Sexta-feira, 12 de Junho de 2009

Minhas Motos

(A primeira: tudo começou com ela - Suzuki A 50II. Foto:Pai)

 

 

Minhas motos
 
Graças à um post no Orkutinsson ocorreu a idéia de escrever sobre “As minhas motos”. Toda vez que tento lembrar quantas motos eu já tive acabo percebendo que alguma ficou fora da lista. Só de XL/XLX 250 foram quatro!!! Por isso – e para poupar meus neurônios da estafante missão de lembrar coisas – fiz um relatório das motos que já tive por categorias. Vamos lá:
 
A primeira moto: Suzuki A 50II (1972~1973) – Na verdade a moto era do meu irmão mais velho. Eu só tinha 12 anos e mal alcançava os pés no chão. Era linda e eu a colocava na sala de casa pra ficar olhando até pegar no sono. Com ela aprendi a gostar de velocidade e levei o primeiro tombo em cima de um canteiro de espinhos! O fim dela foi triste: um bêbado passou o farol vermelho e pegou bem na roda dianteira. O cara tentou fugir e arrastou a moto presa ao pára-choque do Fusca por uns 60 metros. Eu escapei por milagre porque naquela época não usávamos capacetes. Mas a moto foi vendida como sucata!
 
A mais querida: Honda CB 400Four (1976~1986) – Também foi comprada para o meu irmão, mas essa eu roubei mesmo, na cara dura. Rodei mais de 120.000 km em 10 anos. Nos últimos anos eu poupava a velhinha porque já tinha outra moto. Com a 400Four eu viajei muito, namorei muito, caí muito e corri tanto que é admirável ainda estar vivo! Depois de ficar alguns anos guardada na casa dos meus pais, criando poeira e teia de aranha foi vendida por US$ 1.000 e hoje me arrepende demais de tê-la vendido!
 
(CB 400Four n versão tuning. Não repare no terno, eu era executivo! Foto M.Bock)
 
A primeira fora-de-estrada: Yamaha DT 180S (1982~1983) – Foi minha professora de off-road. Fiz a Rio-Santos várias vezes (na época pré-asfalto); viajei pelo interior de Minas, passei o maior frio da minha vida na Serra do Mar e gostei tanto dela que logo depois comprei mais uma! Essa segunda está com o Felipe Passarella até hoje!
 
A mais perigosa: Yamaha RD 350LC (1988~1990) – Nuca tive nada mais rápido na vida. E a mais arisca também. Comprei exclusivamente pra correr, porque tinha uma Hondinha 125 pra usar no dia a dia. O motor foi feito pelo Gaeta, os escapamentos eram originais por fora e tudo alterado por dentro. As suspensões eram jóias preciosas e numa medição feita no litoral ela chegou a 222 km/h de velocidade máxima. Decidi vender depois de levar um tremendo susto voltando pra casa. A história dessa RD continuou porque vendi pra um garoto sardento que achei não duraria nem três meses com a moto. O resto dessa história eu conto outro dia.
 
A mais chocante: Agrale SXT 27.5 Explorer (1990~1992) – Quando achei que iria morrer com a RD decidi voltar pro fora-de-estrada e comecei a disputar provas de enduro de regularidade e velocidade. Consegui patrocínio da Agrale e tinha como ofício desenvolver e moto e passar tudo pra fábrica. Novamente com ajuda do Gaeta e mudamos tudo na moto, da suspensão às manetes, escapamento, tudo! A parte chocante é que num Enduro das Montanhas instalei um Compass e tivemos de improvisar uma bateria (a Explorer não vinha com bateria), mas alguém esqueceu de ligar um fio terra. No primeiro dia de prova fiquei em primeiro na categoria. No segundo dia choveu e cada vez que eu passava em poça d’água levava choque nas mãos! A moto era tão boa que meu amigo Ralph Theil herdou essa Explorer pra correr no Paulista de Velocidade, entrou na metade do campeonato, ganhou três corridas e foi campeão!!!
 
A melhor: Yamaha XT 600 Ténéré 1988 (1993~1994) – O critério “melhor” tem muito a ver com aquilo que cada um julga importante. Essa moto é uma “journey-bike” feita para quem quiser rodar milhares de quilômetros. Com ela fiz algumas das minhas melhores viagens como a inesquecível estrada de dunas de areia fofa para Jericoacoara, CE. Vendi só para comprar uma moto zero km, que viria a ser a pior de todas!
 
A pior de todas: Cagiva W16 (1994) – Provavelmente a Cagiva mandou essas motos pro Brasil pra se livrar do mico. A Agrale era representante e fez uma venda com super desconto aos jornalistas. Comprei uma e só tive dor de cabeça. Nunca funcionou direito e nenhuma concessionária conseguia resolver o problema. Quando quis vender a moto de volta na concessionária a segunda surpresa: os caras desvalorizaram quase 50% o valor da moto com TRÊS meses de vida!!! Justificativa do concessionário: “a moto era muito ruim”. Só que depois eles revenderam a moto pelo dobro do preço!!!
 
(Honda RS 125 - a mais divertida! Foto: Donini)
 
A mais divertida: Honda RS 125 (1997~2007) – Com essa moto corri os campeonatos brasileiros de 1997 a 1999. Com motor 125cc, dois tempos, cerca de 45 CV era muito difícil de pilotar, mas uma delícia! Depois da última etapa guardei-a na sala de casa e ficou lá repousada até meu velho amigo Alexandre Simões Zaninotto arrematá-la para guardar em seu museu particular. Aliás, só vendi porque ele prometeu mantê-la intacta!
 
A atual: Suzuki DR 650 RE (2001 ~ ?) – Na verdade tive duas dessas (uma 1996 e a atual 2000). Uma das motos mais versáteis que conheci: enfrentou longas viagens, encarou trilhas com pneu off-road, rodou milhares de quilômetros de congestionamento paulistano e tem uma incrível capacidade de entrar e sair do asfalto e da terra sem necessidade de nenhuma regulagem. Um trator. Pena que as peças sejam tão caras e o vazamento de óleo no cabeçote seja incurável.

 

publicado por motite às 21:58
link do post | comentar | favorito
30 comentários:
De Fe Pressinott a 12 de Junho de 2009 às 22:28
Primerio comentário... vc é velho...
Segundo... que porra de foto de terno é essa? Coisa ridícula!!!
Terceiro... vc melhorou demais, em motos e aparência!!!!

bjs
De motite a 12 de Junho de 2009 às 22:42
Essas minhas amigas/leitoras, todas tão meiguinhas... rsrsrssrsrs
De luidhi a 17 de Junho de 2009 às 19:55
Concordo com a Fe.

Os moda dos anos 80 serviram para acabar com a aparência das pessoas.

Alias, você ia em reunião com essa bota ri-di-cu-la?
De Financiamento de Motos a 4 de Novembro de 2009 às 09:36
Eu gostei mais da primeira foto talvez por se a mais antiga e por não ser desse tempo! Muito bom o post!
De Jamil a 12 de Junho de 2009 às 23:03
Tite

Seu blog é muito bom! Parabéns pelo espaço e pela iniciativa de ser um jornalista independente.

Sou motociclista a mais de 12 anos, tenho bastante experiência com motos de 125 e 250cc e devo compara este ano minha primeira moto grande.

Estou em dúvida entre a bandit 650 s e a hornet, mas minha dúvida principal é com relação ao peso e a ergonomia para o piloto e passageiro. Faz muita diferença os 45 kg de extras da bandit (173 kg hornet e 218 kg bandit)? E a ergonomia de ambas (a patroa vai junto de vez em quando)?

Obrigado pela atenção e grande abraço.


De motite a 14 de Junho de 2009 às 21:23
Já-1000

Esse tipo de consultoria eu prefiro ficar de fora, pq qq coisa que eu responder vai depender basicamente do seu gosto pessoas. 45 kg realmente é muita coisa, mas depende do uso que se faz da moto...
De dave a 13 de Junho de 2009 às 01:35
Mt boa essa análise,tite,mas vc usa de umas estratégias covardes quando escreve.Deixa o leitor curioso...e o pior é q nunca sabemos como está sua disposição para voltar pro computer e escrever no seu blog de novo.É lamentável isso e sobre o rapaz de sardas e a rd350 quando iremos ter noticia???Isso que dá ler blog gratuito kkkkkkk...
De dave a 13 de Junho de 2009 às 01:41
ooo jamil,
acho q tite vai dizer para vc q os 45 kilos a mais só farão diferença se vc carregar nas costas kkkk...
De tasmotos a 13 de Junho de 2009 às 02:59
Tite,

Ta ficando velho em cara...
Mas não fique triste, minha primeira moto foi uma Yamaha, 50 cc, modelo FS1, laranja como a sua, um sonho para a epoca, sport, cinco marchas, comprei em 1972, quando tinha dezesseis anos.
Apesar de sempre estar com uma moto, até hoje ela é a recordação mais gostasa que tenho das motocas, portanto sei exatamente o que voce sente.

Abraços,

tasmotos

http://www.mh2img.net/view-pic-img.html?img=3675&w=720
De André Coelho a 13 de Junho de 2009 às 08:09
Ei, ei, ei.... O final da história da "mais perigosa" tá na revista Motomax, edição 37. Simplesmente hilário!!!

Abraços!
De joia a 13 de Junho de 2009 às 20:07
Tite você não teve também uma CBR 600 F? tenho a impreção que vc tinha escrito em algum lugar que tinha tido uma, essas foram todas as suas motocas? ou só as que vc lembra? rs
De motite a 14 de Junho de 2009 às 21:19
Sim, tive, e muitas outras, mas não dá pra escrever sobre todas elas, fiz só uma seleção das mais marcantes. Essa CBR 600 1997 me deu mais dor de cabeça do que alegria... perdi a conta de qtas vezes tive de abrir os carburadores pra trocar agulha de bóia...
De Tiago a 13 de Junho de 2009 às 20:29
Coisas do destino Tite, na primeira foto lá no fundo está justamente um fusca, sim o carro que arrastou sua primeira moto... rs.

Agora se tem uma coisa que eu sonho é em ter uma "perigosa", aquela moto que te faz sentir medo ao olhar pra ela, aquela que voce tem que ir conhecendo aos poucos, evoluindo... aquela que depois de um tempo só voce consegue domar e ninguem mais.
De dave a 13 de Junho de 2009 às 23:40
125 com 45 cavalos????pooo...pq minha intruder não veio turbinada assim hein???
De Lucas Marangon a 14 de Junho de 2009 às 18:51
DR 650 "SE" na realidade né.
Não entendo a J.Toledo na emissão de NFs.
As SE são RE no doc.
E a minha ex RSE era RE no DOC tbm.
Vai entender...

Comentar post

.mais sobre mim

.Procura aqui

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Honda lança SH 150i, um s...

. Cinco motivos para ter um...

. Cinco dicas de segurança ...

. SpeedMaster agora é BikeM...

. Dicas do DETRAN-SP: trans...

. Educação de trânsito nas ...

. Do pó vieste: saiba como ...

. Vai dirigir no exterior? ...

. Como emagrecer com skate

. O que esperar de 2017

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds