Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2015

Vida corrida- a última corrida - parte 3

RS 125.jpg

A Honda RS 125 foi a única moto verdadeiramente de corrida que pilotei na vida

Mais um capítulo da série Vida Corrida, se você perdeu as duas primeiras partes, clique AQUI e AQUI

Último!

A paixão por carros e motos de corrida só foi aumentando a ponto de aos 10 anos de idade eu já não me concentrar em mais nada. O nível de loucura era tanta que eu e meu irmão mais velho íamos de bicicleta, assistir corridas, mas sem grana pra pagar o jeito era pular o muro. Escondíamos as bicicletas num matagal e pulávamos o muro pelo kartódromo. Uma vez meu irmão pulou o muro e ficou tudo em silêncio. Chamei e nada. De repente ele apareceu em cima do muro, branco e gritou:

- Cooorre que a cavalaria me viu!

Sim, naquela época o policiamento era feito a cavalo. E eles tinham fama de bravos. Os policiais e os cavalos.

Depois ganhei a companhia do meu primo e parceiro de doença Irineu. A gente matava aula, ia para Interlagos durante a semana pra procurar pedaços de carros de corrida. Se tinha adesivo legal eu pegava, se não tinha deixava lá. O autódromo nos anos 70, antes da F-1 era enorme, tinha barrancos, abismos, nascentes e a gente andava ele o dia inteiro a pé. Enquanto nossas mães achavam que estávamos na escola... imagine isso hoje em dia, nossas fotos apareceriam no Facebook como "desaparecidos".

Passados 29 anos eu estava de novo andando em Interlagos. Mas em uma moto de corrida.

Aquela era a minha terceira temporada na categoria 125 Especial. A primeira, em 1997 foi de aprendizado porque fiz apenas algumas etapas graças a uma ajuda inesperada. O velho amigo Alemão ofereceu para correr na moto dele e foi totalmente sincero:
- Prefiro patrocinar um jornalista que chega em último a um piloto de verdade que chega em terceiro. Pelo menos sei que a foto vai sair na revista!

Suzukona.jpg

O status de piloto de teste e jornalista facilitava para conseguir algumas ajudas.

Juro que não fiquei ofendido pelo "piloto de verdade", mas aproveitei para terminar as provas de 1997, já animado para correr na temporada seguinte. Nesse período tive outra ajuda do destino: fui convidado para fazer o curso de pilotagem do americano Freddie Spencer, tricampeão mundial, em Las Vegas, EUA. Logo no primeiro dia de aula descobri que eu estava fazendo tudo errado a vida toda e no final do curso o Spencer bateu no meu ombri e comentou que eu tinha evoluído muito. Ahá, me aguardem adversários!

No campeonato de 1998 consegui melhorar bem, só que os outros também melhoravam...

Só que após três anos disputando o campeonato brasileiro de motovelocidade, aos 39 anos de idade eu estava bem cansado. Não de correr, mas dos preparativos. O ritual começava com a compra da gasolina no aeroclube, busca dos pneus, passar na oficina, deixar tudo lá, ver se precisava mais alguma coisa (e sempre precisava), buscar peça, levar peça, negociar patrocínio, mandar foto para a imprensa, comprar óleo, passar na academia, malhar, correr a pé, de bicicleta, fazer iôga, alongamento, fazer regime e tudo isso enquanto eu trabalhava como jornalista.

Para essa última etapa tive mais uma ajuda de um grande amigo: o jornalista Luiz Alberto Pandini decidiu que seria meu assessor de imprensa, afinal eu poderia me tornar campeão brasileiro. Um jornalista campeão era algo novo no meio. Tinha de ser divulgado por um profissional.

Tite_Spencer.jpg

 Meu professor, Freddie Spencer (à direita): lição pra toda a vida.

Nunca tive dificuldade para dormir antes de qualquer corrida e essa não foi diferente, apesar de eu ser o líder do campeonato, com três pontos de vantagem sobre o segundo colocado. Acordei no sábado, fui para Interlagos com tudo planejado: era só repetir o treino que fiz durante a semana que me daria muito bem. Mas nossa estratégia era esconder o jogo no primeiro treino e só mostrar as cartas no treino de classificação.

Saí com pneus gastos só pra cumprir o script da nossa estratégia. Mas na metade do treino decidi dar uma volta rápida para ter uma base de tempo e senti que algo não estava bem. O motor não crescia limpo, e na volta seguinte quando vi a placa no meu box mostrando o tempo de 1min59seg entrei em pânico. Dei mais uma volta forçando ainda mais o ritmo e o tempo se manteve igual.

Parei nos boxes e começamos a desmontar o motor tentando descobrir onde estava o problema. Chegou o treino de classificação, montamos pneus novos e saí. Um horror! Melhorou meio segundo e ao final do treino eu estava em último lugar no grid. Último! E eu precisava chegar entre os três primeiros!!!

Decidimos trocar o motor, afinal eu tinha um motor reserva. Só que isso levaria a noite toda e acabaria com minha chance de uma noite de sono. Foi quando novamente os amigos apareceram. Um dos melhores preparadores do Brasil, Milton Benite, o Pressão, virou pra mim e falou:

- Vai pra casa, descansa que amanhã sua moto vai estar pronta! Vai embora!

E praticamente me enxotou do box. No dia seguinte eu não poderia imaginar o que estava me esperando.

publicado por motite às 10:12
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.Procura aqui

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Salão da recuperação

. Viajar de moto é tudo de ...

. Honda Day: as novas CB 65...

. Prazer em encolher: Ducat...

. Linha 2018 Honda chega co...

. Vide Versinha

. Comprei um capacete!

. Indian Motorcycle comemor...

. É uma BMW! Teste da BMW G...

. Parque de diversões, um d...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds