Sexta-feira, 31 de Julho de 2020

Fraternidade esportiva: as novas Honda CB 650R e CBR 650R

cbr650r_trc7.jpg

Deita muito: esta CBR 650R é uma escola de pilotagem! (Foto: Digital da Lata)

Leia com atenção, porque uma delas pode ser sua primeira quatro cilindros

Por ter entrado na faculdade de medicina, em 1976, meu irmão mais velho ganhou como prêmio uma moto nova. Era uma Honda CB 400Four que tinha acabado de ser lançada no Japão e já estava à venda nas concessionárias de São Paulo. Só que você sabe, estudante de medicina não tem tempo nem pra respirar, quanto mais pra andar de moto. Assim, na flor dos meus 17 anos herdei essa moto. Que ficou nas minhas mãos por 10 anos e 160.000 km, até dissolver por excesso de uso e de tombos. Nunca mais tive uma moto quatro cilindros.

O que ela tinha de mais charmoso eram as curvas do escape 4x1. Dizem que essa solução não era estética, mas pragmática: entortaram as curvas para que os mecânicos pudesses trocar o filtro de óleo sem desmontar os escapes. O resultado foi uma das motos mais icônicas da Honda, presente em toda coleção que se preze.

CB400Four_saarinen.jpgcbr650nsc_1.jpg

A incrível semelhança entre a CB 400Four de 1976 e a atual CB 650R.

Passados 44 anos a Honda resgatou aqueles escapes curvos na nova linha CB 650R, em duas versões: CB 650R NSC e CBR 650R. E já vou avisando: não se tratam de um facelift da linha 650F. A letra F indicava Fun (diversão), motos para turismo. Agora a letra é R, de Racing, feita pra acelerar mesmo.

A programação começou com a CB 650R que obedece o conceito Neo Sport Café, inaugurado com a CB 1000R. Logo de cara as curvas dos escapamentos chamam a atenção e foi uma sacada genial do pessoal de design. Este projeto é uma tentativa de fazer de uma moto produzida em série algo parecido com uma customização. Por mais estranho que isso pareça, deu certo.

cb650nsc_guidao.jpg

Guidão de secçao variável no melhor estilo customizada na CB 650R. (Foto: Divulgação)

Começando pela traseira. A lanterna fica embutida no banco e o que se parece com um para-lama não passa de uma tira de plástico para pendurar a placa. É a industrialização do eliminador de para-lama. Confesso publicamente que acho horrível motos com eliminador de para-lama, ficam parecidas com um cachorro sem rabo. Tente comprar uma moto usada com o para-lama traseiro original e vai descobrir que esse eliminador é mais do que uma tendência, é uma endemia!

Outro elemento vindo diretamente da customização é o guidão de secção variável, de alumínio, que mantém o corpo do piloto levemente inclinado pra frente, uma posição de pilotagem um pouco mais esportiva se comparada com a CB 650F. Este guidão é um dos primeiros itens que os customizadores buscam.

cb650R_road1.jpg

A traseira é meio estranha, parece um cachorro sem rabo. A da moto também. (Foto: Digital da Lata)

As pedaleiras estão mais elevadas e isso pode complicar a vida de quem tem mais de 1,80m, mas pra mim (com meus enormes 1,68m) serviu como se feita sob encomenda. O que me deixou mais bem impressionado com esta postura é conseguir colocar os dois pés no chão e a sensação de leveza. De fato ela ficou 4 kg mais leve em relação à F, mas não é isso. Foi como se eu tivesse de novo montado na minha querida CB 400Four. Só que a avó dessa 650 tinha apenas 38CV enquanto essa tem 88,4 CV.

Desfrutável

Depois que a Honda surpreendeu o mundo com a popularização dos motores quatro-em-linha ao lançar a CB 750Four em 1968, surgiram várias versões com esta configuração. Inclusive uma CB 350Four, mas quem fez o papel de inaugurar muita gente no universo Four foi a minha CBzinha e seus charmosos escapes curvos.

Só a título de curiosidade, nos anos 70/80 as motos 750Four eram o sonho de consumo. E o primeiro acessório instalado (até hoje) era o escape 4x1. Se Soichiro Honda vir a ser canonizado um dia, será pela criação do motor Four em linha transversal. Mas o cara que inventou o escape 4x1 também vai para o céu. A mágica desse ronco vinha de um outro sonho da época: os carros de Fórmula 1. A maioria tinha motor Ford V-8 com duas saídas de escape. Ou seja, era como se fossem dois motores de quatro cilindros, com dois escapes 4x1. O ronco de uma moto com escape 4x1 ficava muito parecido com o de um carro de F-1 e isso mexia com os hormônios daquela geração.

cbr650nsc_painel.jpg

Painel completo com indicador de marchas e velocímetro bem grandes. (Foto: Divulgação)

Assim que comecei a rodar com esta CB 650R veio tudo claro em minha mente. Ela é incrivelmente leve, mesmo tendo quadro perimetral de aço. Assim que começa a rodar essa sensação de leveza fica mais evidente e, sem exagero, lembra uma moto de 300cc. O painel é completo totalmente digital, dentro de um pequeno retângulo. Aliás, pequeno demais. Para sorte dos over 60 o indicador de marchas e o velocímetro tem dígitos grandes, mas o conta-giros só com óculos. Felizmente esse painel conta com shift light, aquela luz que acende quando atinge uma rotação programada. Cada um pode escolher a rotação e para este teste foi marcado 6.000 RPM, o que dava algo por volta de 125 km/h em sexta marcha. Como a velocidade permitida nesta estrada era de 120 km/h a luz ficou mais tempo apagada, porque a esta velocidade o motor se mantém a 5.900 RPM. Na faixa acima de 6.500 RPM dá pra sentir a vibração do motor no guidão e pedaleiras, principalmente nas desacelerações, momento que todo motor vibra mais mesmo. Não chega a incomodar, mas é um pouco exagerado para um motor de quatro cilindros.

Tanto a versão Café quanto a R adotam o mesmo conjunto de suspensões, com bengalas invertidas na dianteira e monoamortecedor traseiro. Sobre esse conjunto vale ressaltar alguns dados. Esta é uma suspensão efetivamente upside-down como foi concebida na origem, com as bengalas fazendo funções diferentes: uma faz o trabalho hidráulico e a outra o mecânico. Como as bengalas estão fixadas na mesma mesa e presas no mesmo eixo, trabalham como se fossem uma peça só.

cb650nsc_freio.jpg

Suspensão realmente invertida e discos com pinças radiais: herança das pistas. (Foto: divulgação)

Já a suspensão traseira é comandada por um amortecedor bem inclinado, fixado diretamente na balança traseira de alumínio. Não tem links e isso é um atestado de eficiência. Tem regulagem na pré-carga da mola.

As rodas de 17 polegadas estão calçadas com pneus Metzeler 120 na frente e 180 atrás. Para uso civil são mais do que eficientes. Como são pneus radiais transfere um pouco das irregularidades do piso. Não tem muito como escapar disso. Mas nas ruas castigadas do Alto da Lapa, em São Paulo, chegou a incomodar. Graças às pedaleiras altas, passei boa parte do tempo apoiado nas pedaleiras como um jóquei. Não gostei da espuma do banco, muito dura para uma proposta de moto urbana/touring. Acho que a Honda poderia ter usado bancos de densidade diferente nas duas versões.

Super_banner_NewsLetter_580x72px_angell.gif

A única coisa que atrapalha levemente o deslocamento em baixa velocidade é o pouco esterçamento do guidão, por causa do grande radiador. O piloto precisa ficar esperto na hora de manobrar no meio dos carros.

Já na estrada é alegria pura. É uma moto raiz, sem nenhuma proteção aerodinâmica e se o piloto mantiver velocidade alta por muito tempo no final da viagem terá um pescoço de boxeador. Ainda acho um pouco estranho esse estilo com o farol achatado, entre as bengalas. A visão de quem pilota é que a moto não tem cabeça. Fica parecendo um inseto endocéfalo que nem uma barata.

cb650R_road2.jpg

Escolha estradas com muitas curvas e divirta-se. (Foto: Digital da Lata)

Pista, pista e mais pista

Durante a viagem até o Haras Tuiuti passamos por uma estradinha cheia de curvas, lombadas e até trechos de terra. Foi a chance de avaliar o controle de tração e os freios ABS. Vou dizer: o cabra só vai se acidentar com essa moto se caprichar bastante na cagada. Depois vou explicar mais um pouco sobre o ABS e o controle de tração.

cbr650r_ABRE.jpg

Hora da treta: na pista a CBR 650R é pura diversão até para iniciantes. (Foto: Digital da Lata)

Juntando o roteiro cidade+estrada posso atestar que nenhum motociclista precisa mais do que isso. Sempre defendi que motos de 1.000 ou acima disso não passam de exibicionismo equestre: o cara quer mostrar que tem mais cavalo que o vizinho. Uma moto na faixa de 600/750 oferece desempenho, conforto e estabilidade em dose certa para curtir e não ir a falência por excesso de multa nem consumir gasolina como um carro. Não é a toa que a Hornet 600 foi, por muitos meses, a moto mais vendida em vários países europeus. A mais vendida geral, incluindo as pequenas.

Chegou o momento mais esperado que era o teste da versão R desta 650. Visualmente me agradou muito mais essa versão carenada. Mas uma coisa não consigo engolir que é esta traseira cotó. Na versão NSC até combinou, mas na esportiva ficou parecendo que o desenhista ficou com preguiça e parou de desenhar a moto no meio.

CBR650R_tr1.jpg

A velocidade máxima fica por volta de 220 km/h. Está de bom tamanho! (Foto Digital da Lata)

Em compensação a sacada de deixar uma “janela” na carenagem para expor as curvas do escapamento foi sensacional. Além de ajudar a arrefecer as curvas. A parte dianteira é uma clara inspiração na CBR 1000 Fireblade. Ficou simplesmente fantástica. O farol, a exemplo da versão “mansa” é full LED e permitiu criar um desenho mais fino com se fossem olhos amendoados de um monstro sanguinário.

A posição de pilotagem obviamente é 100% esportiva e pode avisar lá em casa que essa garupa é só pra dizer que existe. A CB 650 até aceita o passageiro sem muito estresse, mas a “R” recebe essa letra porque é uma alusão à RACING e você já viu moto de corrida com duas pessoas em cima?

Dentro da pista a ideia é acelerar e depois de alguns anos de abstinência de pista eu parecia criança em parque de diversões. Simplesmente não conseguia mais parar. Conheço bem essa pista porque dei muita aula nela, por isso depois de duas voltas pra aquecer os Dunlop baixou o caboclo aceleradô e fui testar se o controle de tração funciona mesmo. Pra minha sorte funciona sim. É quase imperceptível e não chega a fazer o motor “falhar”. O sistema até é mais permissivo do que eu gostaria porque ele deixa a moto escorregar bem de leve e depois atua, quando o piloto já está quase enfartando.

cbr650r_trc4.jpg

Saí da pista com o acelerador a pleno e fui salvo pelo controle de tração: arigatô! (Foto: Digital da Lata)

O mesmo vale para os freios ABS. Na frente dois enormes discos com pinças radiais e na traseira o disquinho sem surpresas. O bom desse sistema é que só atua bem no limite mesmo e ainda permite frear até o meio da curva com a moto inclinada. O pessoal que for disputar a Copa CBR 650R vai se divertir demais!

Uma novidade do sistema de freios é um sistema batizado de ESS que faz as luzes da seta piscarem quando o piloto alicata os freios com vontade. A partir de 56 km/h se o acelerômetro percebe que a moto apresentou uma aceleração negativa acima de 2,5 m/s2 dispara um aviso para as luzes piscarem.

Falando em setas, tanto a 650 naked quanto a carenada trazem uma novidade em se tratando de moto nacional: as setas dianteiras permanecem acesas junto com o farol. Isso já é lei em alguns países e tem como objetivo mostrar para o motorista que aquela luz atrás dele é de uma moto e não a metade de um carro. É muito útil principalmente nos corredores à noite. Deveria se tornar obrigatório também no Brasil.

cbr650r_contrac.jpg

O controle de tração pode ser desligado por um comando no dedo, mas não faça isso! (Foto: Divulgação)

Desfrutável

Mais uma vez colocaram o shift light para acender a 6.000 RPM. Santa inocência. Para um motor que tem potência máxima a 11.500 RPM e torque a 8.000 RPM. Deixar a luz indicativa a 6.000 foi só pra mantê-la acesa o tempo todo. Nas primeiras voltas eu ainda usava a quarta marcha, mas depois de uma conversa com o piloto e embaixador da categoria 650, Rafael Paschoalin, ele disse pra eu andar apenas em segunda e terceira. Aí nunca mais essa luzinha apagou.

Mas mesmo com este visual esportivo a ideia da Honda sempre foi produzir motos o mais desfrutável possível. De fato, fiz aquele famoso teste da retomada em última marcha, quando deixo a rotação cair até praticamente a marcha lenta, a 1.800 RPM, então giro o acelerador até o fim para ver a reação. No tempo das carburadas a moto apagava. Hoje, com toda eletrônica, o motor responde de forma linear, sem engasgo. Na prática isso se traduz numa moto que não exige tantas trocas de marchas. Fiz outro teste: rodar na pista inteira apenas em sexta marcha e mesmo nos trechos de subida ela respondeu sem pestanejar.

Nunca foi muito a minha preocupação com consumo. Afinal, quem quer gastar pouca gasolina pode escolher uma moto 150cc. Mesmo assim no painel o pão duro pode controlar o consumo por meio de dois trip com indicador de consumo instantâneo e médio. Pelos meus cálculos a média numa pilotagem normal civilizada deve ficar por volta de 18 km/litro, podendo passar de 20 com facilidade.

Um dos grandes desafios dos projetos que serão vendidos no Brasil é conciliar desempenho com as rigorosas normas de emissões do Promot 5. Principalmente no que diz respeito ao ruído. Uma moto com motor Four tem um ronco que é música para ouvidos sensíveis. Mas com tanta restrição fica parecendo um cantor de forró fanhoso. Mas acredite, a Honda conseguiu o que parece impossível: em regimes até 6.500 RPM o ronco do motor é bem baixo, mas a partir daí ela solta a garganta e pode-se ouvir o verdadeiro som da emoção. Bem parecido com o que já acontece com a CBR 1000RR Fireblade.

cbr650r_biruta.jpg

Nesta foto podemos ver dois birutas! (Foto: Digital da Lata)

E, claro, a pergunta que todo mundo gosta de fazer: qual a velocidade máxima? Nunca fui muito de dar importância a isso e nem fui testar, mas pode acreditar em algo perto de 220 km/h como sendo normal para as duas versões.

A outra pergunta que recebi pelas mídias sociais – que no meu caso é minúscula perto dos verdadeiros influencers: vale a compra? Pelo prazer de pilotar e estilo sim, vale muito. Acredito que essas 650 são a escada natural de quem sai das 300, 400 ou 500 de dois cilindros e pretende entrar no universo sem volta das quatro cilindros. Em termos de concorrência, a Yamaha aposta nos dois cilindros da MT-07 (R$ 39.300 e 74 CV), que até tem uma pegada esportiva, mas tem dois cilindros, né. O mesmo vale para a Kawasaki Ninja 650 (R$ 33.000 e 68 CV), mas o que pode embaçar é a Suzuki GSX-S750, com motor quatro cilindros de 114 CV a R$ 45.000, enquanto a CBR 650R está sendo lançada a R$ 41.080 e a CB 650R a R$ 39.416. Além de um número bem maior de concessionárias, o pacote comercial da Honda inclui garantia de 3 anos e assistência 24 horas pelo mesmo período. Quanto às cores, no caso da CB 650R elas são três: cinza jamais me escolha, azul bacana e vinho obrigatório. Já na CBR 650R são duas: cinza vergonhoso e vermelho necessário. 

cbr650_duas.jpg

Pode escolher uma das duas e ser feliz! (Foto: Divulgação)

Para encerrar, o já mundialmente conhecido IPM – Índice de Pegação de Mina (ou mano). O banco não é muito amigável para quem vai na garupa, mas o estilo moderno garante um valor de 8,0. Não foi possível testar a skateabilidade porque dessa vez não levei o skate, mas a falta de lugar para prender um simples elástico já derruba a nota neste quesito. Depois que a Yamaha tirou de linha a honesta XJ6, quem quiser ingressar no mundo Four tem aqui duas ótimas opções.

Para ver a ficha Técnica, valores, rede de concessionárias e outros papos chatos, clique AQUI.

 

 

publicado por motite às 13:25
link | comentar | ver comentários (6) | favorito
Domingo, 26 de Julho de 2020

Maratona Titânica: os bastidores da etapa de Jerez (de novo) da MotoGP

Quarta_jerez.jpg

Monstruosa perfromance de Fabio Quartararo outra vez. (Foto: MotoGP)

Uma jornada épica

Toda vez que eu encontrava com o Fausto Macieira perguntava "e aí? como é acordar às seis da manhã e ficar seis horas no ar?". E ele corrigia na hora "seis não, eu acordo às quatro porque temos de começar uma hora antes"...

Pois, amigos, hoje foi minha vez de acordar as TRÊS da manhã para começar os trabalhos às 4:00 e estar no ar às 4:55 até às 10:20!!! Posso afirmar: o Fausto é um herói! Porque no caso dele ainda tinha de sair de casa e ir até a Rede Globo, do outro lado do Rio de Janeiro, de motoca, ainda no escuro. 

Não sei se perceberam, mas estamos transmitindo cada um de sua casa e vou contar um pouco mais dos bastidores. A transmissão propriamente começa no sábado. Eu não comento os treinos porque tenho de dar aulas aos sábados, mas a rotina começa jánna sexta-feira pontualmente às 18:00 hrs, quando temos um reunião online para testar os equipamentos e alinhar as pautas. Novamente eu fui o cagado da vez: meu microfone deu pau! E pau em Mac é sempre mais complicado do que em PC. Os engenheiros da FoxSports entraram em ação e ficamos nada menos do que duas horas tentando fazer o trem voltar à vida. Sem sucesso. Única alternativa foi comprar um outro mic no sábado.

Tudo pra Mac é caríssimo e o novo fone de ouvido com microfone custou um rim, mas tudo bem, ainda tenho um e posso viver assim. No sábado às 18:00 teve outra reunião online e pra felicidade geral funcionou!!! Santa empresa que inventou o HiperX e abençoada Kalunga que abre aos sábados. Mais uma vez a família Zaninotto me salvando a pele!

Durante a semana a direção da Fox me mandou para uma fonoaudióloga (só falar essa palavra sem errar já cura qualquer problema de fala) pra aprender a aquecer a voz. São exercícios de trinados trriiiiiimmmmm ziiiiiimmmmm zóooiiiimmmm etc que no silêncio das 3 da manhã, mesmo dentro do banheiro meu vizinho me mandou um zap pra saber se eu tinha comprado uma cacatua.

Aergater.jpg

Dominiqueniquenique: correu praticamente sozinho na Moto-E e deu sorte. (Foto: MotoGP)

As corridas

Bem mais confiante, com a voz aquecida e microfone de ouro comecei os comentários da Moto-E apostando num excelente resultado do Eric Granado. E o que ele fez foi fantástico. Largou mal, ficou no pelotão da merda um tempo, errou uma curva, caiu pra oitava posição, remou tudo, fez a volta mais rápida da prova e chegou ao segundo lugar em SEIS voltas!!! Já estava sentindo o gostinho do espumante do pódio quando o cretino esférico Matteo Ferrari errou grosseiramente a frenagem e estampou a traseira da moto do Eric. Por pouco eu não soltei um FILHODAPUTA no ar! Mesmo p*** da vida, o brasileiro levantou a moto e voltou pra prova porque precisava salvar três pontinhos preciosos.

Que frustração!  Era pra sair desta etapa líder do campeonato. Mas acho que nestas duas etapas o Eric já entregou o cartão de visita para todo circo da MotoGP. Está com o futuro mais do que garantido. 

Suzuki.jpg

Suzuki corre de Honda: vitória incontestável do pole-man da categoria Moto3. (Foto: MotoGP)

Na Moto3 o Albert Arenas fez uma opção perigosa de se manter no bolo dos 10 primeiros para atacar nas voltas finais. Funcionou no Qatar, funcionou na primeira de Jerez mas não funcionou hoje. Andar no pelotão sempre exige muito foco e um pentelhésimo de segundo que perder a atenção é chão. Não deu outra, caiu e eu cantei essa bola quando falei "estratégia perigosa"... Ótima vitória de Tatsuki Suzuki, na equipe de Paolo Simoncelli. O Téo falou Simonelli no ar porque as letras do gerador de caracter estavam borradas mesmo e parecia Simonelli. Arenas continua liderzão com 50 pontos mas acho bom mudar de tática e se livrar logo dos malucos logo no começo.

Tutti a casa na Moto2 com os três primeiros colocados italianos. Eu ia zoar os sotaques dele na entrevista, mas isso já perdeu a graça. Juro que não entendo porque eles fazem questão de falar errado de propósito. Não é sotaque coisa nenhuma, é um nacionalismo desnecessário. Já expliquei um milhão de vezes que executivos italianos falam inglês correto. O piloto torinese Niccolò Canepa (Moto-E) fala inglês impecável, mas parece que isso é endêmico entre atletas italianos. 

Bastianini.jpg

É una Bestia! Bestial desempenho de Enea Bastianini na Moto2. (Foto: MotoGP)

A corrida foi uma surpresa porque os três comentaristas apostavam num sprint do Luca Marini, mas Enea Bastianini foi avassalador. Abriu uma semana de vantagem e despachou a galera. E o japa Nagashima pirou de vez. Acho que ele ultrapassou os mesmos pilotos dezenas de vezes. Passava, errava, perdia posições, passava todo mundo de novo, errava e parecia que estava no modo looping. Na última curva errou de novo e terminou em 11º lugar, exausto.

E veio o filé mignon do dia: a MotoGP! Antes de mais nada por favor parem com essa lenga-lenga de que será um campeonato "menor" porque Marc Marquez ficou de fora de duas etapas. Pow, o cara exagerou, errou duas vezes, caiu, se machucou tudo sozinho. Por culpa e erro dele. Faz parte de qualquer competição. Parece aquela conversinha fiada de que "depois da morte do Senna a F-1 ficou chata!". Ficou chata pra nós, brasileiros, mas para os alemães foram nove títulos de comemoração.

Super_banner_NewsLetter_580x72px_angell.gif

Sem o Marc Marquez vimos um Fabio Quartararo endiabrado mesmo, que abriu OITO segundos do resto. Nesta categoria equivale a uma composição inteira do metrô. Deu show de frieza, cravou as voltas no mesmo décimo de segundo e o Bagnaia não chegaria nem perto de Ducati. Excelente foi o pega entre Maverick Viñales e Valentino Rossi, os dois com muito cuidado. VR46 estava freando pra lá do Deus me livre, forçou o desgaste do pneu dianteiro e o Viñales aproveitou pra dar o bote no fim. Um pecado a quebra dos motores do Morbidelli e do Bagnaia, coisa rara na motovelocidade ver duas quebras de motor na mesma corrida. Pelo áudio da geradora de imagens nós pudemos ouvir como os motores passavam de giro na reta principal, porque alguns preferem não engatar a última marcha. Daí o motor pediu água!

Campeonato ficou muito emocionante em todas as categorias. Vamos esperar as pistas velozes pra ver como se comportam as Ducati oficiais.

Muito legal a participação do Alexandre Barros que ajudou bastante a entender sobre ritmo, pneus, equipes etc. Não sabemos ainda se fará todas as etapas, mas super bem vindo ao time. Agora eu quero ver os reclamões do Facebook continuar chorando!

Veja os resultados no site oficial da MotoGP

titanico.jpg

O site oficial da MotoGP fez uma homenagem ao meu esforço e escreveu sobre a maratona Titânica!

 

 

publicado por motite às 16:34
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 20 de Julho de 2020

Os bastidores da segunda etapa do Mundial de Motovelocidade.

eric_b.jpg

Eric, Eric, Eric Granado do Brasiiiiiiiiiillll! Narrei uma vitória brasileira no Mundial!

Como foi a jornada da primeira etapa completa do mundial de Motovelocidade

Acordei atrasado! Simplesmente esqueci de colocar o despertador para 4:30 da manhã e quando despertei já era mais de 6:00 hrs! Mandei um whatsapp desesperado para o produtor da FoxSports que laconicamente me disse que eu tinha sido substituído por outro comentarista. Desesperado liguei a TV e realmente tinha outra pessoa comentando e eu estava definitiva e eternamente fora da Fox!

Felizmente isso foi um sonho, na verdade um pesadelo. Acordei desesperado, olhei no relógio e era 3:05. Nada daquilo tinha acontecido de fato. Voltei a dormir e acordei pontualmente às 4:25 com o despertador de verdade.

Toda véspera de um avento importante sempre me gerou pesadelos horríveis. Perdi a conta de quantas vezes sonhei que estava faltando um minuto pra largada e tinha esquecido o capacete em casa. Isso dá uma dimensão do tamanho da responsabilidade que me coloquei ao ser chamado para comentar as provas do mundial de motovelocidade. Foi uma overdose de adrenalina na primeira etapa três meses atrás e outra nesta madrugada. Assim como as corridas, espero que isso pare com o tempo, mas encharquei o pijama de suor!

Jornalistas, pilotos, campeões mundiais, médicos, advogados, engenheiros são pessoas normais como eu, você e a dona Maricota que mora no interior do Pernambuco. E pessoas normais tem os mesmos medos e expectativas. O medo de um comentarista ou narrador de eventos ao vivo é errar. Porque uma vez que a palavra sai da boca não tem mais como colocar de volta. Já saiu, ganhou a liberdade como um passarinho que fugiu da gaiola. Não tem volta. Já era.

Essa pressão mexe até com o mais experiente profissional de mídia eletrônica. Sou jornalista de mídia impressa há quase 40 anos. Impresso pode ser conferido, lido e revisado um zilhão de vezes, mas eletrônico ao vivo não. Temos de pensar, elaborar, editar um texto na nossas cabeças enquanto estamos falando. E quando o narrador chama “o que você acha, Tite Simões?”, o texto precisa estar revisado, relido, corrigido e editado antes de eu abrir a boca. E nunca sai como pensei!

Neste domingo, 19 de julho de 2020 fiquei das 5:00 às 10:00 diante de um monitor de notebook criando, editando, corrigindo e narrando pequenos textos para milhares de ouvintes. Só tenho uma coisa a pedir: desculpe se eu errei.

Eric_a.jpg

Eric Granado do Brasiiiiiiiil

Na transmissão da primeira etapa eu fui até o estúdio da FoxSports no Rio de Janeiro e fizemos de dentro de uma cabine, com equipamentos profissionais, diretor, produtor, tudo ali perto. Desta vez cada um estava na própria casa, usando os equipamentos caseiros e sujeitos a todo tipo de interferência caseira como campainha que toca, cachorro que late, vizinho que ouve Los Hermanos etc.

No sábado eu não pude comentar os treinos porque estava dando aula na ABTRANS. No final do dia fizemos uma reunião online para ajustar microfones, luz ambiente e coordenar as pautas. Nesta reunião o Téo José estava aborrecido porque estavam criticando demais as pronúncias dos nomes dos pilotos. Conheço o Téo há quase 40 anos. Trabalhamos juntos em várias ocasiões e sei do esforço que ele dedica nas transmissões. Não é do tipo de fazer piadinhas e é extremamente estudioso. Ele fez um trabalho apurado de pesquisar os 100 nomes dos quatro grids de largada para saber como era a pronúncia nas línguas de origem de cada um. Ele faz isso com futebol, basquete, vôlei, qualquer esporte que narra. Confesso que eu jamais teria essa paciência. Mas ele teve. Mesmo assim estava sendo criticado. Porque o público ficou 13 anos acostumado com outras pronúncias, sem se dar conta de saber quem estava certo ou errado.

Tentei contemporizar explicando que não tem como acertar a pronúncia de 100 nomes de diversos países. E olha que eu estudei alguns idiomas esquisitos na minha vida! Mesmo assim ele estava super chateado com as críticas. Por isso no domingo ele desabafou no ar sobre esse assunto.

O meu pesadelo quase se tornou realidade porque na manhã de sábado um caminhão baú passou na minha rua e arrancou os fios do poste. Os três: da luz, internet e TV a cabo!!! Isso é de enfartar qualquer cidadão. Felizmente foi só uma descarga de adrenalina a mais porque as três empresas vieram rapidamente e consertaram tudo. Mas eu perdi alguns meses de vida...

Domingo pontualmente às 5:00 da madrugada eu estava no ar junto com Edgard Mello Filho e Téo José Auad para a largada da categoria Moto-E com o Eric Granado largando na primeira posição. Eu sempre brinco com ele dizendo que “te conheço desde quando você era um heterozigoto” e é verdade! O pai dele já corria de moto no meu tempo de piloto e chegamos a dividir a pista em duas ou três ocasiões. Ver ele ali no grid de largada em primeiro mexeu com meus intestinos!

Depois da largada recebi uma mensagem do pessoal técnico que meu áudio estava ruim! Eu não tenho um microfone direcional e meu som estava muito “sujo”. Tive de sair correndo pela casa, com a corrida rolando, para achar pelo menos uns fones de ouvido. Achei mas perdi parte da corrida da Moto-E. Quando voltei o Eric já tinha mais de dois segundos de vantagem. No final da corrida tive de controlar a emoção. Na hora do Hino Nacional também deu aquele nó na garganta. Espero acostumar com isso, mas fico imaginando os narradores e comentaristas que tiveram de controlar a emoção diante das conquistas dos brasileiros em diversas categorias. Galvão Bueno está perdoado pelo éééé teeeeetra, éééééé teeeeetra!

A corrida todo mundo viu: Eric perdeu a liderança só nas primeiras curvas porque deixou a moto empinar na largada. Depois passou o Dominique Aergeter e sumiu. No intervalo entre a Moto3 e a Moto2 conseguimos entrevistar Eric ao vivo. Ele contou que na primeira volta lançada conseguiu ser um segundo mais rápido do que seu tempo da pole-position! Isso não é pra qualquer um e mostra que as corridas da Moto-E são 7 voltas de classificação pura! Que corrida!

AlbertArenas.png

Albert Arenas fez outra corrida totalmente sob controle. (Foto: MotoGP)

Na Moto3 tudo levava a crer que Albert Arenas não repetiria a vitória da primeira etapa no Qatar, porque estava cometendo muitos erros. Que nada, depois de quase se arrebentar ao sair da pista em plena reta, o espanhol focou no pelotão da frente e conseguiu ultrapassar na última volta. Que corrida e que vitória, a segunda consecutiva e que abriu uma larga vantagem sobre o segundo colocado na tabela geral. Nesta categoria vimos muitas quedas e é normal porque são tudo uns retardadinhos cheios de hormônios. Mas já era um indicativo que a pista de Jerez é bem traiçoeira.

Moto2 - Luca Marini: 'O meu sonho é correr na MotoGP com Valentino ...

O irmão do campeão: Luca Marini tem DNA de Valentino Rossi nas veias. (Foto: divulgação)

Na Moto2 eu já comecei pisando na bola ao elogiar o americano Joe Roberts. O desgraçado andou o tempo todo lá atrás e fez eu queimar a língua pela primeira vez ao vivo. Pelo jeito, aquela pole dele no Qatar foi o que se chama de voo de galinha: dura pouco!

O Edgard cantou a bola antes da largada ao sinalizar que o mais constante nos três dias de treinos tinha sido o Luca Marini, mezzo-fratelo do Valentino Rossi. Ele mandou na prova do começo ao fim e quando o Nagashima tentou chegar perto deu duas escorregadas de enfartar, acalmou e manteve a segunda posição. O que foi ótimo porque sai desta etapa líder tranquilo do campeonato.

&%$@#$**& Marquez!!!

Nunca fui muito de idolatrar piloto, nem ninguém na verdade. Mas tenho de admitir que Marc Marquez é tudo aquilo que se admira num piloto: é rápido, divertido, super simpático, ri o tempo todo e tem aquele plus a mais que só as grandes estrelas tem. Mas é doido! Se normal fosse, piloto não seria.

A pole do Quartararo não abalou nem surpreendeu ninguém. Todo mundo vai ouvir isso muitas vezes, mas a posição de largada na motovelocidade não é tão decisiva quanto no automobilismo ou kartismo. Por isso todos nós sabíamos que MM93 partiria para a liderança em pouco tempo. E foi assim, liderando o pelotão que ele exagerou e deu aquela desgarrada de frente que só não terminou em tombo porque Deus não quis. Revendo a cena várias vezes percebe-se que ele apoiou o cotovelo e o joelho esquerdos para trazer a moto de volta, coisa de sobrenatural. Perdeu várias posições, voltou em 16º na frente só do irmãozinho, a 8,5 segundos do primeiro colocado.

O que se viu nas 20 voltas seguintes só foi crível porque o mundo todo estava vendo: nunca vi um piloto baixar o tempo de volta ultrapassando outros pilotos. Ele se impôs um ritmo tão fora do normal que passou 13 pilotos como se fossem de uma categoria menor. Estava em terceiro lugar com o Maverick Viñales na mira quando passou com o pneu dianteiro na zebra interna e foi arremessado que nem um míssil Exocet. Caiu e foi atingido pela própria moto quebrando-lhe o braço direito.

Na hora que a câmera mostrou ele pedindo para o fiscal desafivelar o capacete já vi que era grave, mas fiquei na minha. Não queria ser o arauto da desgraça, mas mandei um recado pelo chat interno avisando que era caso de fratura, mas achei que era punho ou escafoide. Não deu outra, foi o úmero.

Quartararo.png

Quarta, El Diablo, venceu a primeira de muitas provas na MotoGP. (Foto: MotoGP)

Fabio Quartararo administrou a vantagem sobre Viñales e quem deu o pulo no gato nas últimas voltas foi Andrea Dovizioso arrancando um ótimo terceiro lugar, mesmo com o ombro recém operado.

Foi uma corridaça, que poderia ter entrado para a História se MM93 não tivesse caído. Mas... não existe “se” no mundo das corridas. Foi um erro (causado por outro erro) que vai custar caro porque foram 50 pontos jogados fora, na premissa de que venceria as duas etapas. Domingo que vem será mais emocionante ainda porque as equipes já sabem o que corrigir pra segunda etapa. Aposto nas Yamaha de novo porque a Ducati não vai bem nesta pista e a Suzuki ficou sem Alex Rins. Não sabemos se a Honda chamará alguém para pilotar a moto do Marc Marquez nesta segunda etapa. Agora era um bom momento para chamar Casey Stoner e ver como o australiano está pilotando.

Depois da bandeirada fomos informados que a transmissão seria encerrada às 10:05, quando eu e o Edgard faríamos os comentários finais. Mas para nossa surpresa entrou uma chamada antes e não pude agradecer três pessoas especiais que ajudaram na transmissão: Nenad Djordjevic (este sobrenome é difícil), Eduardo Minhoca Zampieri e Marco Granado.

Também queria dizer aos PENTELHOS de plantão que um cara que fica narrando QUATRO categorias seguidas ao vivo pode se permitir cometer erros. Fiquei puto ao ler alguns mega especialistas comentando que o Téo José falou "manete do acelerador". Porra, vamos cobinar que manete e manopla são palavras bem parecidas e o cara deve ter falado dois milhões de palavras nestas cinco horas, errar UMA está totalmente dentro das expecativas. Pelo menos ele não te chamou de pobre ao vivo ao comentar que sua televisão foi comprada nas Casas Bahia em 24 prestações, ou gritou pra você aumentar o volume e acordar a avó, como fazia o outro locutor...

Semana que vem tem mais, vamo que vamo!

publicado por motite às 19:43
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 17 de Julho de 2020

A incrível história da cruz na CG: Fake News!

cruznamoto_01.jpg

Cruz credo: tem uma cruz dentro da minha moto!

Fake News do além: A mais bizarra fake News envolvendo motos

Uma noite escura e chuvosa em Manaus. Raios iluminam a enfermaria de um hospital onde um homem delira em febre. Ele balbucia palavras desconexas, sem sentido, tais como “minha culpa”, “vendi minha alma”, “tirem a cruz invertida da CG”. Enfermeiros aplicam morfina, vitamina, gasolina e nada adianta. O homem só acalma quando mostram uma pequena peça de plástico, como se fosse uma cruz apoiada num pedestal. Ele a segura nas mãos e suspira: “consegui, aumentei as vendas da CG”...

Claro que essa estória é mentira. Mas eu não inventei! Não sou tão criativo assim. Esse é o primeiro parágrafo de uma crônica que comecei a escrever uns anos atrás e teve como inspiração uma das maiores e delirantes fake news envolvendo motos: A MALDIÇÃO DA CRUZ DA CG!

O caso ficou famoso no Brasil inteiro por volta de 2006 e tudo porque algum lesado da cabeça ao desmontar o farol da Honda CG Titan 150 encontrou uma peça (batizada oficialmente de Clamp H25) que tinha a função de manter o chicote elétrico alinhado e facilitar a montagem da moto na linha de produção. Como a mente do cidadão brasileiro desocupado viaja mais que representante comercial, logo apareceu um maluco creditando a peça a um pacto sinistro com o demonho!

cruzdacg.jpg

Neste época eu era editor do site Motonline e a parte mais divertida era responder carta dos leitores. Quando assumi a edição, o Motonline tinha cerca de 500 visitas/dia e era só uma espécie de experiência do meu grande amigo Ryo Harada, que foi um dos primeiros a acreditar na Web. Ele ocupava os espaços com notícias sobre o mercado, dando um grande suporte aos fabricantes e à Abraciclo.

Quando deixei a redação da Revista MOTO! o Harada me chamou pra incrementar o conteúdo com alguns testes. Mais do que isso, inventei um personagem, o Doctor Tite (eu ainda assinava como Geraldo Simões), um velho italiano ranzinza (bem eu mesmo) que não tinha a menor paciência pra responder cartas, mas respondia!

Era um festival de patadas e o mais estranho é que os leitores adoraram! Alguns mandavam mensagens bem esdrúxulas só pra serem sacaneados. E o inesperado aconteceu: foi um tremendo sucesso! As visitas foram crescendo, crescendo e lembro que comemoramos a cifra de 1.500 visitas num dia! Daí em diante todo mundo viu o resultado: em pouco tempo o Motonline se tornou o mais importante site de conteúdos sobre motocicleta do mercado.

A vida me conduziu para outros caminhos, mas ficou a lembrança dessa fase super divertida de falar diretamente com os leitores, o que na mídia impressa era muito mais complicado. E o mais engraçado foi a aceitação desse personagem ranzinza Doctor Tite, título esse que nunca mais me livrei, e nem quero!

EXEMPLOSDECRUZ.png

Melhor explicação sobre diferentes tipos de cruzes.

O pacto sinistro

Foi justamente nesse período que surgiu o papo maluco da cruz na CG. No começo não demos muita bola, mas foi ganhando vulto porque tinha componentes muito atraentes a algumas pessoas: religião, mistério e satanismo!

 

A história original era pra lá de sinistra, mal redigida, cheia de lacunas, mas dizia algo como um técnico brasileiro especializado em mecatrônica foi trabalhar na Honda do Japão, onde fez engenharia na universidade Goiake Kadani. O nipo-brasileiro sonhou que uma santa chegava nele com um papo pra lá de sinistro. Leia a íntegra (preservei o texto original cheio de erros e sem pontuação):

“em dezembro de 2004 tive um sonho que aparecia uma santa dizendo pra mim procurar um centro espírita pois ela tinha uma mensagem importante para me dizer, sem acreditar muito nessas coisas pois eu sempre fui budista, eu fui a um centro, foi muito difícil encontrar um mas consegui, chegando lá falei de todos os meus problemas, e fui atendido em uma sexta-feira a meia noite, recebi uma proposta de mudança de vida, de dois exus, e aceitei mesmo sem acreditar muito nisso, fiz um pacto de sangue, onde são cortados os dois dedos mínimos e oferecidos com sangue de animais sagrados para os exus, eu também tive que tomar e fizeram em minha testa uma cruz de ponta cabeça com sangue, todo o ritual foi assistido por imagens e pessoas que faziam parte daquela comunidade espírita. Do ano ainda em 2004 recebi uma visita dos exus, eles pediam algo em troca por tudo o que ele haviam me dado inclusive o sucesso e a fama da moto, eles pediram a mim que antes do inicio da fabricação das TITANS 2005 eu deveria fazer uma peça cujo o desenho eles iriam me mostrar e se eu Aceitasse as motos iria vender cada vez mais e mais, com muita ganância eu aceitei sem ver o desenho da peça, pois eu já confiava neles, então me mostraram uma cruz no calvário e pediram para eu fizesse esta peça o mais parecido com a imagem que eu havia visto e que eu colocasse a cruz de ponta cabeça em algum lugar da moto, escondido mas tinha que ser uma peça que não tivesse serventia para nada, como as vendas estavam indo muito bem”

A coisa era tão delirante que misturava diferentes religiões, sem qualquer vestígio de sanidade. E o incrível aconteceu: essa obra de ficção viralizou e aí sim transformou a vida dos mecânicos num verdadeiro inferno. Recebi fotos de caixas e caixas desta pecinha retiradas das motos. Os mecânicos tinham de agendar para atender a retirada da maldita cruz. Logo começaram a faturar e pregar cartazes na porta com a mensagem “livramos sua moto da maldição da cruz por apenas R$ 50,00”.

O brasileiro precisa mesmo ser estudado!

A tal cruz invertida nada mais era do que um organizador do chicote, mas isso mexeu com a imaginação das pessoas de pouca inteligência a ponto de a Honda ter de mudar o desenho da peça e ainda soltar um comunicado afirmando que não havia pacto demoníaco nenhum. Eu fico só imaginando a reunião para elaborar esse texto!!!

demonho.png

O demonho bem que avisou!

Lendo esse texto hoje, o caso da cruz da CG parece uma comédia, mas naquela época fake news ainda era novidade e o povo acreditava em qualquer texto minimamente convincente publicado na séria internet. Pior era ler textos envolvendo temas como manutenção e pilotagem com a mesma capacidade fictícia, mas compartilhados como se fossem verdades absolutas.

Esse assunto foi parar nas mídias “de verdade”, causou estragos na vida de muita gente e mostrou o quão perigosa é a manipulação de informação. Ouvi relatos de mecânicos que falavam até de ameaças de divórcio se o marido não tirasse a cruz invertida de dentro do farol. Donos de concessionários Honda foram hostilizados nas igrejas, ameaçados de linchamento e o diab... ops, e mais um monte de coisa ruim. Houve filas e tumultos nas portas de igrejas em busca de benção para as CGs "encapetadas". 

Mas pensa que acabou?

Pneu encapetado

Quando todo mundo achava que a cruz da CG já tinha ficado no passado veio o mundo mostrar que nada é tão ruim que não possa piorar e foi a vez de a Pirelli sofrer as consequências de uma civilização cada vez mais imbecilizada. Desta vez a vítima foram os pneus batizados de City Demon! Pronto, lá vem demonho de novo.

Desde o finalzinho dos anos 90 a Pirelli lançou alguns pneus batizados como nomes como Diablo e Demon. Nada a ver com o tinhoso, mas na gíria inglesa “demon” tem a ver com habilidoso, corajoso, tipo “o cara é um demônio nas pistas”. O mesmo vale para Diablo em espanhol. Mas... o poder das fake news falou mais alto e surgiu – de novo! – um texto atribuindo os nomes Demon e Diablo a pactos sinistros. Curioso é que esses pneus são vendidos no mundo todo e apenas aqui no Brasil cismaram com isso!

Pneu 90/90-18 57p City Demon Pirelli Cg 125 150 Flash125 150 - R ...

A caça às bruxas chegou também nos pneus.

Mais uma vez uma empresa séria teve de publicar uma nota afirmando que os nomes Demon e Diablo não tinham qualquer conotação anti-religiosa, que nenhum engenheiro formado na Università del Bugiardo Incazzato de Milano fez pacto com o demonho e que vão bater uma laje, ao invés de encher a cabeça com essas paranoias! E novamente fico tentando imaginar a reunião de gestão de crise para decidir o que fazer! Queria estar lá!

banner_300x300px_angel-GT-ll.jpg

Angel GT, pneu do bem!

Não se sabe se motivado por essa turba de anencéfalos, ou coincidência, os novos – e ótimos, por sinal – pneus que a Pirelli lançou para motos touring recebeu o nome de Angel GT! Quero ver alguém criar uma história falsa para um produto com nome tão “bonzinho”!!!

 

publicado por motite às 17:51
link | comentar | ver comentários (2) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.Procura aqui

.Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
22
23
25
26
27
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Não Vale! Como foi o GP d...

. VerXátil: como é a Honda ...

. Mundial de Motovelocidade...

. Grande Prêmio de San Mari...

. Primeiro, primeiro e prim...

. Sustos e emoção no GP da ...

. Primeirão

. Fraternidade esportiva: a...

. Maratona Titânica: os bas...

. Os bastidores da segunda ...

.arquivos

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Julho 2019

. Junho 2019

. Março 2019

. Junho 2018

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds