Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2013

O lobo, a galinha e o escorpião

(As galinhas pira!)

 

Era uma manhã bem agradável de primavera e decidi ajudar meu grande amigo Daniel Rosa a preparar uma nova área de escalada em Socorro, cerca de 140 km de São Paulo. Tínhamos de roçar o mato e abrir uma trilha que permitisse o acesso às vias. O capim gordura é nojento, porque deixa a gente todo melecado como se tivesse mesmo saído de um pote de manteiga.

 

Sempre que trabalho na roça vou preparado para qualquer situação de emergência, com rádio, botinas, luvas, óculos, muita água etc. Quando percebi uma laca solta na parede de granito decidi arrancar porque é mais seguro e no lugar fica uma agarra perfeita para escalar. Assim que tirei observei uns bichinhos amarelinhos que nem barata, mas sem meu óculos de aproximação chamei o Daniel que olhou de longe e fez apenas um comentário bem relaxado: "ah, são escorpiões!".

 

Putz, achei o máximo! Nunca tinha visto um escorpião antes e tinha encontrado logo seis de uma vez. Afastei os cinco e decidi levar um comigo pra mostrar pra minha filha bióloga. Esvaziei o pote de magnésio, coloquei o escorpião dentro, joguei dentro da mochila e continuei carpindo e limpando a via com a maior calma do mundo.

 

À noite voltei pra São Paulo de moto, com o escorpião na mochila, no meio de toda a tralha de escalada. Era uma agradável e estrelada noite de sábado!

 

Assim que cheguei em casa peguei uma caixa de madeira, enchi de terra, coloquei uns pedaços de telha, soltei o escorpião lá dentro e fui chamar minha filha. Ficamos observando o cara por um tempão, vendo se ele conseguia fugir da caixa. Sim, conseguia escalar fácil a parede de madeira e eu usava uma velha pinça cirúrgica para colocá-lo de volta. Passamos o domingo brincando com ele e tive de esperar até segunda-feira pra levar ao Butantan e descobrir mais informações sobre meu novo pet.

 

Já estava tão íntimo dele que coloquei de volta no pote, joguei na mochila e toquei pro Butantan, de moto, como sempre. Assim que cheguei na ala dos peçonhentos de casca falei pro estagiário:

 

- Achei um escorpião na área que costumo escalar e queria saber se ele é venenoso.

 

Coloquei o pote em cima de um balcão. O jovem examinou e sem olhar pra minha cara explicou:

 

- É um Tityus serrulatus, conhecido como escorpião amarelo.

 

- Que simpático, pensei, Tityus e Tite, podemos formar uma dupla sertaneja!

 

Mas o biólogo interrompeu meu devaneio:

 

- É o mais venenoso que existe!   

 

Dei um passo pra trás do balcão e perguntei:

 

- Como assim o mais venenoso que existe? Você quer dizer o mais venenoso que existe em cima deste balcão? O mais venenoso que existe na minha mochila? O mais venenoso que existe nesta sala?

- Não, ele é o mais venenoso que existe no mundo! Quanto menores as pinças mais venenosos eles são!

 

- No mundo todo? Até na África? Na China? Nos Estados Unidos???

 

- Sim, mais venenoso que existe no sistema solar!

 

Deu vontade de sair pulando, comemorando essa conquista nacional, afinal tínhamos o escorpião mais venenoso do mundo bem diante de mim e saído de dentro da minha mochila! Se eu soubesse que era uma celebridade no mundo da peçonha teria reverenciado mais o campeão.

 

O jovem deu uma aula de escorpião, inclusive a cada vez que reforçava o grau de toxicidade do veneno eu lembrava de quanto tempo fiquei cutucando o bicho sem luva nem nada. Segundo ele não havia inseticida que desse conta de acabar com o escorpião, que é um dos animais* mais antigos do planeta, da época dos dinossauros, e que se alimenta de baratas. Mas tinha um predador que era muito mais eficiente que qualquer inseticida: galinha! O escorpião está para a galinha assim como a lagosta está para nós. Bastava encher a casa de galinha e nunca mais se preocupar.

 

Bom, se debaixo de uma laca eu tinha achado seis escorpiões - e deixado cinco vivos e livres - dava para imaginar que aquele lugar estava infestado. Achei melhor tomar uma atitude e voltei na semana seguinte munido de uma gaiola.

 

Passei na casa rural e comprei duas galinhas lindas, branquinhas, dessas de granja. O homem achou que eu iria comer as galinhas (no sentido digestivo) e escolheu duas bem saradas. Soquei na gaiola, amarrei na moto e subimos a estrada de terra largando pena pra todo lado.

 

Segundo o biólogo, a galinha tinha uma tática pra comer escorpião. Ela pegava pelo rabo, perto do ferrão. Chacoalhava até arrancar o ferrão, cuspia e depois mandava o lagostim pro bucho. Quis ver isso de perto, claro!

 

Fui á caça de um Tityus Serrulatus, mas desta vez de luva, casaco de couro, bota, pinça e um SBP por garantia. Foi só puxar mais uma laca e lá estavam eles, enroladinhos, dormindo como anjinhos peçonhentos. Peguei o mais gorducho e voltei para testar as galinhas.

 

Pena que não foi filmado, porque seria um desafio aos olhos humanos. Joguei o escorpião bem no meio das duas. Antes de tocar no chão já tinha sumido! Fiquei olhando estupefato, achando que o escorpião tinha caído na barra da minha calça, que estava dentro da minha bota, sei lá, mas a verdade é que a galinha foi tão rápida que eu tive a impressão clara de que o inseto tinha simplesmente evaporado.

 

Pronto! Galinha neles!

 

Voltei para São Paulo feliz da vida por ter encontrado uma solução ecologicamente correta para acabar com os escorpiões. Passei a semana morrendo de curiosidade e não via a hora de voltar e avaliar o resultado de tão inegável contribuição para o equilíbrio da natureza. Já me imaginei dando palestras, recebendo prêmios da SOS Mata Escorpião, sendo entrevistado no Jô Soares e mais famoso que ex-BBB.

 

Mal o dia raiou no sábado, montei na moto e fui conferir o extermínio dos escorpiões em todo município. Estranhei o silêncio ao chegar na casa do caseiro, porque galinha é um bicho barulhento e saltitante. Fui falar com o caseiro e descobri, estarrecido que elas tinham sumido!

- Já sei, os escorpiões se uniram e deram fim delas?

 

- Não, foi o lobo!

 

- Ah, tá e a que horas chega a Chapeuzinho Vermelho?

 

- Verdade, seu Tite, o lobo comeu das duas galinhas na mesma noite que elas chegaram! Elas eram muito bobas... Ah e eu achei isso pro senhor!

E me entregou um pote de vidro com dois escorpiões dentro.

 

- Estavam dentro de casa...

 

Agora a natureza tinha me colocado em uma verdadeira cilada. Escorpião come barata, mas é comido por galinhas que foram devoradas pelo lobo. Cadê esse desgraçado???

 

Desencantado com a crueldade da mãe natureza, voltei pro trabalho de roçar e carpir, pensando em como dar cabo do lobo, sem ser preso, nem deixar vestígios. Descendo pela trilha, encostada em uma região de mata nativa preservada era comum a gente deparar com macaco bugio, veados, araras, mas lobo eu nunca tinha visto, apesar de saber de várias histórias, inclusive de matança por parte dos granjeiros vizinhos.

 

Eu jamais mataria qualquer animal, mal consigo matar um escorpião por pura questão filosófica: só os predadores podem matar, a gente, no máximo, pode comer!

 

No meio desse devaneio senti um cheiro forte de amônia, misturado com cachorro molhado. Vi de longe um cachorro enorme, mas grande mesmo, certamente o maior que tinha visto na vida e já preparei a enxada pra me defender. Mas aos poucos fui focando a visão e percebi que era muito grande e fedorento pra ser um cachorro, tinha um focinho curto e as patas longas e finas demais. Ele estava imóvel me olhando. Eu estava imóvel me borrando. Por uma fração de segundo nenhum dos dois se mexeu e alguma coisa na minha carga genética dizia para eu desaparecer dali, me volatizar, me teletransportar pro colo da minha mãe.

 

Quando o caseiro se aproximou o animal desceu a trilha e sumiu na mata, lentamente como se estivesse em casa. Perguntei pra ele:

 

- Você viu aquele cachorro??? Era muito grande!

 

O caseiro riu e falou com a maior naturalidade do mundo:

 

- Hahaha, cachorro nada, era o lobo! o mesmo que comeu as galinhas!

 

Na minha imagem de conto de fadas, lobos eram um pouco maior que um cocker spaniel, com um focinho longo, pelos longos e alaranjados, patas curtas etc etc... Foi então que descobri que passei a vida inteira confundindo lobo com raposa!

 

Pensei quão raro era encontrar um lobo guará assim tão perto e neste momento me achei um cara de sorte. O caseiro contou que eles se acostumaram com as pessoas e rondavam as casas atrás das galinhas comedoras de escorpiões e que isso estava provocando o fim deles, porque os sitiantes caçavam com muita facilidade. Bateu uma tristeza profunda porque eu vi nos olhos do lobo séculos de solidão.

 

- Pô, os caras matam um lobo por causa de meia dúzia de galinhas?

 

- É, matam e mandam a gente matar!

 

Naquela noite voltei pra casa mais triste, porque sabia que aquele lobo não duraria muito tempo. Com a cabeça enfiada no capacete, pilotando a moto no modo automático senti vergonha de ser gente e fazer parte da espécie mais predadora do planeta.

 

Na moeda corrente da espécie humana a vida de um lobo vale menos que uma galinha.


* Atendendo a pedidos: escorpião não é um inseto, é um artrópode! 


 

 

publicado por motite às 13:31
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito

.mais sobre mim

.Procura aqui

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. 10 dicas para comprar e u...

. Mamma mia! Como é a nova ...

. Clássica zero km, Royal E...

. As marcas do consumo

. Tutorial: como fazer um s...

. Cinco coisas que só um ju...

. Café com classe: Triumph ...

. A cara do Brasil, conheça...

. Honda lança SH 150i, um s...

. Cinco motivos para ter um...

.arquivos

. Julho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds