Terça-feira, 28 de Abril de 2009

Vidente ou experiente?

(Parece balinhas de goma, mas não é!)

 

Quando se trata de pilotagem, a principal regra que ensino no curso SpeedMaster de Pilotagem é “Não basta ver, é preciso pré-ver”. A previsão é a capacidade de ver antes. Mas não se trata de mágica, nem telepatia, é apenas uma capacidade que se adquire com a experiência. Entrar em uma curva cega a 160 km/h, por exemplo, é uma demonstração de tremenda incapacidade de prever uma situação inesperada. Ou, em outras palavras, é uma enorme burrice!
 
Normalmente não gosto de jogar confete na minha cabeça, mas enquanto fico mantendo uma postura “low profile” com relação à minha especialização, vejo pessoas que chegaram agora no mercado de motos posando de “especialistas”. Então, aqui vai um texto auto-promocional, mas que deveria se chamar de moto-promocional!
 
Em 2000 eu era redator colaborador da revista Auto Esporte, na época que considero a melhor fase desta revista. Ao meu lado eu tinha profissionais de extrema competência e elevado conhecimento técnico. Bob Sharp, Caio Moraes, Eduardo Dória, Luca Bassani, Rodolpho Siqueira, Fabrício Samaha e outros jornalistas do primeiro escalão. Foi em uma reunião de pauta com algum colega gripado (provavelmente eu mesmo) que surgiu a idéia de fazer um artigo sobre a atuação dos remédios nos motoristas. Fui escalado para produzir o artigo e fui pesquisar na Abramet – Associação Brasileira de Acidentes e Medicina de Tráfego – o que existia a esse respeito. O resultado foi surpreendente, porque os remédios são muito mais perigosos do que normalmente pensamos. Sobretudo no Brasil, onde a prática da auto-medicação é recorrente entre grande parte da população.
 
Para minha surpresa, em abril de 2009 a Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária – sugeriu que os remédios recebessem a advertência no rótulo: “Remédio, se tomar não dirija”. Será que minha bola de cristal era tão eficiente assim? Não, claro, porque senão já teria acertado as seis dezenas da Mega Sena. Na verdade essa determinação da Anvisa é uma tendência mundial. Só que nós previmos isso nove anos atrás!
 
Alguém aí quer se consultar comigo? Eu leio mão, faça amarração de amor, tarô, vidência, etc. Ah, pagamento adiantado! 
 
Leia a íntegra da matéria sobre remédios, publicada em 2000. E depois o artigo da colega Fernanda Aranda, da Agência Estado, publicada em abril de 2009.
 
Santo remédio
 
Torcicolo, dor de dente, joanete, cefaléia, espinhela caída, tosse, calvície, herpes, broxismo. Todo mundo fica doente e sabe muito bem qual remédio tomar. Além dos remédios caseiros, a base de chás, farmacopéias milagrosas e simpatias, os doentes recorrem aos medicamentos vendidos em qualquer lugar, como se fossem chicletes. Uma das manias nacionais é a auto-medicação. É um tal de tomar remédio sem consultar especialistas, mesmo quando o medicamento pode provocar reações adversas que vão desde a perda da acuidade visual, até a tontura e a sonolência. Pior, muitos dos remédios comprados aleatoriamente até em supermercados contém substâncias que interferem no sistema nervoso central, podendo ser causadores de acidentes no trânsito.
 
Segundos dados da Abramet – Associação Brasileira de Acidentes e Medicina de Tráfego –, em um artigo de autoria da especialista em Medicina de Tráfego, Dra. Ilham Taha, dois terços dos acidentes são provocados por falha humana, e o uso indiscriminado de medicamentos podem ser contribuintes para aumentar esta estatística. Entre as drogas lícitas mais usadas estão os antihistamínicos (para alergia), antiinflamatórios, analgésicos, antiasmáticos, antigripais, antiespasmódicos e antitussígenos.
 
Os antigripais, por exemplo, contêm antihistamínicos, analgésicos, sedativos de tosse, vasopressores, estimulantes, entre outros, que podem provocar como efeitos colaterais a sonolência ou sedação.Os vasopressores, presentes na maioria dos antigripais, podem ter o cloridrato de fenilpropalonamina, cujos efeitos colaterais podem variar entre ansiedade, tremor, excitabilidade, insônia ou arritmia. Já os antihistamínicos (anti alérgicos) que contêm cinarizina, tomado em larga escala, podem provocar a sedação (sonolência e depressão). Em compensação, os antihistamínicos com cetirizina não apresentam efeitos neurodepressores.
 
Alguém pode estar se perguntando: mas como saber se o meu remédio tem estes elementos? Muito simples, atualmente todos os remédios são obrigados a exibir no rótulo o nome genérico (princípio ativo) abaixo do nome comercial. Por exemplo, o antiemético (remédio para enjôo) Dramin, tem como nome genérico Dimenidrato, que causa sonolência e depressão do sistema nervoso central. Não espere que o balconista vá entender nomes como Cetoprofeno, Naproxeno, Paracetamol, Benzodiazepínico, Diclofenaco ou Piroxicam, mas nomes como Anador, Naldecon, Feldene, Dorflex, Tylenol são bem conhecidos e consumidos como se fossem balinhas de goma.
 
Além destes medicamentos conhecidos, com efeitos colaterais explicados na bula, existem ainda os remédios com componentes antipsicóticos ou hipnóticos, que são totalmente contra-indicados para quem está dirigindo. Para estes casos o ideal seria um acompanhamento médico, com orientação no sentido de contra-indicar o uso de veículos pelo menos no início do tratamento, quando o organismo ainda está se acostumando com a droga.
 
Falando em droga, os especialistas fazem questão de lembrar que muitos remédios têm seus efeitos potencializados quando misturados com álcool. Mas não vá pensar que isto significa que vai sarar mais depressa se tomar xarope com uísque. Na verdade os efeitos colaterais é que são potencializados. A sonolência pode ficar ainda mais sonolenta e a depressão mais depressiva. Como regra de vida, motociclistas e motoristas deveriam antes de tudo acabar com esta bagunça da auto-medicação (ou moto-medicação). Os remédios, por mais inócuos que pareçam, trazem efeitos que podem agravar uma situação já crítica. Um motociclista com histórico de apnéia do sono, por exemplo (aqueles que não conseguem dormir por problemas respiratórios), já sofrem de sonolência naturalmente. Quando sob medicamento, podem ficar ainda pior e maissszzzzzzzzzzz perigosozzzzz.
 
Remédio terá ""se tomar, não dirija"
 
Mudança em rótulos deve valer em dezembro; governo fará campanha na TV e empresa, panfletagem em pedágio
 
Por: Fernanda Aranda, Ag. Estado. 18/4/2009
 
O governo federal deu o primeiro passo para a entrada em vigor de uma "lei seca" para medicamentos. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quer que todas as embalagens de remédios que provoquem sonolência ou efeito sedativo (analgésicos, antialérgicos, antibióticos e psicotrópicos) venham com a mensagem de alerta "se tomar, não dirija". A proposta de restrição, que por ora não prevê nenhuma multa, tem o objetivo de reduzir acidentes.
 
Para entrar em vigor, o projeto passará por um processo de consulta pública até o dia 11. "Vamos receber sugestões da indústria, dos consumidores e da comunidade médica. Depois, quando o texto estiver consolidado, passará pela diretoria colegiada da Anvisa", afirma a gerente-geral de Medicamentos, Nur Shuquiara, que até dezembro pretende publicar a mudança das embalagens.
 
A medida de alertar os riscos ao volante atende às reivindicações de dois ministros do País: o da Saúde, José Gomes Temporão; e o das Cidades, Márcio Fortes. Ambos já afirmaram ser necessária uma proposta mais incisiva de restrição à direção para quem estiver sujeito aos efeitos de medicamentos. Fortes levanta uma bandeira pessoal na causa. Seu filho morreu aos 23 anos em um acidente de carro no Rio, em 2004. Análises mostraram que a tragédia foi influenciada pela ingestão de altas doses de antibióticos - para contornar uma dor de dente - durante a semana.
 
"Antes de pensarmos em uma lei, precisamos fazer uma campanha de conscientização porque ainda é muito pouco conhecido o impacto que os remédios podem acarretar na direção", afirma Fortes, que é responsável pelo Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), que dita as regras viárias. "Por isso, já planejamos que as próximas propagandas na televisão serão sobre isso", afirmou o ministro. Os custos das campanhas publicitárias serão pagos pelos R$ 120 milhões disponíveis por ano de recursos que vêm de multas e do seguro obrigatório (DPVAT).
 
Ainda não existem estudos científicos que comprovem a relação entre acidentes automobilísticos e uso de remédios. Mas o que sustenta a proposta do governo são três fatores principais: as 35 mil mortes anuais no trânsito brasileiro; o hábito da automedicação, praticado por 40% da população, o que aumenta o desconhecimento dos efeitos na direção; além do aumento na idade dos motoristas (os condutores com mais de 60 anos na capital paulista representavam 8,2% do total em 2003 e hoje já somam 9,8%). Nessa faixa etária, normalmente se precisa tomar mais remédios ao mesmo tempo. "O uso agregado de várias drogas pode potencializar os efeitos na direção", observa Fortes.
 
A Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet) já se posicionou de forma favorável à proposta e defende que os profissionais médicos de todas especialidades orientem os pacientes sobre os riscos. A General Motors também já está envolvida e organizou uma panfletagem, que deve ser feita em pedágios, para alertar os motoristas.
publicado por motite às 16:07
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Alexandre Penna a 29 de Abril de 2009 às 02:53
Fala Tite , beleza?
Para variar você deu "uma dentro" no assunto motociclistico . Parabéns Ah, e quando vai ser o próximo curso?
Abração Penna
De Orlando - BHZ a 29 de Abril de 2009 às 15:20
Ótima matéria, Tite. O problema é que, assim como os que bebem, os que tomam remédios não dão bola às advertências dos médicos. Há muito tempo, uns 12 anos, fui fazer uma endoscopia e me deram um Valium. Rapaz! Se o Ronaldo jogou a final de 98 depois de ter tomado um Valium, ele é um herói só de ter se mantido em pé. Pois bem, tomei o Valium, fiz a endoscopia, fui advertido de que não poderia ir dirigindo pra lugar algum... Mas fui mesmo assim! (afinal precisava cumprir minhas obrigações profissionais - como todo bom escravo) E pior, depois do almoço tive que viajar 120 km a trabalho para uma audiência. Na volta, parei em um posto e apaguei por umas 3 horas no banco de trás. Poderia ter matado alguém ou morrido, por uma irresponsabilidade minha, motivada pelo sentido de invencibilidade e descrença na orientação médica, (que por sinal é feita por uma enfermeira e de maneira singela, não contundente). Tivesse o médico alertado convenientemente, com explicações técnicas e "dado uma dura", certamente eu não faria isso.
Mea culpa, mea culpa...
De motite a 29 de Abril de 2009 às 20:19
Vai ser dia 9 de maio, sábado!!! apareça!
De Alexandre Penna a 29 de Abril de 2009 às 21:32
Fala Tite! vou sim! e ai, acha que vale a pena uma " reciclagem"? ou vai ter um curso avancado para ex-alunos?

Comentar post

.mais sobre mim

.Procura aqui

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Cinco motivos para ter um...

. Cinco dicas de segurança ...

. SpeedMaster agora é BikeM...

. Dicas do DETRAN-SP: trans...

. Educação de trânsito nas ...

. Do pó vieste: saiba como ...

. Vai dirigir no exterior? ...

. Como emagrecer com skate

. O que esperar de 2017

. Triunfo da versatilidade

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds