Sábado, 11 de Janeiro de 2014

A virtude pode estar no meio

 

CB 500 pode ser a resposta para um bom meio-termo!

 

Como escolher entre três degraus de modelos da Honda?

 

Está cada vez mais difícil escolher uma moto nova. A Honda lançou a linha 500, com três modelos – a naked F, a esportiva e a crossover X – para preencher a lacuna que existia entre a faixa de 300 a 600cc. Com isso, diminuiu-se um degrau para quem quer subir de categoria e, mais ainda, incluiu-se uma opção que pode ser também a porta de entrada para novos motociclistas, ou velhos que decidiram voltar ao mundo das duas rodas.

 

A idéia desse post não é testar nenhum modelo, apenas funcionar como um guia para quem está em dúvida entre os três modelos da Honda, que funcionam como uma "escadinha" natural para quem quer subir de categoria. Também não perca seu precioso tempo pra escrever "por mais R$ 5.000 eu compro uma moto maior", ou "pow por essa grana eu compro uma 1.000cc de 2007", porque isso é coisa de CHATO, uma vez que esse artigo tem o objetivo de mostrar ESTES TRÊS MODELOS, e não toda produção brasileira de motos desde 2001!

 

Até algum tempo atrás, para o dono de uma moto na faixa de 250 a 300cc passar para a categoria maior, era preciso investir quase três vezes mais do que o valor da moto atual. Além de tirar de cena muitos dos que recorrem a financiamento, porque a prestação poderia passar o limite de crédito aprovado. Restava como opção os modelos usados, mas que tem uma restrição ainda maior à aprovação do crédito, além de juros mais altos.

 

Com a chegada da linha CB 500, o degrau ficou menor, mais do que isso, trouxe ao mercado a opção de ficar no meio do caminho entre a pequena e a grande. Como diziam os gregos,  in medium virtus stat, ou “a virtude está no meio”, em latim. Durante um test-ride realizado durante meu curso SpeedMaster, com ajuda da Remaza, cheguei a ouvir um motociclista dizer textualmente, logo após descer da moto: "eu estava na pilha para comprar uma Hornet, agora vou decidir pela CB 500 porque é mais leve e tem tudo que eu preciso". Veja alguns dados comparativos entre os três modelos.

 

Começando pelo preço** de aquisição: a CB 300R tem seu preço de tabela, base Estado de São Paulo e sem frete e seguro, de R$ 12.040 sem ABS e R$ 13.740 com ABS. Tomando como base a versão com ABS, se o comprador der 50% de entrada e financiar o saldo em 24 meses, o valor da parcela fica em torno de R$ 420,00.

 

Se a ideia é passar pra a categoria 500, com preço de R$ 23.500 (com ABS) é perfeitamente possível usar uma moto 250 ou 300 de entrada, que represente ao menos 50% do valor, já que as parcelas em 24 meses passariam para um valor próximo a R$ 600.

 

Mas no caso da Hornet, vendida a R$ 35.300 (com ABS) 50% corresponde a R$ 17.495, já bem acima do valor de uma moto 250/300cc usada. Além disso, a prestação - em 24 meses - passaria para cerca de R$ 950,00.

 

O salto da categoria 250/300 para a 500 é bem mais suave do que para 600, e isso levando em consideração não apenas o preço da moto, mas também a manutenção, seguro, licenciamento, impostos e outros.

 

Também a título de comparação, se usarmos como base a cesta de peças, que são os 10 componentes mais comuns de desgaste nos primeiros 10.000 km e alguns itens de avaria em uma eventual queda, o pacote da CBR 300R equivale a R$ 970,00. Já no caso da CB 500 esse pacote sobe para R$ 1.793 e dispara para R$ 2.615 na Hornet 600. É preciso pensar também neste custo antes de dar o passo rumo à moto maior.

 

 

Honda CB 600F Hornet: sonho de consumo.

 

Desempenho & conforto

Claro que nem tudo é grana! Às vezes vejo motociclistas fazendo escolhas erradas por pura falta de esclarecimento. Hoje sabe-se que a maioria dos donos de motos da categoria 600 não usa a moto como meio de transporte diário, muito menos como meio de vida, mas na faixa de 250/300cc isso é bastante comum. Dados de pesquisa de mercado revelam que 99% dos compradores de moto da categoria 250/300cc usam a moto como meio de transporte, número que cai para 77% no caso da categoria 600. A mesma pesquisa mostra que apenas 29% dos donos de motos na faixa de 600cc usam a moto diariamente, enquanto 83% dos usuários de motos entre 250 e 300cc usam a moto todos os dias, inclusive nos fins de semana.

 

Então, o salto de uma 300 para a 600 pode funcionar muito bem para quem tem a moto como uma fonte de lazer e não uma ferramenta de trabalho, até porque, como vimos, a manutenção de uma Hornet é mais cara do que a de uma CB 300R.

 

Por outro lado, os donos de motos na faixa de 250/300cc deixam de pegar estrada com receio da falta de desempenho, ou mesmo porque a moto não aceita tão naturalmente o acréscimo do passageiro. A opção pela moto maior pode ser a resposta para melhorar o conforto na viagem, embora volte a questão do custo de manutenção e naturalmente o maior consumo do motor de quatro cilindros da Hornet.

 

Mais uma vez é aí que entra o meio termo. Com uma moto mais leve, de potência mais fácil de administrar, versátil e de baixo consumo - além do custo de manutenção menor - a CB 500 pode ser uma espécie de coringa, porque tem a “usabilidade” da 300, com o conforto de uma 600. Vamos analisar mais alguns números.

 

A CB 300 tem motor de um cilindro, que desenvolve 26,5cv com gasolina e o consumo médio é de 26,5 km/litro*. O motor quatro cilindros da Hornet tem quase quatro vezes mais potência, com 102cv e consumo médio de 18 km/litro* (embora eu já tenha feito 20 km/litro sem esforço). Já a CB 500 tem o motor de dois cilindros surpreendentemente econômico, capaz de fazer médias de 26 km/litro* com quase o dobro da potência da CB 300: 50,4 cv. Mais do que isso, em uma situação de estrada, com velocidade de 80 km/h, a Hornet mantém 4.000 RPM, uma faixa de rotação mais baixa, o que reduz tanto o ruído quanto a vibração. Já na CB 300R, a 80 km/h, ela está com o motor a 5.000 rotações. Curiosamente, a CB 500 com o câmbio de seis marchas revela os mesmos 4.000 RPM para se manter a velocidade de 80 km/h. É a potência combinada com a economia.

 

Pensando em uma moto para uso tanto na cidade, quanto na estrada a resposta aparece mais uma vez no meio-termo, representado pela CB 500: ela tem ótima maneabilidade no trânsito urbano, permite se deslocar com eficiência e economia no percurso diário como se fosse uma moto menor, mas também cumpre um bom papel na estrada, tanto em desempenho quanto conforto.

 

 

Honda CB 300, uma boa moto para começar

 

Segurança

Uma das grandes dificuldades enfrentadas na hora de escolher a moto adequada é ser capaz de dimensionar o peso e a potência com a experiência e habilidade do novo motociclista. A sabedoria popular já nos ensina que não se deve dar o passo maior do que a perna, senão podemos tropeçar. Com a moto o princípio é o da "escadinha": começando por um veículo leve e com potência fácil de administrar, passando para os maiores conforme aumenta a experiência do piloto.

 

Mas também é comum ver "marinheiros de primeira viagem" querendo partir de cara para uma moto grande. No Brasil não existe a progressão de patente para habilitação de motos, como alguns países da Europa. Aqui, o motociclista pode se habilitar em uma pequena moto de 150cc e já comprar de cara uma 600cc. Ele pode, mas não é recomendável.

 

Da mesma forma, por questão de poder aquisitivo, muita gente começa por uma moto de 150cc, mas costuma enfrentar longos trajetos por estradas ou levar acompanhante na garupa. Uma moto de 300cc seria mais adequada, porque é apenas um pouco mais pesada do que uma 150cc, porém com pneus mais largos, suspensão mais confortável e freios mais potentes. Ou seja, moto maior também pode ser sinônimo de segurança, quando bem administrada.

 

Ter uma moto de 600cc e 102 cavalos poderia até assustar os menos experientes, mas se o processo de amadurecimento for gradual isso não representará um susto – pelo contrário, em algumas situações, dispor de mais potência pode até ajudar.

 

Até em termos de dimensões e peso os três modelos não são tão diferentes. Começar pela CB 300R é uma boa porque ela tem apenas 151 kg (com ABS) e usa o pneu traseiro na medida 140, o que dá boa segurança nas condições de cidade e estrada. O tanque de 18 litros permite uma autonomia média de 470km*. Já a Hornet é mais pesada, com 193kg (com ABS), pneu traseiro na medida 180 e a autonomia média é de 345km* para o tanque de 19 litros. Quem sair da CB 300R e optar pela CB 500 não notará tanto o aumento de peso, já que a diferença é de apenas 29kg a mais para 500, que conta ainda com pneu traseiro um pouco mais largo, na medida 160, e autonomia média de 410 km* para o tanque de 15,7 litros.

 

E quando a experiência já é bastante, mas ainda assim uma moto com mais de 100 cavalos parece grande demais? De novo a resposta vem no meio-termo, representado por uma moto de 500cc, 50 cavalos, que é versátil para administrar a potência e segura para enfrentar situações de estrada.

 

Como se vê, a chegada da linha CB 500 pode ser a resposta para aquela pergunta feita lá no começo: qual moto comprar? Com o conforto e segurança de uma 600 mais a economia de uma 300, ela pode ser a “metade da laranja” que muita gente procurava no mundo das duas rodas.

 

Tabela Comparativa

 

Modelos            CB 300R             CB 500F                     CB 600F Hornet

 

Motor               um cilindro        dois cilindros             quatro cilindros

 

Potência           26,5cv                50,4cv                     102cv

 

Consumo*        26,5km/l             26,0 km/l                  18 km/l

 

Peso                151kg (ABS)       180kg (ABS)             193kg (ABS)

 

Altura               1.040mm           1.060mm                 1.074mm

 

Pneu traseiro     140/70              160/60                     180/55

 

Transmissão      5 marchas         6 marchas                 6 marchas

 

Tanque             18 litros            15,7 litros                  19 litros

 

Autonomia*       470km              410km                      345km

 

Cesta peças**    R$ 966            R$ 1.793                  R$ 2.615

 

Preço**          R$ 13.740(ABS) R$23.500(ABS)     R$ 35.300(ABS)                                    

 

* Dados de testes realizados por revistas especializadas. Autonomia média (com 10% de margem de segurança)

**preços públicos sugeridos base dezembro/13. Preço público sugerido base Estado de São Paulo, sem frete e seguro

 

publicado por motite às 23:20
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Leonardo Amorim a 13 de Janeiro de 2014 às 22:45
Vou Ser O Chato...
Concordo Em Todos Os Pontos Com Relação A 500 Ser Um Meio termo MuitobBem Vindo. E\' O Que Muitos Esperavam — Eu Sou Um Deles — Mas Para Mim O Preco Poderia Ser Mais Em Conta Sim. Aprecio Muito Seu Trabalho. Um Grande Abraço!
De Mr. Dammit a 13 de Janeiro de 2014 às 23:27
Realmente a categoria de 500cc parece ser bem atraente.
De André a 30 de Janeiro de 2014 às 02:01
Não quero ser chato, nem perto disso, só quero por a mesa de discussão outro modelo também da Honda, só que com preço mais no meio termo.
A NC 700X, o que acha? Para mim parece uma alternativa plausível para quem tiver altura para conduzir.
De motite a 18 de Fevereiro de 2014 às 15:15
A NC 700X seria mais equiparável à CB 500X. Eu acho a NC 700 uma das motos mais bem boladas, mas foi incompreendida pelo público brasileiro.

Comentar post

.mais sobre mim

.Procura aqui

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Honda lança SH 150i, um s...

. Cinco motivos para ter um...

. Cinco dicas de segurança ...

. SpeedMaster agora é BikeM...

. Dicas do DETRAN-SP: trans...

. Educação de trânsito nas ...

. Do pó vieste: saiba como ...

. Vai dirigir no exterior? ...

. Como emagrecer com skate

. O que esperar de 2017

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds