Quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

A seca e o trânsito

seca.jpg

 

Um exemplo de cidadania que pode chegar às ruas

 

Desde que me conheço por gente nossa família trata a água como um bem valioso. Meu avô italiano dizia, 50 anos atrás, que "vai chegar o dia em que se pagará mais pela água do que pela gasolina". Era um visionário! Por isso ele educou os filhos (e filhas) a usar a água com critério. Essa educação foi transmitida por gerações e lembro da minha mãe recolhendo a água usada da máquina de lavar roupa para lavar o chão e ainda explicava "ela já vem com sabão!".

 

Desde 2012 São Paulo começou a enfrentar uma onda de calor e seca sem precedentes na história da cidade. Mas só nos últimos meses vejo os paulistanos agindo como ensinava meu avô meio século atrás. Vejo carros sujos circulando pelas ruas e finalmente desapareceram as "vassouras hidráulicas", aquela mania típica paulistana de varrer a calçada com água!

 

Para chegarmos nessa mudança de hábito foi preciso sentir o desespero da falta d'água. Com as reservas chegando - literalmente - no fundo do poço, a população percebeu que não dá mais pra agir como se tivéssemos um Amazonas em cada Estado.

 

É disso que precisamos para reduzir os números de vítimas de trânsito: uma mudança no COMPORTAMENTO. Já escrevi centenas de vezes que o trânsito não é feito de veículos, mas de PESSOAS que conduzem veículos. Enquanto o material humano não mudar não haverá qualquer tipo de campanha que trará resultados efetivos.

 

A partir de 1 de novembro os valores das multas serão novamente aumentados e numa proporção assustadora. Algumas passarão de R$ 190 para R$ 900. Sabe o que isso vai mudar? Nos primeiros meses o cidadão vai prestar mais atenção, mas depois vão aumentar a inadimplência (que já é alta) e a arrecadação. Calcula-se que 30% dos veículos que transitam em São Paulo estão com algum débito com a Prefeitura ou Estado. Esse número vai aumentar.

 

Também vai aumentar a arrecadação. Hoje o município de São Paulo arrecada um bilhão de reais com multas por ano. Embora a destinação desse dinheiro não seja devida e claramente explicado, parte dessa verba deveria ser destinada à educação e sinalização de trânsito. Não é o que vemos pelas ruas...

 

O que poderia ser a "falta d'água" no trânsito? Um enorme basta! O único jeito de vislumbrar alguma redução nos acidentes de trânsito é trabalhar nas novas gerações, como meu avô fez com filhos e netos. Os atuais motoristas e motociclistas dificilmente se sensibilizariam com campanhas, por mais emotivas e premiadas que fossem. Em outubro viajei para três capitais do Brasil ministrando palestras de conscientização do trânsito, com foco no motociclismo. Gostaria de dividir algumas constatações com você, leitor:

 

- Existe um enorme, gigantesco, preconceito com relação aos motociclistas em qualquer lugar. Parte por influência negativa da mídia, que está sempre a reforçar o que tem de ruim e desprezar o que tem de bom. Mas também pelos cidadãos em geral. Os motociclistas, sobretudo os mais simples, ainda são vistos como marginais, trombadinhas motorizados, mesmo quando são trabalhadores. São muito poucas as empresas que investem na qualificação e treinamento desses profissionais porque ainda é visto como CUSTO e não investimento. Ouvi o seguinte depoimento de um executivo: "a gente dá treinamento para o motociclista e depois ele muda de emprego". Sim, mas o treinamento precisa vir acompanhado de uma valorização do profissional, dando equipamentos de qualidade, oferecendo motos sempre seguras e bem conservadas etc. E tentar criar critérios de pontuação que premiem os bons com benefícios como folga, adicional no salário, etc. Funcionário bem tratado se mantém na empresa.

 

motocas.jpg

Empresas precisam investir na qualificação dos funcionários motociclistas 

 

- As manias absurdas se espalham como catapora em jardim da infância. Basta aparecer um motociclista usando o guidão encurtado para que isso contamine todos os outros. O mesmo vale para a postura e técnicas malucas de pilotagem.

 

- Falta de informação. Eu fico realmente desesperado quando vejo algumas teorias se difundindo sem que ninguém se questione a veracidade. Isso mostra como é fácil manipular o povo. A quantidade de motociclista que pneus riscados ou remoldados é assustadora. E NINGUÉM sabia que essas duas práticas são ilegais. Teve gente que até deu o nome da empresa que remolda pneu de moto! Pô, mas cadê a fiscalização?

 

- Cadê a fiscalização? O Código Brasileiro de Trânsito é um dos mais completos do mundo. Pena que ninguém conhece e se conhece não respeita e se não respeita não é punido. A única punição aplicada pelo agente de trânsito é a multa, que nunca funcionou nem nunca funcionará como ferramenta disciplinadora. É preciso criar, ampliar e botar nas ruas o agente específico de trânsito capaz de fiscalizar, mas também educar. O Brasil tem um código de trânsito rigoroso, mas aos olhos de um marciano que desça em terras brasileiras somos uma terra sem lei. Todo mundo faz o que bem entende, anda onde e como quer, com veículo caindo aos pedaços. É um território livre. Pode mais quem grita mais.

 

IMG_3892.jpg

Fiscalização zero... 

 

- Vai piorar. Nem a mais santa das freiras carmelitas acredita que o trânsito vai melhorar no Brasil. Não vai! Em 2020 vamos passar (mais um) vexame perante à comunidade mundial porque será o encerramento da década mundial da segurança no trânsito. E a cerimônia será no... Brasil! Eu quero estar lá para ver o rubor na face dos ministros da Cidade e da Saúde ao apresentarem os números da violência no trânsito. A menos que os dados sejam maquiados (e isso nossos políticos são mestres) a vergonha será acachapante. E todo mundo tem sua parcela de responsabilidade.

 

Não sei qual será o paradigma que fará reduzir os acidentes e vítimas de trânsito, a exemplo da postura diante da crise de água. Mas uma coisa eu já sei: se por um milagre chover sem parar por meses em São Paulo e os níveis das represas voltarem ao normal nós veremos novamente as pessoas lavando o quintal, desperdiçando água porque se tem uma coisa que atinge todo mundo é a falta de memória para as coisas ruins.

publicado por motite às 16:24
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Renato Campestrini a 24 de Outubro de 2014 às 14:00

Tite, uma triste constatação a sua acerca dos resultados da Década. No início, um grande trabalho foi desenvolvido e remetido à Brasília para que o país viesse a atingir as metas, mas o documento até onde temos conhecimento, repousa em berço esplêndido.
Ontem uma matéria na tv apontou que somente um em cada quatro municípios está integrado ao Sistema Nacional de Trânsito - SNT e consequentemente as infrações pipocam sem qualquer punição.
As práticas incorretas se alastram e ficam impunes, para se juntar àquelas que relacionou, cito o uso de película no para-brisa, proibido por lei, de fácil constatação mas tolerado em nome da "segurança".
Outro ponto é que falar sobre segurança na maior parte dos casos chateia as pessoas, dá sono, mais fácil posteriormente cometer a infração e lamentar uma eventual autuação.
Vamos em frente e "Viva a Década de Ações para a Segurança Viária".
Abraço,

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.Procura aqui

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Salão da recuperação

. Viajar de moto é tudo de ...

. Honda Day: as novas CB 65...

. Prazer em encolher: Ducat...

. Linha 2018 Honda chega co...

. Vide Versinha

. Comprei um capacete!

. Indian Motorcycle comemor...

. É uma BMW! Teste da BMW G...

. Parque de diversões, um d...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds