Terça-feira, 3 de Fevereiro de 2015

A história de um encontro - parte 2

tornado.jpg

Em algum lugar entre Maceió e Salvador. Note a almofada de gel no banco, depois explico isso.

Mais um capítulo de uma história regada a gasolina, água de côco e coriza. Se você perdeu a primeira parte clique AQUI

Comedor de camarão

Potiguar no idioma tupi significa "comedor de camarão". Ninguém come mais camarão do que eu, mas o potiguar dessa história é meu amigo Kleber Tinoco, um irmão que o destino decidiu fazer nascer em Natal. Minha missão era chegar em Natal num dia e na manhã seguinte, bem cedo, seguiria caminho rumo Maceió, a cerca de 600 km.

Como o farol da Tornado é uma piada, decidimos em comum acordo não viajar à noite. Para fazer os 600 km sem sufoco, com tempo para registrar os locais em fotos e parar para descanso eu sabia que teria de oito a nove horas de viagem. Saindo cedo, com tudo normal, daria facilmente para chegar em Maceió antes de escurecer. Maceió era uma das poucas capitais que eu não conhecia e sem GPS pra ajudar eu já estava me preocupando antes mesmo de dormir.

Meu brother Kleber Tinoco, ou simplesmente Klebinho, já estava ciente da minha estada em Natal e até jantamos na noite da minha chegada. Só que ele insistia para eu conhecer a concessionária Honda Potiguar, de propriedade do generosíssimo João de Deus, um homem de caráter raro hoje em dia. Por isso já me sentia mal em dar um belo bolo nos dois, porque não tinha a menor intenção de visitar a concessionária, uma vez que o plano era sair às 6 da manhã sem tomar café. Além disso, como bom nordestino que é, Klebinho fala mais que o homem da cobra e se eu passasse por lá não conseguiria sair antes do meio-dia, quiçá no dia seguinte.

Mas... o destino. Sempre ele a mexer na ordem das coisas. Quando preparei meu equipamento ainda em São Paulo dei conta que não tinha capa de chuva. Procurei pela casa toda e nada! Ah, que bobagem, Natal sempre se orgulhou de ser a capital que menos chove no Nordeste a ponto de as agências de turismo criarem o "seguro-sol", que devolvia a grana da hospedagem caso chovesse, não seria bem na minha vez que choveria.

Choveu, claro. Acordei às 5 da manhã, abri a janela do quarto e chovia canivete aberto. Pegar chuva no meio da viagem é uma situação normal e até contornável. Mas sair já debaixo de chuva, para uma viagem de 600 km! Nem a pau!

Voltei pra cama, acordei duas horas depois e ainda chovia. É, não tinha jeito, eu teria de comprar uma capa de chuva e a única loja que eu conhecia era justamente a Potiguar. Liguei pro Klebinho e avisei que passaria lá apenas pra pegar a capa de chuva e sair. Nada de conversa, resenha, almoço, nada. Era comprar a capa e me mandar! Ele respondeu ao telefone:

- Sim, venha que já estarei com a capa na mão lhe esperando, não vai demorar nada!

Mas... o destino de novo. Com a moto mais carregada que jegue de cigano parei na porta da concessionária e nada de Klebinho. A boutique abriu às 8:00 em ponto, comprei a capa de chuva e já estava saindo quando Klebinho apareceu e fez o convite:

- Venha conhecer João de Deus, ele quer lhe conhecer! Falou naquele tom meigo e convidativo de um rottweiler com fome.

Só que o ômi estava no meio de uma reunião e pediu para esperar só um pouquinho. O "pouquinho" no idioma potiguar é como um "segundinho" pro soteropolitano, ou seja: uma hora. Nesse tempo eu fiquei sentado na sala de espera, vendo o movimento dos vendedores. Era um tal de entra e sai de gente comprando moto que parecia mercado de peixe. Aquela concessionária, naquela época, vendia algo como 600 motos por mês, um literal maremoto.

Em meio a nada pra fazer uma vendedora me chamou a atenção. Olhos verdes, loira, alta (pro meu padrão), pele viçosa e aquela covinha no rosto que surgia quando abria o sorriso digno de comercial de pasta de dente. E ela não parava um segundo. Atendia cliente, falava ao telefone, passava pra cá, pra lá, numa correria desatada, mas com um sorriso de parar conversa de bar. Uma hora olhando aquela mulher começou a mexer com minha testosterona. Mas eu precisava ir embora, tinha 600 km para percorrer e já era 11:30. Sabia que uma grande tragédia estaria se anunciando se eu pegasse a estrada à noite, numa rodovia de mão dupla, cheia de caminhão, esburacada, com acostamento erodido e... como nada é tão ruim que não possa piorar, muitos trechos em obras!

Dei um abraço no meu amigo e caí fora precisamente ao meio-dia. Debaixo de um sol saariano, sem chuva e preparado para um enorme sufoco. Que não demoraria para começar.

(Continua...)

publicado por motite às 11:13
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Alan a 3 de Fevereiro de 2015 às 17:18
O Tite não perde mesmo esse talento pra escrita, no aguardo dos próximos episódios. (E também do "o mundo é uma roda 2)

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.Procura aqui

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Quem experimenta pede Biz

. Salão da recuperação

. Viajar de moto é tudo de ...

. Honda Day: as novas CB 65...

. Prazer em encolher: Ducat...

. Linha 2018 Honda chega co...

. Vide Versinha

. Comprei um capacete!

. Indian Motorcycle comemor...

. É uma BMW! Teste da BMW G...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds