidades é a desumanização de alguns motociclistas. Tem gente por aí que não respeita nem aos próprios colegas, costurando no meio dos carros sem lembrar que existem outras motos costurando também. Neste emaranhado de corte-costura é comum ver um motociclista sendo surpreendido por outro saindo por trás de uma Kombi. Primeiro aparece a roda dianteira, depois vem o resto. Como conseqüência, dois pares de olhos arregalados e a lição de que os motociclistas também precisam olhar pelos espelhos e sinalizar em qualquer manobra no trânsito.
 
Pesquisas realizadas pelas fábricas revelaram um número impressionante de atropelamentos provocados por motociclistas em cima da calçada. Um pouco de respeito com os pedestres não faz mal, principalmente com aqueles que estão saindo sonolentos de suas casas para pegar um ônibus e acabam sendo pegos por uma moto. Já pensaram, naquela senhora saindo da pizzaria carregando uma calabresa e uma mussarela e sofre uma colisão de uma Montesa 360 H6. Os bombeiros vão precisar gastar algumas horas para distinguir o que é motociclista à mussarela do que é Montesa à calabresa.
 
* O texto foi mantido na sua forma original – publicado originalmente na revista Duas Rodas/agosto de 1986

 

publicado por motite às 21:37
link do post | comentar | favorito
17 comentários:
De Flavio Vaz a 17 de Outubro de 2008 às 22:50
ê Véio,
Te conheço desde os tempos da Ténéré com Golfinhos no Tanque... relaxa, o mercado lhe dará o valor certo e enquanto isso vá andando de Biz pra economizar.
Boa sorte e acredite que vc tem a maior torcida entre os jornalistas especializados. Abraços.
De Gustavo a 18 de Outubro de 2008 às 00:05
É, Tite, é aquele negócio: se você for levemente melhor que a média, vai ter uma carreira de sucesso. Se for muito melhor, vai ser um belo fracasso.
De Diego Frantz a 18 de Outubro de 2008 às 18:50
Parabéns pelo texto Tite, incrível ver que mesmo com mais de 20 anos o texto ainda se adequa a nossa realidade. Só que hoje em dia temos os SUV's que incrivelmente parecem odiar motocicleta mais que qualquer coisa, fora o número muito maior de motos na rua. E quando sai o Mundo é uma roda 2? Já li o primeiro várias vezes e estou sedento por mais histórias.

abrçs e força na nova empreitada.
De Paulo Ricardo a 18 de Outubro de 2008 às 19:50
EU ja defendi o tio tite... (motonline), onde um "ser" veio dizer que ele não se importava mais com o mundo das motos... fiquei indgnado... um dos poucos jornalistas realmente sérios, que realmente AMA as motos... e o cidadão me fala que ele não se importa com as motos..
De Adalberto a 19 de Outubro de 2008 às 00:56
Eai Tite, so comecei a ler o Motonline porque descobri que voce estava por la, leio seus textos desde o comparativo das CBX750 x ZX-6 Ninja na Duas Rodas e da TDM850 ja na Moto!.
Citei as duas porque foram duas reportagens que me fizeram olhar com carinho para as duas motos importadas citadas.
Abracos e boa sorte...
De douglas venturini a 19 de Outubro de 2008 às 02:30
Mais uma vez parabens pelo artigo mesmo sendo de 22 anos de escrito ele ainda e atual, percebemos que os problemas do transito de hoje ja se arrasta a muitos anos.
Abrços
De Tozé a 19 de Outubro de 2008 às 12:09
O Tite lenda?
Vestiu a carapuça, não é? hehehe
Lembro de vc dando bronca no pessoal para colocarem vc como lenda.
De Tozé a 19 de Outubro de 2008 às 12:10
Ops.. NÃO colocarem vc como lenda.
De Ricardo Costa a 19 de Outubro de 2008 às 19:19
Fala Doc. Tite, foi um prazer ler novamente um artigo de sua autoria, e fico feliz pelo seu retorno. Torço de coração para você alcançe seus novos objetivos. Abraço
De Robson Leonardo a 19 de Outubro de 2008 às 20:08
Tite, para quem esperava ancioso o que vc escreveria, tanto no motonline quanto em revistas, acompanhar seu blog é um prazer!!!

Entendo a desilusão pois sou professor em um país onde a educação não tem o mínimo necessário de valorização!!!

Vc é disparado o melhor profissional em duas rodas deste país e é impensável o motociclismo sem vc!!!
Será que vc mensura isto em sua real proporção...?

Quer prova melhor do que a sinceridade, imparcialidade e a habilidade para escrever textos como este que, 20 antes antes, parece que foi escrito para uma reportagem hoje!!!

Realmente vc munca deveria ter saído ,do motociclismo!!!

QUE BOM QUE VOLTOU!!!


De Claudinei Cordiolli a 20 de Outubro de 2008 às 00:23
Tite,

Incrivel como este texto ainda continua atual. Unica coisa que vai ser dificil é achar uma Montesa 360 H6 andando pela calçada.
De Samuel a 20 de Outubro de 2008 às 14:20
A 22 anos atrás eu tinha apenas 6 anos de idade, infelizmente não era alfabetizado para ler seus artigos e despertar meu amor por motosjá naquela época...
Tite, PARABÉNS pela iniciativa em defender e passar ensinamentos a nós motociclistas desde tanto tempo.
É um privilégio enorme contar com o MOTITE... assim como foi um privilégio contar com sua participação no MOTONLINE.
Ficaremos sempre muito agradecidos com sua presença, pois é com ela que temos um meio acessível e confiável de estar sempre desenvolvendo nossas habilidades e mentalidade no motociclismo consciente e responsável.
Grande Abraço

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.Procura aqui

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Os dias eram assados: o p...

. Os Dias Eram Assados - o ...

. Os dias eram assados. Com...

. Scooter mania nacional

. Ainda melhor!!!

. Motociclista, esse esquec...

. Salão no Rio em nova data

. Tudo que você queria sabe...

. Quem experimenta pede Biz

. Salão da recuperação

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Março 2019

. Junho 2018

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds