Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2016

Educação de trânsito nas escolas? Não, obrigado

aulateorica.jpg

Adultos aprendem e ensinam as suas crianças. (Foto: Mario Bock)

Porque sou contra ensino de trânsito para crianças

Primeiro porque precisamos parar de uma vez por todas de acreditar que escola substitui a família. Que me desculpem os pais preguiçosos, “ocupados” ou negligentes, mas quem deve dar educação para os jovens é a família – e entenda por família qualquer composição entre adultos responsáveis e crianças. A escola deve dar formação, ENSINO e eventualmente educação formal em sociedade. Mas um ser social bem educado é formado pelo núcleo familiar.

Esqueça o trânsito, esse amontoado de veículos, dirigido por pessoas que deveriam respeitar leis e regras de convício social. Esquece isso. Pense na sociedade sem carros. Pense na sua casa, ou no condomínio onde vive. Foi preciso que alguém de fora da sua família entrasse em sua casa para dizer aos seus filhos que eles precisam lavar as mãos antes das refeições? Foi preciso pedir para um vizinho explicar aos seus filhos que ele tem de arrumar o quarto? Ou ele aprendeu tudo dentro de casa?

Esqueça ainda o trânsito e pense na escola. Naquela escola tradicional, ou mesmo a “experimental”, moderna. Pense nas disciplinas que os jovens precisam estudar: matemática, história, geografia, física, química, biologia, língua portuguesa, literatura, educação física, artes, língua estrangeira etc. Alguém acha sinceramente que hoje em dia, com a dificuldades naturais de ministrar o currículo atual, caberia introduzir mais uma disciplina como trânsito? Sem falar que existem projetos para introduzir também outras disciplinas como “educação sexual” (que, na verdade, dever-se-ia chamar “higiene e saúde”).

abtrans1.jpg

Os cursos de pilotagem funcionam como pós-graduação dos CFCs. 

Continue esquecendo do trânsito. Pense no futuro da mobilidade urbana, com valorização e ampliação do transporte público, com o desinteresse cada vez maior dos jovens em usar veículos motorizados, com a condenação dos veículos movidos a combustão e no novo desenho que as cidades deverão ganhar com a racionalidade do transporte público. Talvez a disciplina “educação de trânsito” seja uma no nata, que pode morrer antes mesmo de nascer.

Agora sim, pense no trânsito como ele é. Qual deveria ser a principal preocupação das autoridades de trânsito? Essa resposta é fácil: reduzir o número de vítimas de acidentes. Mas esta não é nem de longe a principal preocupação, senão já teríamos ações efetivas nesse sentido. O grande – para não dizer o ÚNICO – interesse das autoridades que gerenciam o trânsito (incluindo a categoria política) não é reduzir o número de vítimas e acidentes, mas sim se aproveitar da PUBLICIDADE gerada pela redução de vítimas.

Basta ver como agiram o governador e o prefeito de São Paulo. Ambos anunciaram as grandes conquistas obtidas na redução de vítimas de trânsito, destacando a redução da velocidade nas principais avenidas da capital. E só!

palestra_abtrans.jpg

Palestras educativas em empresas é uma forma de espalhar o conceito de segurança. 

O departamento de comunicação do Detran-SP envia press-releases quase diários contabilizando as blitzes de Lei Seca e eventualmente os flagrantes em auto-escolas que fraudam exames e vendem habilitações. É o departamento de trânsito fazendo a publicidade. Mas os motoristas continuam se envolvendo em acidentes. Porque só a redução de velocidade não resolve, como já escrevi (e vários colegas).

Só a título de exemplo, já contei aqui mesmo a história do especialista espanhol que veio a São Paulo contar como a Espanha conseguiu reduzir em mais de 50% o número de vítimas de acidentes de trânsito. Foram tomadas 440 medidas que resultaram em um compêndio de mais de 1.000 páginas. Entre as mudanças propostas – e realizadas – estavam: mudança no sistema viário, pavimentação, mudança profunda no sistema de habilitação, redução da velocidade am algumas vias etc.

Aí, voltamos para São Paulo do século 21 e vemos que a tentativa (e consequente publicidade) para reduzir vítima de trânsito se resumiu a UMA medida: reduzir a velocidade nas vias. As outras 399 propostas que fiquem engavetadas, porque dão trabalho e custam caro.

Por tudo isso acho realmente infantil querer introduzir a disciplina “educação de trânsito” nas escolas como forma de criar futuros motoristas melhores. A preocupação número 1 dos educadores em geral é formar cidadãos melhores, que automaticamente serão motoristas melhores, pedestres melhores, ciclistas melhores e até motoristas de frota mais bem educados.

É isso que muda o comportamento de uma sociedade: empenhar-se ao máximo em formar cidadãos mais bem educados socialmente e todo resto vem na carona. Mas olhe em volta, repare nas frases escritas nos vidros dos carros, do tipo “Deus deu a vida para que cada um cuide da sua” e pense se o que precisamos é realmente de ensino de trânsito?

A educação de trânsito já existe, pelo menos no papel. Trata-se das auto e moto escolas. Se elas são chamadas de “escola”, em seu currículo deveria ter um enorme espaço para educação e cidadania. Mas quem se atreve a dizer que os CFCs hoje são capazes de formar cidadãos educados socialmente? Todo mundo sabe que ministro aulas de pilotagem de moto há três décadas. Semanalmente recebo alunos já habilitados que jamais teriam capacidade de enfrentar o trânsito de São Paulo, no entanto eles foram habilitados. Que escola é essa?

Sinceramente, não acho que devam ensinar trânsito para as crianças, porque o que vai contribuir muito para uma sociedade mais equilibrada e educada é espalhar o conceito de CIDADANIA! Mostrar para as pessoas que sim, Deus deu a vida, mas não para que cada um cuide apenas da sua, mas também zele pela a dos outros à sua volta.

 

publicado por motite às 21:06
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Chrystian a 22 de Dezembro de 2016 às 02:01
No máximo ensinar os direitos e deveres que possuimos como pedestres, mas a educação no trânsito é ensinada, CFCs e o livro que entregam fala tudo que voce tem que fazer, acontece que os que vão para lá sem educação estão pouco se lixando pro conteúdo, eles querem a carta, aprender adirigir/pilotar é consequência.

As aulas da carta B, ao menos na experiência que tive em minha auto escola, foi muito bom, simulador para eu ter um primeiro contato menos traumático, professores profissas que não deixavam escapar nada, e realmente dirigi o carro pela cidade, peguei marginal, digo com orgulho que sai de lá habilitado para dirigir corretamente.

Agora as "aulas" de moto no ibirapuera...aquilo é um desastre, e todos sabemos como melhorar.

No geral, deveriam melhorar o processo de habilitação como um todo, por vezes ele é muito demorado e contra mão, falta ensinar( vendo de perto) alguns procedimentos básicos com o veículo(troca de pneu, verificar fluidos) e outros.

Coisa que deviam melhorar mesmo é o ensino publica, não colocar uma matéria de trânsito (eu comecei a rir aqui imaginando a garotada cabulando), pois como sabemos, isso melhora sim melhora o país, pode até tomar algumas gerações, mas sabemos que estás gerações futuras vão dar a educação em casa para os seus filhos.

Bem, é isso que penso, parebens pelo blog e fui-me!

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.Procura aqui

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Salão da recuperação

. Viajar de moto é tudo de ...

. Honda Day: as novas CB 65...

. Prazer em encolher: Ducat...

. Linha 2018 Honda chega co...

. Vide Versinha

. Comprei um capacete!

. Indian Motorcycle comemor...

. É uma BMW! Teste da BMW G...

. Parque de diversões, um d...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds