Sexta-feira, 10 de Outubro de 2008

Vida corrida – O piloto bom e o bonzinho

(Senna, bonzinho só fora da pista! Foto: Tite)

 

Lembra quando escrevi que piloto burro nasce morto? Pois pode acrescentar que piloto “bonzinho” não dura muito! Ser um bom piloto não significa ser um piloto bom e muito menos bonzinho. Aliás, ser bonzinho é a pior das qualidades que alguém pode almejar na vida. Quando alguma mulher diz que sou bonzinho já dou logo uma cotovelada no nariz para mudar a opinião dela ali mesmo na hora, banhada em sangue!
 
Com a aproximação do final do campeonato mundial de Fórmula 1 muitos torcedores estão criticando a forma, digamos, pouco polida, de pilotagem do inglês Lewis Hamilton. Ora, que me desculpem as pessoas que nunca vestiram um capacete e alinharam com mais de 20 pilotos na nuca: esse papo de fair-play é a coisa de esporte chique, automobilismo e motociclismo são competições motorizadas e não tem espaço para “cavalheirismos”. Não conheço nem UM piloto campeão da F1 ou motovelocidade da era moderna que possa ser chamado de “bonzinho”. Os caras estão lá para comer o fígado dos concorrentes com cebola.
 
Competição motorizada só permite o bom-mocismo fora das pistas e olhe lá. Até Ayrton Senna, o neto que toda vovó queria ter, quando entrava na pista era o primeiro a querer pular na jugular dos adversários. Ele passava do jeito que dava e impedia a ultrapassagem a qualquer custo, inclusive pagou caro em algumas situações, o Jean Louis Schlesser que o diga!
 
Idem Michael Schumacher, Nelson Piquet, Alain Prost e vários campeões do automobilismo. No motociclismo poderia citar o Valentino Rossi como um cara que também está pouco se lixando para as boas maneiras. Em 2004, no circuito de Jerez, Rossi disputava a primeira posição com o espanhol Sete Gibernau. Um italiano contra um espanhol na Espanha! Na última curva da última volta Rossi não teve dúvida: mandou uma banana pra torcida espanhola e jogou Gibernau para fora da pista. Quem vê esta cena no Youtube pode perceber que Rossi jamais faria aquela curva se não usasse a moto de Gibernau como um apoio. Foi um ato de quase violência, mas que resultou na vitória.
 
Um pódio tem três lugares e no espaço do primeiro colocado só cabe um. Se Valentino fosse um piloto “bonzinho” ou com fair-play jamais arriscaria bater daquele jeito e acabar no chão. Mas... bonzinho não tem vez nas competições.
 
O impacto psicológico dessa trombada foi tão grande para Gibernau que a carreira dele praticamente acabou nesta curva. Depois dessa prova ele entrou numa espiral descendente e nunca mais recuperou a auto-estima (ou moto-estima, no caso).
 
Durante minha vida de piloto tive a oportunidade de aprender muito cedo que a “bondade” deve ficar fora da pista. Fiz muitas amizades na época das corridas, algumas delas duradouras, mas nunca me permiti que isso influenciasse a minha forma de pilotar. Dividi curvas com amigos como se fossem desconhecidos e depois da corrida sim, podíamos comentar, rir, brigar ou chorar das disputas.
 
O BOM piloto se diferencia do piloto bonzinho pela forma como se impõe a seus adversários. Se Valentino Rossi tivesse aliviado naquela curva, permitindo que Gibernau vencesse a prova ele perderia o respeito do adversário. Certamente Gibernau começou a pensar duas vezes antes de dividir uma curva com Valentino nas corridas seguintes.
 
Quando fiz meu primeiro curso de pilotagem, o professor Expedito Marazzi nos deu uma lição: se não tiver equipamento para ultrapassar seu adversário mostre que você é um cara muito mau! Comece a frear depois só para os pneus fazerem barulho e soltar fumaça. Não mostre nunca que você está conformado com a posição, mas que está disposto a passar de qualquer jeito. Se o piloto da frente não tiver equilíbrio psicológico em pouco tempo acabará cedendo a posição por erro ou por medo de os dois acabarem fora da pista.
 
Mas cuidado, ser mau não significa ser desonesto. É muito difícil estabelecer o limite entre ser um cara mau e ser injusto ou desonesto. Minha história como piloto de kart mostrou que muitos daqueles pilotos que pareciam tão “bonzinhos” usavam estratégias desonestas para burlar o regulamento e vencer os pilotos verdadeiramente bons. Pena que só descobri isso tarde demais. Não confunda ser mau com ser desleal.
 
Tenho vontade de me rasgar ao meio quando ouço um comentarista da TV falar que determinado piloto “é difícil de ultrapassar”. Mas desde quando ultrapassagem é uma tarefa “fácil”? Só falta agora separarmos os pilotos em duas categorias: os fáceis e os difíceis de ultrapassar! É a mesma coisa que classificar um beque do futebol como “fácil de driblar”. Pô, o mérito deve ser do atacante em achar uma forma de passar pela defesa e chutar pra gol! Nenhum jogador está no campo para facilitar a vida de ninguém, da mesma forma que nenhum piloto veste o capacete disposto a facilitar as ultrapassagens!
 
Sou da opinião que pista de corrida não é uma esquina do bairro para dar margem às discussões de quem é culpado por um acidente. Quando vestimos o capacete nós estamos assumindo riscos. Pelos nossos erros e pelos erros dos outros. Junto com o capacete vestimos a cumplicidade dos riscos. O bom piloto é aquele que encara os riscos da melhor forma possível, enquanto que o piloto bonzinho é o que não quer enfrentar os riscos.
 
Chefe bonzinho
Se fizermos um paralelo com o mundo corporativo não é difícil identificar quem é bom e quem é bonzinho. Chefe bonzinho é a certeza de uma administração ineficaz. Fazer papel de bonzinho é a forma mais eficiente de permitir a ultrapassagem e existe uma legião de colegas loucos para pegar o cargo (e o salário) dele.
 
O BOM chefe é aquele que controla e se mantém afastado dos riscos, mas não tem medo de enfrentá-los quando preciso. Já o bonzinho é aquele que tudo permite para evitar conflitos que possam colocar a sua paz (e a cabeça) em risco. A exemplo dos pilotos, o chefe pode perfeitamente ser BOM sem ser desonesto nem injusto.
 
O chefe bonzinho deixa sua equipe emendar o feriado prolongado. O BOM chefe propõe prêmios, como participação no lucro da empresa, de forma a incentivar a disposição ao trabalho. Os membros da equipe serão os primeiros a se oferecer para trabalhar nas chamadas pontes dos longos feriados.  
 
A melhor forma de evitar a ultrapassagem no mundo corporativo é manter-se tão bem informado e aparelhado que ninguém consegue nem sequer pegar o vácuo. Informação e conhecimento são os aditivos que fazem melhorar o desempenho de uma carreira. Estes aditivos estão à disposição na forma de cursos, análise e estudo de mercado. Claro que não cito as qualidades humanas porque sem elas ninguém nem sequer chega ao cargo de chefia.
 
Uma das características mais marcantes do funcionário bonzinho é o comodismo, enquanto o bom profissional é o que não pára quieto. Um bom piloto nunca está satisfeito com seu equipamento e fica estudando a forma de melhorar. O bom executivo precisa sempre melhorar e exigir que sua equipe melhore junto, mesmo que isso custe ser chamado de pentelho! A exemplo do piloto de corrida, no mundo corporativo quem não acelera fica pra trás. Ou, como preferia repetir meu primeiro chefe de equipe “quem fica parado na verdade está andando pra trás”.
 
Nada impede, porém, que manobras políticas conspirem para derrubar um chefe. Nessas horas é preciso ser um Ayrton Senna: tenha aparência de bonzinho, mas reaja como se fosse um leão enjaulado e alimentado só com salada de alface. Quando sentir que alguém está no vácuo é hora de ser BOM e impedir a ultrapassagem a qualquer custo.
 
Hora de acelerar?
Existe uma máxima filosófica no mundo das competições que aconselha “quando os outros aliviam é hora de acelerar”. Aprendi isso com o ex-tricampeão mundial de F-1 Jackie Stewart, nos anos 70. Ele simplesmente ignorava as bandeiras amarelas. Por isso, ciente que as bandeiras amarelas são agitadas com exagerada antecedência eu sempre continuei acelerando até ver com meus próprios olhos a real situação do perigo. Nunca aliviei o acelerador diante de uma bandeira amarela porque sabia que alguém perto de mim poderia descontar segundos preciosos que me fariam falta no final da corrida.
 
Agora que estamos vivendo uma época de pânico na conjuntura econômica mundial, com várias bandeiras amarelas acenadas em cada curva, muitos executivos pensarão em tirar o pé do acelerador, deixando espaço para que outros acelerem. Os bons executivos saberão olhar a real situação de perigo para decidir se continuam acelerando ou aliviam.
 
Olhando para a história da economia mundial podem-se citar inúmeros exemplos de empresas que cresceram em ambiente de crise. Não há nenhuma novidade nisso. Agora o mercado terá condições de diferenciar o bom do bonzinho. Aquele que aproveitar a crise para crescer sairá com status de BOM. Já os que tombarem solenemente diante de uma crise poderão vestir a carapuça do bonzinho. São nos momentos de risco que o mundo corporativo separa o bom do bonzinho. Lembre-se: o bom sabe avaliar e encarar o risco, enquanto o bonzinho faz de tudo para evitá-lo.
 
Qual destes dois papéis você almeja para sua carreira?  
* Para ver aquela ultrapassagem do Valentino Rossi basta entrar no youtube e digitar “rossi gibernau”       

 

publicado por motite às 16:34
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Fernando Savian a 10 de Outubro de 2008 às 20:27
Mais fácil ainda é clicar no link: http://br.youtube.com/watch?v=F4YuRgR9-rY

Excelente texto Tite!
De Mário Sérgio Figueredo a 22 de Outubro de 2008 às 15:48
Pãtz, Tite.

Nesse texto você se superou. E eu que só li agora.

Cara, acho que você está precisando é de um bom empresário para te colocar no mundo das palestras em grandes corporações.

Se aquele cara da banca do RJO ganha rios de dinheiro com um discurso meio insosso, o Marins também, só falando o óbvio, vejo em você um talendo que precisa ser melhor lapidado.

Pense nisso, procure alguém do meio que possa te colocar em contato com as pessoas certas.

Pode estar aí a sua tão sonhada independência financeira.

Abraços

Comentar post

.mais sobre mim

.Procura aqui

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Cinco motivos para ter um...

. Cinco dicas de segurança ...

. SpeedMaster agora é BikeM...

. Dicas do DETRAN-SP: trans...

. Educação de trânsito nas ...

. Do pó vieste: saiba como ...

. Vai dirigir no exterior? ...

. Como emagrecer com skate

. O que esperar de 2017

. Triunfo da versatilidade

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds