Segunda-feira, 9 de Abril de 2018

Tudo que você queria saber sobre BMW G 310GS

G310_abre.jpg

Bonita, bem acabada e estilosa: não tem como não gostar.

O que povo quer saber sobre a BMW G 310GS

Um jeito diferente de avaliar uma moto...

Sim, eu decidi mudar! Cansei daquele texto chato e modorrento sobre avaliação de produto. Hoje em dia ninguém tem mais saco de ler mais do que 140 caracteres, imagina 8.500! Além disso, o mundo atual quer VER e poucos ainda gostam de LER. Eu mesmo procuro por vídeos no YouTube quando preciso informação porque esse papo de ler letrinhas só consigo mesmo quando é livro… e bem escrito!

Portanto, fiz uma enquete no Facebook e, com ajuda dos leitores, reuni as perguntas mais significativas sobre essa BMW que usa o mesmo motor da G 310R (Leia AQUI) só que o resultado é uma moto mais envolvente, confortável e agradável de pilotar do que a irmãzinha naked. Antes devo esclarecer que rodei bem mais com essa moto do que com a 310R, inclusive no trânsito cagado de São Paulo, por estradinhas cheias de curvas e até um discreto off-road. No futuro espero pegar essa moto de novo e descascar o sabugo na pobrezinha. Vamos às perguntas:

G310GS_2.jpg

Pilotei mais no asfalto, mas enfrentou bem o terreno de terra. (Foto: Celso Miranda)

- Qual o preço?

Foi a primeira pergunta de todas (ê povo duro!). Este modelo na versão única custa R$ 24.900 (posto SP)

- Conforto e nível de vibração?

Esta é uma resposta mais complicada e longa, porque é quase todo o teste. Essa moto é muito confortável; tem banco largo e envolvente, com três opções de altura do solo: na verdade o banco original fica a 835 mm do solo, mas tem a opção de pedir bancos com 820 ou 850 mm. Do jeito que sai da fábrica eu consegui me posicionar muito bem com meus 1,68m de puro músculo.

Graças à suspensão de curso longo e à posição de pilotagem, é uma moto que pode-se rodar por muitos kms sem sofrimento. As pedaleiras não são tão recuadas como nas motos japonesas e isso permite que pessoas altas possam pilotar por horas seguidas e até rodar tranqüilamente nas cidades. Resumindo, sim é muito confortável!

Nível de vibração? Não existem milagres na mecânica, por isso todo motor de um cilindro sempre terá alto nível de vibração. Porém, no caso de GSzinha até me surpreendi positivamente. Enquanto a Versys apresenta 7.500 RPM a 100 km/h e 9.500 RPM a 120 km/h, na G 310GS as rotações são  6.000 para 100 km/h e 8.000 RPM para 120 km/h. A diferença é que a Kawasaki fica "pedindo" marcha o tempo todo e a BMW é mais tranqüila.

- Pode ser comparada com a Honda XRE 300?

Não, nem a pau! a única semelhança entre elas é a capacidade volumétrica (cilindrada) parecida. De resto não tem nada a ser comparado.

- A manutenção é cara?

Olha, precisa entender uma regra universal do comércio & indústria: escala grande = preços baixos; escala pequena = preços altos. Não existe milagre nesse aspecto. Uma marca produz 120.000 unidades/ano de uma moto e outra produz 6.000/ano. Não dá para elas terem o mesmo preço de peça de reposição, seja lá qual for o produto. Serve pra moto, computador, aspirador de pó, raquetes de tênis, qualquer coisa fabricada em larga escala obedece esse critério. Então se liga porque as peças são mais caras, se comparadas com as motos fabricadas ali em Manaus. Agora, se comparar com as outras 300 premium (Kawasaki e Yamaha) aí fica tudo equilibrado. Mas fui pesquisar o custo das revisões junto à própria BMW que respondeu da seguinte forma, abre aspas: O custo de manutenção da BMW G 310 GS é um dos menores do segmento de motocicletas equipadas com motores na faixa de 300 cm³ (n.d.r. da categoria premium), levando em consideração todas as revisões previstas até 40.000 quilômetros rodados. A GS urbana da BMW Motorrad também é o modelo que requer menos visitas ao concessionário pois adota intervalos de manutenção de 10.000 km como padrão. A primeira, a segunda e a quarta revisões têm preço fixo sugerido de R$ 375, enquanto a terceira e a quinta custam R$ 665. Somando-se todas as manutenções, elas totalizam R$ 2.455. Ou seja, o gasto do proprietário com serviços de manutenção é de impressionantes R$ 0,061 por quilômetro rodado; fecha aspas.

G310GS_4.jpg

Painel super completo!  

- Qualidade da suspensão na trilha, a sensação de peso e esterça bem?

Rodei só um pequeno trecho na terra, mas a suspensão é muito bem calibrada para a missão on-off. Cá pra nós: no fora de estrada o que conta e representa 90% do sucesso, é a qualidade do(a) PILOTO(A). Pode ser a melhor off-road do mundo, se o cabra for um pereba não adianta nada. Agora um bom piloto em uma moto mahomenos deita e rola. Cansei de ver os cabras de Hondinha POP passando em areião e os off-roaders Nutella se escorneando todo. Sim, esterça muito bem e isso me chamou a atenção de cara, porque a versão peladona não esterça nada e isso me irrita profundamente. Na cidade isso é ótimo, porque dá pra costurar mais que motoboy. O que ajuda muito nessa versão GS é o guidão bem dimensionado. Eu aumentaria uns 2 cm de altura apenas, mas por pura frescura. Essa GSzinha pesa 169 kg em ordem de marcha. Mas quando começa a rodar parece bem mais leve. É bem fácil de pilotar e de se apaixonar.

G310GS_7.jpg

Mesmo com pneus mais ON do que OFF, ela se saiu bem na terra. 

- O aro dianteiro de 19 polegadas a torna realmente mais versátil? Ela tem o DNA das GS maiores, ou é só marketing para permitir a entrada de novos consumidores da marca?

Começando pelo aro. Confesso que assim que bati os zóios nas rodas deu uma broxada de leve. Mas as rodas são bonitas, parecem duas estrelas. Elas são pintadas de preto fosco, mas certamente vão aparecer algumas laranjas, vermelhas etc. Eu peguei a moto branca, mas admito que a vermelha é mais bonita e a preta é um horror! Já faz tempo que considero a opção de roda menor com pneu sem câmera muito mais eficiente do que roda maior com pneu tube type. Pneu sem câmera é sempre mais seguro, porque esvazia devagar e é bem mais fácil de consertar. Minhas duas últimas motos tinham aro dianteiro de 19" com pneu tubeless. Acho sim bem mais versátil do que o aro 21 polegadas que é muito bom na terra, mas não passa muita segurança no asfalto em alta velocidade. Os pneus são Metzeler concebidos para 80% ON e acredite: pode deitar à vontade nas curvas que eles grudam!

Quanto ao DNA tem sim. Aliás, preciso admitir que achei esse motor muito mais bem casado com a GS do que com a naked. Outra coisa que gostei bastante é o porte de moto aventureira de fato. Já estou até planejando o teste exclusivo off, se a minha coluna permitir. É o tipo de moto muito versátil: roda bem na cidade, é confortável na estrada e encara um off na boa.

G310GS_6.jpg

Freios com ABS, pode desligar na roda traseira. 

- Qual a velocidade final dela?

Não entendo muito essa fissura com a velocidade máxima de moto e carro. Ninguém roda o tempo todo na velocidade máxima, porque a vibração arrancaria todas as obturações dos dentes. É o tipo de informação que só serve pra gente à toa discutir nas redes sociais. Mas vá lá: eu não faço teste de vel.max. porque não me sinto seguro em local público, por isso entrei em vários sites gringos que deram entre 140 e 145 km/h de máxima. Eu acho ótimo, porque hoje o desempenho é muito sacrificado em nome das emissões de poluentes e ruídos. Para um motor de 34 CV está de bom tamanho. Na estrada ela mantém 120 km/h de boas, mas a 110 km/h e bem mais confortável.

- Qual o índice de roubo?

Bom, essa pergunta deveria ser feita ao secretário de Segurança de SP. Mas tendo as três letras mágicas: BMW, a chance de mudar de mãos sem consentimento do dono é muito grande. Sugiro fazer seguro ou contratar rastreador.

bm_5.jpg

Pode deitar na boa no asfalto que os pneus agarram bem. (Foto: Celso Miranda) 

- E o nível skatabilidade?

É alta! principalmente por causa do grande bagageiro. Assim que pegar para um teste maior vou avaliar o quesito skatabilidade com mais critério.

- O motor esquenta muito como nas outras BMW?

Não, um dos destaques dessa moto é o motor invertido. O escapamento sai para trás do cilindro e a alimentação vem da frente. Essa tecnologia permite manter o calor do escapamento longe do radiador (que é enorme) e evita o desconforto causado pelo calor do motor na perna do piloto e garupa.

- Como ela fica diante da Honda CB 500X?

Um bom questionamento, porque em termos de preço estão bem próximas, apenas R$ 1.000 a mais na CB. Porém um motor de 500, dois cilindros, é mais confortável especialmente para estrada. Em termos de dimensões a Honda é um pouco maior e mais pesada (11 kg a mais). Sinceramente, quem escolher a BMW será pelo apelo das três letras, ou pelas dimensões menores, porque em termos de produto a CB 500X é mais interessante. Quanto ao desempenho no fora de estrada volto a insistir: o piloto representa a maior parte do sucesso no off road.

G310GS_5.jpg

Comandos "normais" com a buzina embaixo do acionamento dos piscas. 

- Qual consumo e autonomia?

O consumo médio na estrada é de 25 km/litro e o tanque comporta 12 litros. Uma conta simples revela uma autonomia de 300 km, suficiente para viagens longas.

- Grau de confiabilidade?

Hoje em dia não existe essa coisa de "moto que quebra", só se o dono for muito relaxado ou azarado. Todo processo construtivo é moderno e a tecnologia BMW serve como cartão de visitas. Mas… como já revelei várias vezes coisas mecânicas são passíveis de quebras ou defeitos. É da natureza mecânica! Não vejo problema de contabilidade, muito menos deve ser desprezada por ser fabricada na Índia e montada no Brasil. Hoje até iPhone é fabricado na China e ninguém reclama! Eu viajaria com ela tranqüilamente para o Alaska. Aliás, não dá idéia!

- Como ficou seu (meu) traseiro depois de uma viagem de 500 km?

Não rodei tanto assim, mas pretendo! Acho que rodei quase 150 km e meu traseiro continuou igual: achatado, peludo e cheio de pereba. O banco é bem confortável tanto para quem pilota quanto para quem vai na garupa.

BM_01.jpg

Sim, tem DNA das grandes BMW GS aventureiras. (Foto: Celso Miranda) 

- É fabricada no Brasil?

Aqui é uma questão complexa. No meu ponto de vista, fábrica é aquele lugar que entra matéria prima de um lado e sai produto acabado de outro. Mas pelas regras da Zona Franca de Manaus, se as peças vierem isoladas e a moto for montada em Manaus, então ela foi fabricada em Manaus. Pelo material que vi da imprensa estrangeira, todos citam textualmente que a G 310GS é fabricada na Índia e destinada ao mercado asiático e brasileiro. Cada um pode interpretar como quiser. Pra mim será sempre "montada em Manaus", jamais fabricada em Manaus.

- Qual valor do seguro

Boa pergunta. Tão boa que pode fazer lá pro seu corretor de seguros.

- Já está à venda?
Sim, nas 41 concessionárias espalhadas pelo Brasil.
- O motor é Rotax?
Não, a BMW não usa mais nenhuma moto com motor Rotax. Mesmo a G 650GS já estava saindo com motor BMW. O motor foi projetado e desenvolvido pela BMW e é fabricado pela TVS na Índia.
- Se rodar a 130 km/h por mais de 30 minutos as mãos ficam adormecidas?
Essa pergunta já foi respondida na parte da vibração e conforto, mas a título de curiosidade, se rodar a 130 km/h com qualquer moto 300cc por mais de 30 minutos o seu corpo todo ficará tão adormecido que poderá fazer uma cirurgia sem anestesia.

- Qual o IPM?

Olha, o charme das três letras já garante um IPM alto. Mas além disso é uma moto confortável, muito bonita e moderna. Diria que o IPM está na faixa de 9,0 naquela escala de 0 a 10.

 

fictec.jpg

 

 

 

publicado por motite às 18:43
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.Procura aqui

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Motociclista, esse esquec...

. Salão no Rio em nova data

. Tudo que você queria sabe...

. Quem experimenta pede Biz

. Salão da recuperação

. Viajar de moto é tudo de ...

. Honda Day: as novas CB 65...

. Prazer em encolher: Ducat...

. Linha 2018 Honda chega co...

. Vide Versinha

.arquivos

. Abril 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds